Academia de mídia na Índia prepara alunos para empregos digitais

porMargaret Looney
May 20, 2012 em Diversos

Uma escola de jornalismo na Índia está reforçando seu currículo com cursos digitais e estágios de alta qualidade.

A World Media Academy reúne jornalismo básico de rádio e TV com treinamento online em um programa de 10 meses, com certificado de pós-graduação.

Um projeto do Centro Internacional para Jornalistas e do John S. e James L. Knight Foundation, a academia completa seu primeiro ano com 14 formandos de todo o mundo, incluindo Nepal, Butão, Índia, Itália e Los Angeles.

A IJNet conversou com o bolsista do programa Knight de jornalismo e reitor da World Media Academy, Siddhartha Dubey, para saber mais sobre seus projetos mais recentes e planos para o próximo semestre.

IJNet: Com foco no jornalismo, como a academia está preparando os alunos para o futuro do jornalismo digital?

Siddhartha Dubey: Isso é o que estamos introduzindo para o próximo ano letivo. Contratamos uma professora específica, Sehrish Shaban, que produziu conteúdo para o washingtonpost.com e a Reuters online. Ela vai ensinar mídia digital, que abrange o modo de reportar online, como usar as mídias sociais de forma eficaz, como fotografar de forma diferente para a Internet no que diz respeito à televisão e como criar ou transmitir matérias de uma forma como no Twitter ou em formato muito curto.

IJNet: Em que tipo de projetos os estudantes trabalham durante o programa?

SD: Tivemos Julie Nolin, como professora visitante do Canadá, que desenvolveu um modelo de estúdio de transmissão para os alunos. Eles tinham que propor matérias e os professores decidiam quais delas seriam produzidas. Eles passaram a semana inteira fazendo as matérias e no final da semana filmaram 10 minutos de um programa de notícias completamente feito por estudantes. Eles fizeram tudo desde apresentação, edição, criação de gráficos, música, tudo envolvido um programa de aluno. O programa aparece no canal de YouTube e página no Facebook para incentivar alguns dos alunos a talvez rever a matéria e fazê-la melhor ou talvez fazer freelance.

Os estudantes estão fazendo parceria com colegas da faculdade de jornalismo da Universidade de Nebraska e todos eles vão a seções de fotografia juntos, o que também é uma atividade nova.

IJNet: A academia oferece estágios profissionais para alunos em grandes organizações como o Washington Post, Associated Press e Reuters. Alunos realmente conseguem emprego depois do programa?

SD: Seis alunos estão com empregos garantidos ou ofertas recebidas do New York Times, Al Arabiya, France 24 e Associated Press Television News. A maioria foi a partir de estágios que viraram trabalhos. Estágios são fundamentais. A gente apresenta os alunos a essas emissoras de TV ou outras organizações de notícias e diz que eles têm que trabalhar duro para provar a si mesmos. Cada estudante que voltou do estágio disse que sentia ter uma vantagem sobre seus colegas, porque sabia como editar, trabalhar com os prazos e como pensar como um jornalista.

IJNet: Agora que a academia está terminando seu primeiro ano, que lições você aprendeu e que desafios tem pela frente?

SD: A mídia eletrônica e de difusão está em um estado de fluxo. Emissoras de TV, jornais e sites estão segurando a quantidade de dinheiro que estão gastando. É um grande desafio fazer com que nossos alunos totalmente estejam aptos para entrar na mídia e ser empregados; e eu acho que nós levamos vantagem ao tornar todos estes jornalistas operadores multimídia. As redações estão mudando. Pessoas do alto assalariado estão sendo demitidas. Os mais jovens de salário mais baixo estão sendo contratados e recebem mais trabalho a fazer. É desafiador e excitante para mim ser a pessoa que dirige a academia.

A academia está recrutando estudantes para o segundo semestre de 2012. Os estudantes interessados ​​podem se inscrever para a academia aqui em meados de julho e o pagamento deve ser feito até 31 de julho. A academia tem como objetivo conceder bolsas de estudo baseadas em mérito para aqueles que precisam.

Imagem da WMA: Da esquerda para a direita - Malavika Vyawahare da Índia, Rajesh Rye do Butão e Yamu Kandel do Nepal.