Use jornalismo estruturado para contar histórias complexas

porNatalie Van Hoozer
Nov 28 em Temas especializados
Web design

Ao cobrir histórias complexas e em andamento, como epidemias de violência e julgamentos, os jornalistas geralmente têm muito mais informações do que podem incluir no artigo médio diário. O resultado: uma série de matérias muitas vezes repetitivas e perecíveis que podem ignorar ou simplificar o quadro geral.

O jornalismo estruturado é uma nova forma narrativa que rompe com esse padrão. Essa abordagem de reportagem organiza as informações em categorias, o que pode ajudar a melhorar a organização da história para tópicos que evoluem por longos períodos de tempo. Atende às necessidades de diferentes leitores, desde aqueles que querem uma recapitulação da história até os interessados em explorar todos os ângulos por trás de uma questão, disse Ritvvij Parrikh, bolsista Knight do ICFJ e co-líder do PROTO, uma startup que apóia a mídia cívica na Índia.

Parrikh lidera o desenvolvimento de ferramentas e tecnologias digitais para ajudar as redações na Índia a expandir sua cobertura de saúde, gênero e desenvolvimento, inclusive por meio de projetos estruturados de jornalismo.

Grandes e pequenas redações em todo o mundo têm usado o jornalismo estruturado para cobrir temas como violência, poder, verificação de fatos, casos judiciais, entretenimento e mais. Em um webinário recente apoiado pela Fundação Dow Jones, Parrikh apresentou uma visão geral do jornalismo estruturado e métodos para implementá-lo nas redações.

Conselhos para escolher o tema certo

A chave para um projeto bem-sucedido de jornalismo estruturado é escolher o tópico apropriado, disse Parrikh. Ele sugere selecionar uma questão cívica bem definida que afeta a vida cotidiana das pessoas e é relevante durante um longo período de tempo.

Por exemplo, o Land Conflict Watch, um projeto orientado por dados, acompanha as disputas contínuas de propriedade e recursos que ocorrem em toda a Índia. O tópico é amplo o suficiente para ser examinado de vários ângulos diferentes --incluindo dados sobre o tipo de terra disputada (privada ou pública), razões do conflito, setor ou indústria envolvida, região geográfica e mais-- e permanecerá relevante ao longo de muitos meses e anos. O tópico também é definido claramente, estabelecendo limites claros entre o que deve e o que não deve ser incluído no projeto. Parrikh e a equipe do PROTO desenvolveram a tecnologia que capacita o Land Conflict Watch.

GIF of Land Conflict Watch site

O projeto de jornalismo estruturado do jornal Guardian, The Counted, rastreou o número de pessoas mortas pela polícia nos Estados Unidos entre 2015 e 2016. A investigação inclui dados sobre os assassinatos, a vida das vítimas, exames detalhados dos procedimentos policiais e análises das tendências nacionais durante o período de tempo selecionado.

Adicionar narrativa multimídia

Parrikh também enfatizou a importância de incluir elementos multimídia como vídeos e mapas interativos, como no explorador de pesquisas da Reuters. O projeto inclui os resultados das pesquisas da Reuters/Ipsos sobre uma ampla variedade de tópicos, desde imigração até o Oscar, que são apresentados em gráficos interativos.

Esses elementos dinâmicos tornam mais fácil alcançar uma faixa mais ampla de leitores porque essa estrutura permite que os usuários escolham a experiência e as informações que estão mais interessados. A adição de elementos dinâmicos (como mapas interativos, vídeos, áudio e mais) torna as matérias mais compartilháveis e engajantes, disse Parrikh.

Parrikh também adverte contra a tentativa de adaptar o jornalismo estruturado a um site genérico, pois o jornalismo estruturado perde sua eficácia quando vários tópicos são abordados de uma só vez. "O que você poderia ter é um site que é uma coleção de vários subsites, e cada subsite tem como alvo um tópico muito específico".

Assista ao webinário completo (em inglês) abaixo:


Saiba mais sobre a série de webinários Dow Jones do ICFJ aqui.

Imagem principal sob licença CC no Unsplash via Hal Gatewood