Buenos Aires vira terra da oportunidade em notícias digitais

porJames Breiner
Jun 9, 2014 em Empreendedorismo de mídia

Ouvimos muito falar sobre o próximo Vale do Silício, mas não ouvimos muito sobre o Vale da Morte. É onde 80 por cento das startups de tecnologia vão para morrer.

As startups morrem ou se juntam aos morto-vivos principalmente por dois motivos: não têm dinheiro suficiente ou não têm conhecimento suficiente para chegar ao próximo estágio de desenvolvimento. São incapazes de mostrar aos investidores que seu projeto pode ser comercialmente viável.

O Media Factory News Accelerator, com sede em Buenos Aires na Argentina, quer mudar as chances de sobreviverem ao Vale da Morte.

Eu estou aqui na sede por duas semanas como mentor no programa e animado com as ideias e a energia das startups e treinadores com quem estou trabalhando. Jornalistas latino-americanos são, ao mesmo tempo, mais sérios e mais despreocupados do que os americanos. Eles têm maiores obstáculos a serem superados em seu trabalho diário do que estamos acostumados nos Estados Unidos (ameaças, censura, salários precários), portanto são mais conscientes de quão incerta é uma imprensa livre; mas também sabem como esquecer o relógio e desfrutar de brincadeiras, comida, música e amigos.

O fundador Mariano Blejman, um jornalista e hacker veterano, reuniu um grupo de investidores e trouxe o primeiro grupo de startups para um projeto de aceleração de três meses. Mariano vem trabalhando nisso há mais de um ano e nós conversamos sobre o projeto em vários estágios. Eu me sinto sortudo por fazer parte dele.

Dinheiro e treinamento

Cada uma das startups está recebendo US$75.000 para desenvolver seus projetos, além de treinamento com uma série de especialistas.

As equipes estão hospedadas no Nxtplabs, que é em si mesma uma startup para a América Latina e uma das três empresas que investiram no projeto. Os outros dois investidores são o Media Development Investment Fund e a North Base Media. O Centro Internacional para Jornalistas está patrocinando o trabalho de Blejman como parte da bolsa do Knight International Journalism Fellowship.

Cultura pop e política

Houve 115 candidatos para o programa de toda a América Latina. Os investidores decidiram colocar seu dinheiro nestes três: ElMeme.me, uma plataforma para notícias, cultura pop e entretenimento na Argentina; El Cambur, um site de notícias voltado para o centro político na Venezuela; e GKillCity, uma voz da contracultura em notícias e política no Equador.

ElMeme e GKillCity já desenvolveram audiências online substanciais e estão buscando acelerar o seu crescimento e desenvolver fontes de receita. El Cambur está em um estágio mais inicial, com uma equipe de jornalistas veteranos e produtores de documentários.

O programa começou com três dias de trabalho com Miranda Mulligan, uma especialista em inovação de mídia que é diretora executiva do Knight Lab da Universidade Northwestern. Mulligan trabalhou com as equipes para desenvolver o tipo de mentalidade de teste defendida por Eric Ries em The Lean Startup. Ela desafiou cada uma das três equipes a testar suas teorias sobre o seu público, sua tecnologia e seus negócios.

O processo de Mulligan é rigoroso e forçou os jornalistas a começarem a pensar mais como empresários, a se concentrarem em trabalhar nas métricas que impulsionam o lado empresarial da startup.

Outros especialistas que participaram na primeira semana:

  • Francisco Coronel, co-fundador e diretor financeiro da Nxtplabs, descreveu os estágios de financiamento para startups e o que precisam fazer para atrair cada nível sucessivo de investimento.

  • O advogado Carlos Kaplan mostrou para as equipes as vantagens e desvantagens de várias estruturas legais para suas empresas e suas implicações fiscais. Dependendo de sua estrutura de propriedade e seus objetivos de longo prazo, segundo ele, podem se beneficiar de estabelecer suas empresas nos Estados Unidos.

  • O brasileiro Magnus Arantes, um gestor de investimentos especializado em startups, descreveu as vantagens de seu país para startups (tamanho do mercado, riqueza, indústrias desenvolvidas) e desvantagens (altos impostos e barreiras de exportação e moeda).

Na minha parte do programa, falamos sobre a receita, vendas e ideias de negócio com as equipes. Uma amostra (em inglês):

Nas próximas semanas, temos planos de trazer especialistas do PolicyMic.com, Vox Media e outros meios de comunicação inovadores para ajudar as startups a desenvolverem suas ideias de negócio. Vai ser muito trabalho. E muito divertido.

Este artigo foi escrito originalmente para o blog News Entrepreneurs e é publicado na IJNet com permissão do autor.

James Breiner é consultor em jornalismo online e liderança. Foi co-diretor do Global Business Journalism Program na Universidade Tsinghua e bolsista do programa Knight International Journalism Fellow, tendo lançado e dirigido o Centro de Periodismo Digital na Universidade de Guadalajara. Ele fala espanhol e inglês. Siga-o no Twitter.

Imagem sob licença CC no Flickr via Heisenberg Media