Três maneiras de proteger suas fontes na era digital

por Lindsay Kalter
Dec 18, 2012 em Diversos

Muitos repórteres não percebem que sempre que usam seus computadores, smartphones e câmeras, deixam uma trilha de pistas mostrando sua localização e outras informações.

Não saber disso -- e tomar medidas para se prevenir -- pode colocar você e suas fontes em risco. Por exemplo, veja o caso dos repórteres que entrevistaram John McAfee, o gigante em segurança de informática que estava sendo procurado pelas autoridades por causa da morte de seu vizinho. Eles colocaram uma foto com McAfee repleta de dados que levou as autoridades diretamente a seu suspeito.

A repórter Caxemira Colina da revista Forbes conversou com o tecnólogo Ashkan Soltani sobre as melhores práticas para evitar esse tipo de exposição indesejada:

Remova os metadados

As autoridades encontraram McAfee depois de examinarem os metadados da foto, que deram a localização e dispositivo utilizado. Todos os arquivos, incluindo documentos de Word e PDFs, contêm essas informações, disse Soltani. Os jornalistas devem usar limpadores de metadados como o Doc Scrubber para documentos de Microsoft Word e JPEG Scrubber para fotos. Uma solução ainda mais simples para fotos: desligar o "geotagging" (geomarcaçāo) em telefones ou câmeras digitais para evitar que a informação seja gravada, Hill escreveu.

Não seja um acumulador digital

"Vivemos numa época em que é fácil guardar tudo, ou seja, todos nós nos tornamos acumuladores digitais", Hill escreveu. "Por que excluir um e-mail ou chat quando você pode simplesmente arquivá-lo? Poder vir a calhar mais tarde. Ou pode voltar para prejudicá-lo depois." Tome precauções como usar os chats do Gmail no modo "off the record", desabilitando a função que grava os chats no Skype e resistindo à vontade de salvar e-mails. Mas e se você realmente precisa se referir a suas notas de entrevista? Muitas interações online podem ser copiadas e coladas em um documentos do Word para uso posterior e jornalistas podem configurar contas de e-mail temporárias para corresponder com fontes sobre histórias específicas, Soltani disse à Forbes.

Criptografe as comunicações

Codificar mensagens pode ser demorado, mas fazer esse esforço "permite uma comunicaçāo segura e protege suas mensagens se sua conta estiver comprometida", Soltani disse. Jornalistas e fontes podem usar uma série de ferramentas de criptografia, incluindo Adium de OTR para bate-papo, PGP para o Gmail, ou uma rede privada virtual para criar sua própria faixa de segurança.

Para ler o post completo (em inglês), clique aqui.

Foto usada com licença Creative Commons da Americanvirus no Flickr