Content supported by

8 tendências importantes no jornalismo local

porDamian Radcliffe
Oct 23 em Empreendedorismo de mídia

Assim como a mídia em geral, o jornalismo local foi bastante afetado pelo advento das novas tecnologias e comportamentos digitais. Isso abriu uma ampla gama de fontes de informação e entretenimento para o público, criou novos espaços e oportunidades para anunciantes e resultou em demissões e no fechamento de jornais em muitas comunidades.

No entanto, essa agitação também produziu novas possibilidades para jornalistas. As plataformas digitais oferecem oportunidades sem precedentes para uma distribuição rápida de conteúdo, bem como um meio para desfrutar uma interação genuína de duas vias com o público, ao mesmo tempo em que permite novas maneiras de oferecer notícias.

As audiências têm acesso a mais informações do que nunca, portanto as mídias locais precisam fornecer algo diferente em termos de conteúdo, perspectivas e valores jornalísticos.

Para ajudar a contar esta história, recentemente examinei como 10 sites de notícias locais no noroeste dos EUA estavam respondendo a esse desafio. Suas experiências servem como um microcosmo para salas de redação locais nos Estados Unidos e em outros lugares.

Aqui estão oito ideias-chave que emergiram desta pesquisa:

1. Dobrar o conteúdo local exclusivo pode ser essencial para a sobrevivência

A mídia local produz uma variedade de conteúdos -- desde reportagens de denúncias até cobertura local de esportes, artes, matérias de interesse humano e listas -- que oferecem suporte a diferentes necessidades de informação.

Grande parte desse conteúdo não pode ser encontrado em outro lugar, um princípio que pode ser essencial para a criação de um modelo viável de produtos e negócios para o jornalismo local. Isso é porque a escassez é um fator importante. As audiências têm acesso a mais informações do que nunca, assim mídias locais precisam oferecer diferente em termos de conteúdo, perspectivas e valores jornalísticos.

Como John Costa, presidente e editor do Bend Bulletin (em Oregon), observou:

"Se você pode ir além do óbvio nas áreas que são as mais importantes para o seu leitor, acho que terá um negócio sustentável. Se não fizer isso, tem um grande problema. Porque não faz diferença como seu conteúdo é distribuído, se não está dizendo às pessoas algo que precisam saber [ou] não podem obter de outro lugar."

2. A prática do jornalismo local está evoluindo

Esta evolução inclui elementos de jornalismo engajado, com foco particular em ouvir comunidades, bem como aproveitar plataformas digitais para contar histórias. O uso do vídeo e das mídias sociais já é um meio bem estabelecido para engajar o público e compartilhar "a notícia".

Os jornalistas locais também estão cada vez mais interessados em explorar diferentes abordagens para o seu ofício. Isso inclui jornalismo de soluções e reconhecimento de que podem manter sua independência e integridade jornalística ao mesmo tempo que são ativos e visíveis na comunidade.

"A resposta não é isolar-se da comunidade", disse Lou Brancaccio, editor emérito do Vancouver Columbian (no estado de Washington). "A resposta é colocar-se na comunidade mas deixar as pessoas entenderem e saberem que, se algo vai mal, você vai escrever sobre isso."

3. Provedores de notícias locais não vão parecer como no passado

Apesar de muitos esforços, grande parte da renda - e muitos dos empregos - que desapareceram do jornalismo local não retornarão. É impossível voltar o relógio a uma era de escassez de informações e publicidade, quando audiências e empresas tinham que chegar até você.

"Seja qual for o jornalismo local no futuro, não será como foi", disse o Dr. Rasmus Kleis Nielsen, diretor de pesquisa do Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo. "Vai ser algo diferente."

4. As salas de redação serão menores e cada vez mais orientadas pelo visual

As salas de redação locais do futuro, bem como as redações de hoje, precisarão fazer mais com menos. Equipes menores podem exigir novas abordagens para agregação e maior uso de serviços de agências, além de reduzir determinadas editorias ou desenvolvê-las de forma diferente.

Podemos esperar uma maior ênfase no papel da análise na formação de conteúdos e informação das editorias que as salas de redação enfocam, bem como uma maior importância atribuída aos jornalistas com habilidades de dados e visuais, especialmente de vídeo.

