Águas passadas do caso Watergate: Cobertura mais profunda, mais cinismo

por
Jun 27, 2008 em Jornalismo básico

Em uma conferência realizada no Museu de Notícias (Newseum), representantes do governo e da imprensa discutiram o legado de uma notícia que resultou na queda de um presidente. “Watergate, 25 anos depois” analisou vários aspectos do caso, incluindo charges políticas e o impacto que a queda de Richard Nixon causou na percepção que o povo americano tem do poder, da política, da presidência e da imprensa.

O caso Watergate mudou o rumo do jornalismo americano. Quando a tentativa de roubo em 1972 falhou e se transformou em uma tempestade política, a imprensa americana passou a analisar as instituições governamentais com olhos mais críticos e passou a ter mais interesse de investigar as ações do governo. De acordo com os críticos da imprensa, desde o caso Wategate a mídia tenta transformar várias historias em casos polêmicos e o público está cansado deste tipo de cobertura. A seguir estão alguns comentários feitos por participantes da conferência:

  • O caso Watergate deu legitimidade ao jornalismo investigativo. “Siga o dinheiro”, o conselho do famoso e ainda desconhecido personagem “garganta profunda” (Deep Throat), se transformou no mantra do jornalismo americano.
  • Muitos jornalistas passaram a duvidar das ações do governo. Hoje em dia, muitos consideram que a crítica construtiva se transformou em cinismo.
  • A cobertura jornalística agressiva fez com que alguns maus candidatos desistissem de participar das eleições e elevou os padrões da vida pública.
  • Fontes que pedem para ser mantidas no anonimato não são reveladas nas matérias e há poucas pistas que explicam os atributos e motivos destas fontes secretas.
  • Jornalistas que viraram celebridades vendem suas opiniões e falam diante dos holofotes da mídia. Há sinais de que o público considera estes personagens do caso Watergate arrogantes. Os jornalistas, por outro lado, acham que estão evitando que o público seja vítima da crueldade do governo.
  • Os palestrantes no Museu de Notícias concordaram que o caso Watergate mudou para sempre a relação entre o público, a imprensa e a política. A lembrança do que passou se transformou em uma reflexão de como o jornalismo pode servir o público nos próximos 25 anos.