A saúde mental dos jornalistas importa

porICFJ TrainersSep 1, 2021 em Temas especializados
ilustração sobre saúde mental

Coberturas podem causar danos na saúde mental de jornalistas, especialmente quando tratam de tópicos sensíveis como refugiados. Estresse e dificuldades estão presentes em todas as etapas do processo, assim como na responsabilidade que você deve assumir quando estiver lidando com refugiados na condição de repórter e de entrevistador.

Neste texto, exploramos diferentes fatores que podem contribuir para as preocupações com a saúde mental dos jornalistas enquanto cobrem tópicos sensíveis e desafiadores. Na sequência, oferecemos fontes e organizações às quais se pode recorrer para aprofundar o conhecimento e obter apoio.

Fatores que contribuem para os desafios da saúde mental dos jornalistas

Cobertura de assuntos sensíveis e potencialmente traumáticos

Fazer a cobertura de histórias traumáticas, como sobre refugiados fugindo de conflitos em seu país de origem, pode afetar a saúde mental dos jornalistas. O site Journalist's Resource examinou estudos que ilustram o "estresse ocupacional" e seus impactos na saúde mental do jornalista.

Por exemplo, o artigo inclui resultados de um levantamento com jornalistas conduzido pela Kent State University após o furacão Harvey, em 2017, que mostrou que um em cada cinco participantes "chegaram no limite do transtorno de estresse pós-traumático (TEPT)", enquanto 90% experimentaram alguns sintomas de TEPT relacionados à cobertura do furacão. Ao mesmo tempo, dois em cada cinco participantes atingiram os critérios para depressão e "93% vivenciaram algum sintoma de depressão”.

 

[Leia mais: Superando desafios de reportagem sobre refugiados durante a pandemia]

 

Trabalhar em meio à COVID-19

Além do estresse que pode resultar da cobertura de comunidades que viveram traumas, a COVID-19 intensificou nos jornalistas as preocupações com a saúde mental. De acordo com o Journalism and the Pandemic Project, publicado pelo ICFJ e o Tow Center for Digital Journalism da Columbia University, 70% dos entrevistados identificaram os impactos na saúde mental em razão da cobertura da COVID-19 como o desafio mais difícil ao se trabalhar durante a pandemia.

Já uma pesquisa publicada pelo Reuters Institute, em julho de 2020, sobre a reação psicológica dos jornalistas que trabalham na cobertura da COVID-19, apontou que a maioria dos entrevistados passou por sofrimento psicológico, incluindo um quarto dos participantes que vivenciaram "ansiedade clinicamente significativa... o que inclui sintomas de preocupação, sensação de estar no limite, insônia, concentração ruim e fadiga".

Efeitos da tecnologia na saúde mental

O bem-estar digital é outra faceta da saúde mental atualmente. Apesar de a tecnologia ser uma parte essencial do trabalho de um jornalista, ela também pode ser um grande fator de estresse. Esse tem sido o caso ao longo do último ano, particularmente, uma vez que os repórteres têm contado mais com a tecnologia para trabalhar durante a COVID-19. Administrar o estresse e sobrecarga digital como um jornalista é mais crítico do que nunca.

 

[Leia mais: A difícil integração de jornalistas africanos refugiados na França]

 

Fontes e organizações úteis

Saúde mental em geral
Trauma
Bem-estar digital
Organizações para conhecer

O ICFJ, organização à qual pertence a IJNet, fez uma parceria com o Facebook Journalism Project em seu programa de Cobertura de Comunidades de Refugiados em meio à Pandemia.

Imagem principal criada por Malak Elabbar.