7 veículos de notícias e projetos jornalísticos que envolvem suas comunidades

por Jessica Weiss
Apr 23, 2014 em Diversos

Antes da era digital, os jornalistas informavam uma notícia e o público a consumia. A participação do leitores e telespectadores era principalmente limitada a escrever cartas ao editor ou ligar para a redação com uma dica de matéria.

Hoje, porém, o jornalismo é uma via de mão dupla, e envolver a comunidade é uma parte fundamental da missão de uma redação. A participação da comunidade é mais eficaz quando as organizações de notícias "dão prioridade para ouvir, participar, conduzir e possibilitar conversas para elevar o jornalismo", escreveu Steve Buttry, um especialista em mídia e jornalista veterano, em seu blog.

De enquetes a crowdsourcing, organizações de notícias em todo o mundo estão aprendendo a envolver os cidadãos na coleta de notícias. Abaixo estão sete exemplos notáveis ​​de organizações de notícias e projetos com a participação da comunidade em seu núcleo.

California Watch (agora parte da sua organização fundadora, o Center for Investigative Reporting): Desde o seu lançamento em 2009, a organização tem o compromisso de envolver a comunidade e alcançar novos públicos. Distribuiu panfletos em campi universitários para informar sobre a segurança em terremotos, fez testes gratuitos de chumbo e construiu uma página de criança.

CGNet Swara: Shubhranshu Choudhary, ex-bolsista do Knight International Journalism Fellowship do ICFJ, lançou o serviço de notícias móvel CGnet Swara (Voz de Chhattisgarh) que transformou o modo como as pessoas em áreas remotas da Índia recebem e compartilham notícias. O CGNet Swara é um portal de voz para jornalistas cidadãos informarem ou ouvirem bytes de áudio sobre a região de Chhattisgarh em seus idiomas locais. Leia mais sobre CGnet Swara.

A seção de comentários interativos do New York Times: Quando o Vaticano anunciou um novo Papa, leitores do Times que acessaram a matéria sobre a eleição do Papa Francisco foram convidados a definir-se em três maneiras: estavam felizes ou não com a decisão? Ficaram surpresos ou não com a escolha? E eram eles católicos ou não?

"Isso é algo para matérias que achamos que vai ter uma quantidade significativa de reação que podemos, daí, construir algo em torno" disse o vice-editor de notícias interativas, Sasha Koren ao Nieman Lab.

Rastreando Cigarras: A equipe de dados da rádio WYNC fez uma parceria com o programa de rádio Radiolab para construir um rastreador de cigarras, um projeto que usou monitores para prever o ressurgimento de cigarras que acontece a cada 17 anos. Os monitores foram colocados em buracos no solo pelos ouvintes, onde acompanharam as mudanças na temperatura da terra. Quando as leituras ficavam constantes em 64° F (cerca de 18° C), as cigarras começavam a emergir do solo.

John Keefe, então editor sênior de notícias de dados da WNYC , disse ao Columbia Journalism Review: "O que queríamos saber era: 'Podemos distribuir sensores simples e pequenos controladores para um grupo de pessoas que irão participar e compartilhar os dados e reportá-los de volta para nós?" O projeto recebeu cerca de 1.500 leituras de temperatura dos ouvintes, muitas das quais utilizaram os kits distribuídos pela rádio ou fizeram seus próprios, segundo o Nieman Lab.

Kompasiana, um "blog social para a comunidade": Kompas, um dos maiores jornais da Indonésia, cultivou uma rede comprometida de jornalistas cidadãos que postam notícias, opinião e até mesmo obras de ficção online. Desde o seu lançamento em 2008, o site de jornalismo cidadão, Kompasiana, tornou-se a maior iniciativa de mídia cidadã na Indonésia, com 200.000 colaboradores que publicam coletivamente 800 artigos diariamente no kompasiana.com. Leia mais sobre o Kompasiana

‘Get Involved’ da ProPublica: Para investigar os gastos da campanha política em 2012 nos Estados Unidos, o pessoal da ProPublica, uma organização de notícias sem fins lucrativos de Nova York que produz jornalismo investigativo de interesse público, pediu aos leitores para ajudar a "liberar os arquivos".

A ProPublica puxou arquivos do site da FCC, e pediu a sua comunidade para ajudar a extrair os pontos de dados importantes. Isso incluiu identificar quais os grupos compraram anúncios e onde, bem como obter detalhes sobre as organizações sem fins lucrativos que desempenharam um papel importante na eleição. Mais de 1.000 pessoas doaram tempo para o projeto "Free the Files", que revelou detalhes sobre mais de US$1 bilhão em gastos com publicidade política. Leia mais sobre como a ProPublica convidou o leitor a se envolver.

Storyful e Web social: Desde 2010, a plataforma Storyful, com sede na Irlanda, ajuda organizações de notícias a usarem a mídia social para fortalecer a apuração de notícias, reportagens e narrativas.

Porque os jornalistas "não são especialistas em cada assunto", a Storyful encontra as pessoas que são. Seu mandamento básico é: "Há sempre alguém mais próximo da história". Em um artigo de ​​março no blog, Mark Little, fundador e diretor da Storyful, escreveu: "Repórteres eram uma elite falando para uma audiência passiva; na redação social, eles são apenas tão bons quanto o nível de envolvimento com sua comunidade online."

Você já fez ou viu um trabalho que acha que deveria estar nesta lista? Então, compartilhe na seção de comentários abaixo, no Twitter ou no Facebook.

Jessica Weiss é uma jornalista americana com base na Colômbia.

Imagem cortesia de Alessandro Prada no Flickr sobre licença Creative Commons