WordRates & PitchLab pretende valorizar trabalho de freelancers

porDena Levitz
May 26, 2015 em Freelance

Enquanto trabalhava para revistas importantes, como Wired e Outside, o freelancer Scott Carney pensou. Ele conseguia de US$5.000 a US$8.000 por matéria em uma dessas publicações. No entanto, quando verificou as taxas de publicidade dessas publicações, os montantes foram surpreendentes: US$140.000 ou mais.

"Isso me fez perceber que a indústria tem uma quantidade enorme de dinheiro por trás, mas nós (os escritores) não estamos recebendo nossa parte", disse à IJNet.

No processo, os jornalistas são mal pagos, esquecidos e continuam a perpetuar esta narrativa equivocada do escritor como artista esfomeado.

Scott, que está no negócio há décadas e é um autor publicado, está lutando contra essa injustiça com uma campanha de Kickstarter que está animando freelancers tentando prosperar no mundo da mídia.

A campanha consiste em financiar um empreendimento que ele está chamando de WordRates & PitchLab. O conceito é uma plataforma digital para freelancers compartilhar informações sobre as taxas de pagamento e contratos das publicações, permitindo-lhes avaliar os editores e veículos para criar um modelo melhor de propostas de pautas.

"É emocionante poder ajudar a comunidade", diz Scott. "Eu vim como um escritor freelance com muito pouco apoio. Eu tive redes informais, mas ninguém ensina as habilidades de negócios que você precisa."

O que também é interessante é que a campanha no Kickstarter - com apenas poucos dias - não só foi já financiada, mas Scott também superou sua meta de US$6.500. Este dinheiro vai tornar a criação do produto possível. Scott planeja lançar a plataforma em agosto. Ao todo, 234 torcedores apoiaram o projeto até agora.

Então, como vai ser exatamente o projeto e o que vai fazer?

Tem duas partes. Primeiro, Scott menciona a plataforma WordRates semelhante ao Yelp, que ele pretende lançar. A premissa é dar jornalistas freelance um espaço para compartilhar suas experiências colaborando para várias organizações de mídia. Eles podem criar comentários sobre como foi trabalhar com um editor ou publicação particular. O bom, o mau e o feio poderão ser reunidos nas páginas de perfil.

Freelancers também poderão comparar termos de contratos, um aspecto que é especialmente pouco falado. Dessa forma, eles sabem mais sobre quem possui o conteúdo produzido para essa publicação, como são as chamadas "kill fees"  e onde cai a responsabilidade legal.

Uma ideia é ter contatos de e-mail para os editores apresentados no WordRates atrás de uma parede que apenas membros pagantes podem acessar. Scott ainda está trabalhando nos detalhes.

O componente PitchLab é a segunda parte. Scott prevê uma comunidade na qual qualquer escritor pode enviar pautas, especialmente para matérias de formato longo. Uma vez que fazem, uma equipe de jornalistas estabelecidos - Scott e um time que ele está montando usando sua rede e que vai ajudar em seu tempo livre - com uma grande dose de experiência e sucesso em propor pautas vai examinar a proposta. Eles ajudarão a vender as pautas com maior potencial para as publicações que fizerem a melhor oferta.

Essencialmente, ele está tornando o PitchLab em um tipo de agência de pautas. Isso ocorre intencionalmente. Scott, que trabalhou com agentes, particularmente em seus livros publicados, diz que sempre ganhou mais quando alguém vendeu seu trabalho.

Para freelancers, "é difícil defender seus próprios valores", diz ele. "(Se você recebe uma oferta para uma matéria) dizer "não" é difícil quando a sua própria autoestima está amarrada nela. Queremos que freelancers olhem para o seu valor como mercadoria e sejam capazes de negociar muito mais."

Por ter estes "agentes" buscando talentos e fazendo a venda, ele acredita firmemente que pode ajudar o freelancer a ganhar um salário maior e mais justo, que é o objetivo primordial.

Até agora, além do apoio financeiro no Kickstarter, Scott diz que está recebendo uma enxurrada de e-mails de apoio.

"Os escritores sabem que as coisas precisam mudar", diz ele. E editores, que podem ser criticados na plataforma por não responderem ou serem difíceis de trabalhar, veem o valor, porque eles têm os mesmos objetivos de conseguir grandes talentos e produzir conteúdo de qualidade.

O WordRates & PitchLab representa algo diferente porque trata sobre criação de um modelo de negócio mais sustentável em torno do trabalho freelance, de acordo com Scott.

Neste momento, os recursos que existem para ajudar freelancers, como  Mediabistro e Contently, dão dicas e exemplos de pautas de sucesso e comunicações com os editores. E outros sites como  Scratch Magazine tem bancos de dados que comparam o pagamento de publicações, provenientes geralmente pelo próprio freelancer. No entanto "não são muitos que sujam suas mãos e se envolvem nas negociações", diz Scott.

Em última análise, o sucesso dos sites depende do envolvimento da multidão.

"Se os escritores realmente se reunirem em torno disso, [a plataforma] pode decolar. Se não temos uma comunidade ativa, não teremos sucesso ", diz ele. "Se isso falhar, porém, e a única coisa que sair disso é que freelancers vão negociar melhor, vai ser um sucesso para mim."

Imagem sob licença CC no Flickr via Christian Gonzalez