Chaves para produzir e transmitir conteúdo jornalístico online ao vivo

porAndrés Colmán Gutiérrez
Dec 16, 2020 em Reportagem sobre COVID-19
Câmera de vídeo

Quais são as chaves para produzir e transmitir conteúdo jornalístico online e ao vivo, durante a pandemia?

Os jornalistas Jesús Abad (Espanha), fundador do portal multimídia Glocal, e John Ospina(Colômbia), vice-diretor de conteúdo digital e plataformas sociais do Canal 44 e rádio da Universidade de Guadalajara, México, compartilharam várias recomendações durante o webinar “Produção e transmissão online ao vivo para jornalistas”, organizado pelo Fórum de Reportagem sobre a Crise Global de Saúde em espanhol, com moderação de Desiré Esquivel, gerente de comunidade do Fórum.

Abad disse que a experiência de ficar em quarentena diante da crise do coronavírus “tem motivado os comunicadores a explorar muito mais os muitos recursos que a tecnologia digital oferece hoje para fazer programas ou transmissões de conteúdo jornalístico ao vivo”. “O que uma equipe de seis ou sete pessoas fazia até recentemente, hoje um único jornalista pode fazer, falando para a câmera de um celular montado em um tripé, a um custo muito menor”, ​​disse.

Abad compartilhou 15 recomendações para preparar uma transmissão de conteúdo jornalístico online e ao vivo:

  1. A pré-documentação é fundamental.

  2. Chegue a tempo ao lugar de onde vai se conectar.

  3. Se possível, esteja acompanhado por outra pessoa que faça as funções de câmera ou produção, e que possa verificar (enquanto você está transmitindo) se a transmissão ao vivo está correta. Em muitos casos, você terá que fazer o trabalho sozinho, por isso é conveniente aprender a lidar com tudo que você precisa para ser versátil.

  4. Traga baterias bem carregadas e outras sobressalentes.

  5. Verifique se a conexão com a internet no local é adequada e se é possível obter um wi-fi próximo.

  6. Encontre um bom local, onde haja boa iluminação e pouco barulho ao redor para fazer a transmissão. Verifique com antecedência se o som será o melhor possível.

  7. Tenha a visão do que pode estar acontecendo na hora de transmitir ao vivo, para evitar interrupções ou transtornos.

  8. Reitere algumas informações durante a transmissão, tendo em vista que se trata de uma transmissão ao vivo e pode haver pessoas que ingressam depois de iniciada.

  9. Agende previamente as entrevistas principais.

  10. Confirme sempre quem é o entrevistado, que cargo ocupa e como deseja ser apresentado.

  11. Saiba ouvir as respostas para fazer contra-perguntas e evitar perguntar coisas que talvez o entrevistado já tenha respondido.

  12. Compare a documentação consultada e evite dar por certo tudo o que encontra na internet.

  13. Verifique a pronúncia, especialmente de nomes com os quais não está familiarizado.

  14. Se a transmissão for feita nas redes sociais, é importante interagir com os seguidores e responder às perguntas que fizerem.

  15. Não se esqueça de que você tem uma grande responsabilidade ao transmitir informações ao vivo e que a mensagem será gravada e poderá ser compartilhada.

Para streaming de áudio ao vivo, Abad recomendou o uso do aplicativo Spreaker Studio.

Para as transmissões de vídeo e áudio ao vivo, ele mencionou que os canais mais usados ​​são: YouTube, Facebook Live, Periscope e Instagram. Ele indicou as plataformas Streamyard, Restream e Twitch para reproduzir simultaneamente o mesmo conteúdo em vários canais.

Ele recomendou o uso da ferramenta OBS (Open Broadcaster Software), um aplicativo gratuito e de código aberto, que é muito funcional para a gravação e transmissão de vídeo pela internet.

[Leia mais: Vídeos melhores com o seu celular: passos para refinar suas produções]

 

Ospina enfatizou que o fluxo de trabalho na mídia digital mudou muito e os recursos para transmissões online e ao vivo aumentaram durante a pandemia.

“A primeira coisa é conceber muito bem qual é a história que queremos contar e depois determinar quais são as plataformas nas quais vamos compartilhar essas histórias. Levando em conta esses detalhes, planejamos quais serão nossos quadros, as perguntas que devemos fazer, os locais que devemos escolher, os equipamentos que devemos transportar”, disse.

O equipamento básico para uma transmissão online e ao vivo, segundo Ospina, deve consistir no seguinte:

  • Um bom smartphone, com ligação à internet.
  • Um suporte para celular, que estabiliza a imagem.
  • Um tripé.
  • Um refletor de luz.
  • Um microfone.

“Esse equipamento básico permite que um jornalista chegue rápido e em tempo hábil para transmitir um determinado assunto, mas o fundamental, mais do que gadgets ou dispositivos, é proporcionar um bom fluxo de trabalho”, enfatizou.

No exemplo estabelecido, é possível capturar conteúdos que são utilizados para um portal web (textos e imagens), para rádio (áudio) e televisão (audiovisual).

Ospina compartilhou um esquema de fluxo de trabalho retirado do Centro de Desenvolvimento e Treinamento de Mídia do canal de televisão Al Jazzera, especialmente projetado para jornalismo móvel, estruturado da seguinte forma:

  1. Planejamento: Ângulo da história; recursos potenciais ou entrevistados; quadros possíveis, ideias de roteiro.

  2. Reunir notícias: Investigue; encontre recursos; apure e verifique dados e informações.

  3. Gravar, escrever, editar: Tire fotos e faça vídeos; faça capturas de vídeo; grave áudios; escreva para fotos/vídeo; edite imagens, áudio e vídeo; arquivos de formato.

  4. Compartilhar, publicar ou transmitir: Em plataformas digitais; na TV.

“Muitas vezes achamos que esse sistema de trabalho é muito caro, mas não é. Trabalho com ferramentas open source, que evoluem mais rápido que as ferramentas comerciais e têm uma vantagem competitiva, pois consomem poucos recursos da máquina e tornam o trabalho mais leve em vários formatos”, explica Ospina.

[Leia mais: Meu kit de ferramentas de vídeo: Nilo Tabrizy]

 

Algumas das ferramentas digitais que o jornalista recomendou:

  • Audacity: Permite editar áudio com muita facilidade e exportar arquivos para vários formatos.
  • VLC Media Player: Ferramenta muito prática para editar vídeo e transmiti-lo em vários canais.
  • Avidemux: Permite cortar e editar fragmentos de vídeo para transmissão.
  • OBS: Embora basicamente permita a transmissão em um único canal, com uma biblioteca Multiple OBS RTMP você pode reproduzir a transmissão em várias plataformas. Ele recomendou usar a ferramenta disponível neste link.
  • vMix: Permite incluir até três transmissões ao vivo e transmissões em várias redes.

Durante o webinar, Ospina realizou demonstrações práticas de como usar essas ferramentas, que podem ser vistas no vídeo completo do encontro:


Imagem sob licença Creative Commons no Unsplash via Sticker Mule