4 bases de dados para achar pesquisas e tratamentos relacionados à COVID-19

byEduardo Goulart de Andrade
Aug 17, 2020 in Reportagem sobre COVID-19
Prateleiras com livros

Um dos principais desafios de repórteres em meio à maior pandemia do século é descobrir o que pesquisadores e cientistas estão fazendo para prevenir e tratar a COVID-19. Por isso, apresento estas dicas de como usar quatro sites que podem ajudar jornalistas a encontrar informações sobre patentes, estudos e possíveis tratamentos relacionados ao novo coronavírus.

Registro Brasileiro de Ensaios Clínicos

Uma resolução da Anvisa, de 2012, determina que todos os estudos clínicos devem ser registrados na base de dados do Registro Brasileiro de Ensaios Clínicos (ReBEC). Portanto, o repositório é uma importante fonte para levantar informações relacionadas a pesquisas sobre COVID-19 no Brasil. O ReBEC é uma parceria entre o Ministério da Saúde, a Organização Panamericana de Saúde e a Fundação Oswaldo Cruz. 

É possível descobrir quem são os responsáveis por um estudo, informações de contato, a metodologia aplicada e os patrocinadores das pesquisas. Na página de busca avançada, podemos filtrar pelo termo COVID e especificar a fase do ensaio.

[Leia mais: Science Pulse promete criar center entre jornalistas e produção científica]

 

Notei que o site tem um "bug" que pode complicar o levantamento de informações. Depois de buscar por COVID e clicar para ir para a próxima página, a plataforma desconsidera o termo pesquisado e traz uma lista com todos os ensaios – para além daqueles relacionados ao coronavírus.

Por isso, aqui vai um macete: no fim da url, inclua a expressão "&page=2". Vai ficar assim: http://www.ensaiosclinicos.gov.br/rg/?q=covid&rec_country=&age_min=&age_min_unit=Y&age_max=&age_max_unit=Y&page=2. Então, pressione "enter".

Dessa maneira, é possível acessar a segunda página de ensaios relacionados ao novo coronavírus. Portanto, se quiser ver a terceira página, acrescente "&page=3" no fim da url. E assim por diante. Atualmente, a plataforma conta com quatro páginas relacionadas ao termo COVID. 

ClinicalTrials

A base de dados ClinicalTrials tem uma função semelhante ao ReBEC, mas com uma abrangência muito maior. Mantido pela National Library of Medicine, do National Institutes of Health dos Estados Unidos (NIH), o site reúne mais de 347 mil estudos produzidos em 216 países.

A página de busca avançada tem filtros que permitem pesquisas mais precisas que as do ReBEC. Por exemplo, para saber quantos estudos existem sobre o uso de ivermectina no tratamento para o novo coronavírus, é só preencher os campos "Condition or disease" (COVID19) e "Intervention/treatment" (Ivermectin). O resultado: há 34 ensaios sobre o tema no mundo até o momento. 

Dá até para baixar a lista em um arquivo no formato csv. Assim, em uma planilha fica mais fácil ver que 16 países estão fazendo pesquisas sobre o uso de ivermectina para combater a COVID-19. O Egito concentra o maior número de estudos, dez ao todo. Em seguida vêm Brasil, Argentina e México – cada um com três. 

O site também tem uma página específica sobre estudos relacionados ao novo coronavírus. Além disso, é possível assinar uma newsletter para receber e-mails com novidades relacionadas à COVID-19.

Google Scholar

O Google Scholar é um repositório de artigos acadêmicos. Ele tem uma opção para pesquisa avançada, com a qual você pode filtrar autor, local e ano de publicação. Além disso, logo na página inicial tem links para pesquisar sobre a COVID-19 em 12 dos principais periódicos científicos do mundo, incluindo The Lancet e Nature.

No Google, gosto de usar operadores de busca avançada para ter resultados mais precisos. O mesmo vale para o Google Scholar. Por exemplo, quero pesquisar sobre uso de ivermectina ou hidroxicloroquina em artigos publicados nos sites da Fiocruz e da Scielo, cujos títulos contenham o termo covid ou coronavírus. Assim, minha busca será: intitle:(coronavirus OR covid) AND (ivermectina OR hidroxicloroquina) site:fiocruz.br OR site:scielo.br. Essa pesquisa gerou 35 resultados no momento. 

Quer dicas sobre operadores de busca avançada? A Escola de Dados tem um tutorial muito bom sobre isso. 

[Leia mais: O jornalismo científico e seu lugar necessário na mídia latino-americana]

Patentscope

O Patentscope é uma ferramenta da Organização Mundial da Propriedade Intelectual, uma agência da ONU. Ele permite fazer consultas em cerca de 89 milhões de documentos de patentes. A plataforma fez uma curadoria para facilitar a pesquisa de informações relacionadas ao diagnóstico, à prevenção e ao tratamento do novo coronavírus

Na pesquisa avançada, é possível filtrar por palavras-chave, países e inventores. Por exemplo, ao digitar o termo COVID e selecionar Brasil no campo "Organismos", temos dois resultados de requerimentos de patentes: um protetor descartável para estetoscópio, cujo inventor é Flávio Alexandre Soares, e um portal de descontaminação, inventado por Rui Manuel Dias Ferreira.

Quando pesquisei por COVID em todos os "Organismos" (países) e em todas as línguas, obtive 424 resultados. Neste caso, o Patentscope tem uma função muito útil: o site usa inteligência artificial para traduzir diferentes idiomas. É só clicar em "tradução automática" e selecionar português. Assim, para quem não entende mandarim, como eu, é possível ler um texto sobre uma vacina chinesa.


Eduardo Goulart de Andrade é jornalista freelancer. Atualmente, colabora com o site The Intercept Brasil e é o responsável pela newsletter De Olho Nos Dados, na qual traz dicas sobre técnicas e ferramentas para investigação digital. Twitter: @deolhonosdados

Imagem principal sob licença CC no Unsplash por Martin Adams