Como Logan Molen, editor e CEO da RG Media Company e Eugene Register-Guard (em Oregon) observou: "O vídeo é uma oportunidade para os jornais voltarem e atacarem, de maneira menos sofisticada, o conteúdo que é muito caro para estações de TV correrem atrás."

5. As organizações de mídias estão experimentando várias maneiras de aumentar a receita

Dado o desafio contínuo de garantir receitas suficientes para sustentar (e, de preferência, crescer) seus negócios, as organizações de mídia locais estão explorando várias maneiras de expandir sua base de receita.

Estas incluem paywalls, assinaturas (incluindo ofertas especiais e vendas através de terceiros, como Groupon), eventos, apoio de fundações, patrocínio e modelos de associação.

6. Engajamento, tanto online como na vida real, é uma prioridade emergente

As definições de engajamento variam mas são aplicáveis a ambos relacionamentos digitais e off-line com o público.

As organizações de notícias locais estão cada vez mais dando ênfase ao "engajamento", reconhecendo que isso pode afetar seus resultados e melhorar suas reportagens. Como Jake Batsell, professor da Southern Methodist University, escreveu em 2015: "O papel do jornalista engajado no século 21 não é apenas informar, mas para levar os leitores diretamente para a conversa."

As mídias medem o engajamento com o conteúdo --que, por sua vez, pode firmar as taxas de publicidade digital-- com base em visualizações de páginas, visitantes únicos, tempo no site e outras métricas. O engajamento off-line pode incluir eventos, abrir reuniões editoriais e outras oportunidades de diálogo direto, bem como o surgimento do "jornalismo engajado".

7. A mídia local precisa ser mais diversificada em pessoal e conteúdo

Como muitas redações já estão reconhecendo, as habilidades e composição de suas equipes também precisam mudar. As cidades do noroeste do Pacífico, como Seattle, Portland e Bend, estão crescendo rapidamente. Em alguns casos, sua composição demográfica está mudando, e as salas de redação terão que refletir isso.

Morgan Holm, vice-presidente sênior e diretor de conteúdo da Oregon Public Broadcasting (OPB) em Portland, reconheceu isso quando observou essa mudança de dados demográficos em sua cidade. "Muitas das contratações ocorreram 15, 20 anos atrás", disse ele. "Esta era uma comunidade bastante branca - ainda é muito branca - e bem classe média."

"Há muita homogeneidade na equipe aqui", ele admitiu. "E isso não prejudica o conjunto de habilidades -- eles são muito bons no que fazem -, mas para alcançar uma audiência mais ampla no futuro, teremos que contratar algumas pessoas que se parecem mais com essa audiência."

8. O jornalismo local é a vanguarda da profissão mais ampla

Numa época em que a confiança na mídia está em baixa, as organizações de notícias locais podem desempenhar um papel vital, garantindo que as preocupações da comunidade sejam levadas aos políticos eleitos e aos principais meios de comunicação.

Os jornalistas locais, muitas vezes os únicos jornalistas que a maioria das pessoas conhecerá, também têm um papel de embaixador da profissão em geral, um papel que deve ser levado a sério.

"Eu acho que a mídia local tem um papel importante a desempenhar na construção da reputação geral e da opinião no jornalismo", explicou Caitlyn May, editor do Cottage Grove Sentinel (em Oregon). "O engajamento desempenha um papel nisso, pois dá às pessoas um relacionamento individual com o jornalismo... Para fazer isso, é essencial que os jornalistas saem do escritório e vão para a comunidade."

Este sentimento, repetido pelos entrevistados neste estudo, é essencial para estabelecer a relevância e a vitalidade do jornalismo local no noroeste do Pacífico e além. Isso já está acontecendo e pode nos dar uma razão para otimismo, enquanto o jornalismo local continua a evoluir e se redefinir para a era digital.

Este é um resumo do “Local Journalism in the Pacific Northwest: Why It Matters, How It’s Evolving, and Who Pays for It” publicado pelo Agora Journalism Center at the University of Oregon

Este artigo foi publicado originalmente no MediaShift e é reproduzido na IJNet com permissão.

Imagem sob licença CC no Flickr via Tim Evanson