Agência de notícias locais automatiza artigos sobre esportes do ensino médio nos EUA

porChristine Schmidt
May 07 em Jornalismo digital
Basquete

Quando dizem que os robôs estão chegando no jornalismo, geralmente se referem às grandes organizações de notícias, como o Washington Post ou a Associated Press, que estão experimentando automatizar seus artigos. Agora, o Richland Source, uma agência de notícias digitais criada há seis anos de Mansfield, Ohio, entrou nessa onda também.

Com o Abundat, uma empresa de inteligência artificial que compartilha o mesmo espaço de trabalho (é assim que eles se encontraram), o Richland Source está agora automatizando artigos dos resultados dos eventos esportivos das escolas de ensino médio de Ohio. Os detalhes são exatamente o que os pais e fãs querem, seguno o editor Larry Phillips.

“Isso abrange o básico do que o leitor espera de seu meio de notícias local. Isso libera as pessoas para fazer mais jornalismo envolvido, mais coisas que eles têm interesse em fazer”, disse ele.

O Richland Source construiu o Lede AI no ano passado com a ajuda do Abundat, embora a agência de notícias possua totalmente o produto e use o Abundat como empresa contratada. O processo não foi bonito: no início, todos os cinco redatores do Richland Source e alguns colaboradores passaram a noite de sexta-feira traduzindo os dados dos jogos no Scorestream dos textfiles do Lede AI para artigos no CMS do site, e a equipe de Phillips escreveu centenas de cenários --mas a equipe chegou a um ponto em que agora consegue publicar os resultados dos jogos tarde da noite enquanto todos dormem.

“Passamos de seis a oito semanas em que um ser humano se sentou e editou cada artigo antes de nos sentirmos à vontade para executar isso”, disse Jay Allred, presidente do Richland Source.

Agora, depois de completar uma fase beta com outras sete organizações de notícias (que o Richland Source se recusou a identificar) e mais de 20.000 artigos publicados sem nenhum erro, a equipe está tentando convencer outras redações a experimentar.

Não há menção do software ou da redação robótica nos artigos em si, mas Allred e Phillips apontaram para um artigo do Richland Source publicado na semana passada explicando o Lede Ai. Veja alguns exemplos:

O Washington Post já seguiu um caminho parecido com a automação dos resultados do ensino médio usando seu AI Heliograf, e a Associated Press gerou automaticamente artigos sobre os resultados do beisebol de segunda divisão e as prévias da Liga de Beisebol.

Mas o Richland Source está tentando transformar o Lede AI em sua própria mini-versão do Arc Publishing do Post, desenvolvendo este software como uma fonte de receita. Isso vai além de seus anúncios e programa renovado de assinatura. 

Allred disse que a equipe considerou a possibilidade de automatizar outros tipos de matérias, como transferências de imóveis ou certidões de casamento e óbito, mas voltou aos esportes por causa da relação existente com o Scorestream. As matérias de esportes têm maior probabilidade de receber tráfego de pesquisa também.

"Vamos fazer algo que crie oportunidades para que as redações e pequenas empresas locais dominem um mercado", disse Allred.

E da perspectiva editorial: “Isso nos dá o elemento de superpotência que podemos cobrir todo o estado. Se um leitor está procurando uma pontuação de futebol, o Richland Source vai estar lá primeiro e com precisão”, disse Phillips.

A equipe pode tentar essas outras áreas de tópicos em algum momento. Primeiro, porém, Allred e o fundador do Abundat, Evan Ryan, estão trabalhando em uma maneira de a Lede AI divulgar as tendências em todas as escolas de ensino médio nas quais um dos jornalistas esportivos de Phillip poderia escolher uma análise. 

Nos anos desde a última vez que escrevemos sobre isso, o Richland Source expandiu-se para mais dois condados e está tentando aumentar suas bases de assinantes-membros para cobrir os dois novos repórteres. A busca de receita do leitor reformulou a abordagem do site com fins lucrativos, com matérias baseadas no Hearken e um processo mais simples para realmente dar o seu dinheiro ao site. (O Richland Source também participou recentemente do acelerador de assinaturas do Facebook para sites de notícias locais.) A organização também desenvolveu boletins informativos e eventos com curadoria humana para os membros. Até o momento, a adesão dobrou nos últimos 90 dias e está a caminho de dobrar novamente nos próximos 90 anos, disse Allred.

O Richland Source ainda não é lucrativo, mas o Lede AI deve ajudar. A explicação no site do software inclui uma descrição das vendas de anúncios de seus próprios artigos (Allred cobra US$200/mês pelo Lede AI e US$4/artigo se o artigo recebe 10 ou mais pageviews nos primeiros 30 dias desde a publicação):

Durante a temporada de futebol americano, o Richland Fonte publicou:

  1. 1.866 total de artigos
  2. 148.700 total de visualizações de páginas.
  3. 1,16 tinham mais de 10 visualizações e cobraram a taxa
  4. 700 tinham menos de 10 visualizações e foram gratuitos
  5. Eles serviram três posições de exibição programática em cada artigo @ 2.00 CPM

Veja como ficou o dinheiro:

  1. Receitas programáticas de anúncios: US$892.20
  2. Despesas: US$4.664 (US$4.00/artigo *1.166 artigos)
  3. Renda: US$3.771,80 (e cobrimos todo o estado)

Observação: Não fizemos o seguinte:

  1. Reduzimos os custos de freelances
  2. Obtivemos patrocínios externos
  3. Fizemos qualquer promoção de artigo, pago ou até mesmo em nossas mídias sociais de graça.

"Sabemos que construímos uma ferramenta que precisávamos", disse Allred. “Depois que descobrimos que a ferramenta funcionava, acreditamos que talvez outra redação local também possa gostar dessa ferramenta.”


Este artigo foi publicado originalmente no Nieman Lab e é republicado na IJNet com permissão. 

Imagem principal sob licença CC no Unsplash via NeONBRAND