10 dicas para coberturas digitais 

作者 Cristina Dissat
Jul 5, 2021 发表在 Jornalismo multimídia
Filmagem pelo celular de partida de futebol

O jornalismo digital necessita de muita agilidade na hora de veicular a informação para o público. Afinal, o jornalista provavelmente está acompanhando a notícia e transmitindo no exato momento em que ela acontece. Nas redes sociais, sites e blogs, o esporte, por exemplo, vem servindo como base para experiências que vão além desta editoria, porque é preciso saber lidar simultaneamente com a emoção das pessoas, com imparcialidade, ética e cuidado do jornalismo.   

Junto a isso, novas ferramentas são necessárias, principalmente para os jornalistas independentes, que possuem limitações com tamanho de equipe e de suporte. 

Algumas questões técnicas são importantes para acompanhar este ritmo. 

Veja 10 dicas práticas, usadas nas coberturas jornalísticas, que podem auxiliar os profissionais que atuam não só no esporte, mas em outras editorias. 

1. Estudo, tentativa e erro:

A pandemia permitiu que novas experiências pudessem ser feitas, mesmo com eventuais problemas. Não tenha receio de tentar uma nova abordagem da notícia. É o momento de permissão para errar na comunicação.

2. Contar histórias:

Contar histórias através da soma de texto + imagem + vídeo é a combinação perfeita. Tenha um pequeno roteiro em mente quando sair para uma matéria. 

[Leia mais: 3 dicas para ser um trainee de jornalismo]

3. Registros:

Fotografe e filme com seus equipamentos na maior quantidade possível. Apagar é mais simples do que se arrepender de não ter feito uma foto ou vídeo. 

4. Cobertura na rua:

Sol, chuva ou vento podem atrapalhar quando você usa o smartphone como a principal ferramenta na cobertura externa. Pense em como utilizar equipamentos para transportar o material, que facilitem o manuseio, como mochilas com fechamento frontal ou cintos multiuso. É importante ter as mãos livres para digitação, fotos e filmagem. O sol forte ou chuva são elementos complicados. Em alguns casos use o comando de voz para iniciar gravação (“gravar vídeo”) ou fazer uma foto (“disparar”). Não esqueça de ativar esses comandos nas configurações do smartphone.  Temperaturas altas demais podem desligar alguns modelos de celular e de repente. 

5. Memória dos equipamentos:

Nunca se sabe o que você vai precisar, mas velocidade sempre estará entre as coisas essenciais. Para isso, seus equipamentos precisam ter espaço livre nas memórias internas. Antes de uma cobertura, confira e limpe as memórias interna e dos cartões nos smartphones. 

6. Qualidade de vídeo:

A recomendação é sempre usar a maior resolução para gravação dos vídeos, mas alguns smartphones filmam em 4k e isso pode fazer com que você tenha menos velocidade. Além disso, se precisar postar algo na rua, as conexões de internet podem se complicar em registros em alta resolução. Encontre um meio termo, de acordo com o seu aparelho. Sempre use a proporção wide. 

[Leia mais: Quer ser correspondente internacional no Brasil? Jornalistas compartilham suas dicas:]

7. Vídeo e foto simultâneos:

Quantas vezes você precisou decidir se filmava ou fotografava em uma apuração importante? Você precisava das duas coisas. Os smartphones têm a possibilidade de realizar as duas operações simultaneamente. Comece a filmar com o smartphone e toque no botão de disparo da câmera. Ele vai fazer a foto enquanto filma. Lembre que depois o vídeo ficará na galeria de fotos/vídeos antes dos registros de fotos. 

8. Alteração de áudios:

Existem mudanças significativas com a captação de áudio dependendo do equipamento: go pro, smartphones, filmadoras e máquinas fotográficas. Se o vídeo tiver sido feito com todos ou alguns equipamentos é importante equalizar na edição ou mencionar na descrição do vídeo o motivo da oscilação. O leitor vai compreender. 

9. Microfones:

Existem boas opções de microfones com duas saídas e uma saída, com qualidade de resolução excelente. Só tenha atenção porque alguns têm controles específicos para captação via câmera ou smartphone. Se trocar, não vai gravar nada. Caso você não tenha opção, use o microfone do próprio celular. Ele tem uma ótima captação e é muito direcional, ou seja, se desviar da sua voz ou do entrevistado não vai ter um bom som. Ele anula barulhos externos perfeitamente. 

10. Acessórios:

O mercado dispõe de pequenos equipamentos a preço acessível. É importante ter um tripé de dois tamanhos, um monopé ou um pau de selfie. A base para acoplar o celular é fundamental e se encaixa em qualquer tripé. São fundamentais para manter a estabilidade das imagens. 

 

Cristina Dissat é especializada em jornalismo científico, digital e esportivo. Atualmente é professora de mídias digitais na pós-graduação da UERJ. A foto que ilustra o artigo também é dela.