Três maneiras de melhorar suas matérias sobre desenvolvimento

por Edem Djokotoe
Jan 21, 2013 em Temas especializados

Por definição, as matérias de desenvolvimento são uma grande notícia nos países em desenvolvimento. Mas, muitas vezes, as reportagens sobre este importante tópico simplesmente comunicam anúncios do governo sobre desenvolvimento de infraestrutura - estradas, pontes, hospitais - e declarações oficiais sobre possíveis melhorias.

Mas pode haver e há muito mais nessas histórias. Aqui estão três maneiras de melhorar sua cobertura de questões de desenvolvimento:

1. Concentre-se nas pessoas comuns e não nos figurões

As vozes das pessoas comuns raramente são ouvidas, suas histórias raramente contadas. Quando são reportadas, aparecem como vítimas, beneficiáras das benesses do governo, uma gente capaz de açōes desenfreadas, anti-sociais ou criminosas.

É importante para o jornalistas que cobre desenvolvimento se concentrar em pessoas comuns, por três razões principais. Em primeiro lugar, elas sofrem o maior impacto das decisões do governo e sofrem mais pela privação resultante das prioridades de despesas públicas. Em segundo lugar, formam o maior setor da população. Em terceiro lugar, no jornalismo, o peso dos números conta para alguma coisa.

2. Reportagem de campo

Muito do que passa como jornalismo hoje na mídia africana é na verdade "churnalism" - simplesmente refazer comunicados de imprensa, artigos de agências e materiais pré-produzidos como notícia. É barato e alivia as pressões do fechamento. Mas não é possível cobrir desenvolvimento por controle remoto, de sua mesa. Precisa sair e ir ver o que está acontecendo por si mesmo. Precisa conhecer pessoas reais e obter suas impressões. O trabalho de bater pernas é como um repórter entra na realidade.

Por exemplo, só trabalho na rua revelou a verdade sobre a extensão de seca que causou fome no sul da Zâmbia, em 2002. O ministro provincial disse à nação que o governo tinha distribuído mantimentos em todas as áreas afetadas e que, pelo que ele sabia, todas as casas foram fornecidas .

Mas a reportagem de primeira mão resultou numa história diferente: Quando viajei lá com uma equipe de jornalistas, encontramos sepulturas frescas de alguns moradores que haviam morrido de fome, famílias inteiras sobrevivendo com raízes selvagens, e milhares de pessoas que não recebiam o suprimento de ajuda há cinco semanas.

3. Coloque as estatísticas no contexto

Jornalistas costumam usar estatísticas como verdade objetiva, prova de um ponto ou apoio a uma conclusão. O fato é que as estatísticas vêm de estudos e você tem que avaliar a validade de cada um: Quem realizou e pagou o estudo? O que se propôs a medir? Se fosse uma pesquisa, quem foram os entrevistados? Como foram questionados?

Quando se trata de desenvolvimento, os jornalistas às vezes dependem de estatísticas das grandes organizações internacionais como o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacional, ou várias agências da ONU. Um número que vem à mente é o número de pessoas nos países em desenvolvimento que vivem com menos de US$1 por dia.

Mas o que isso quer dizer? Em minhas viagens nos campos africanos, tenho visto muitos lares onde as pessoas fazem muito pouco dinheiro. Mas elas vivem em casas próprias. Têm vacas, cabras, ovelhas, grãos em seus celeiros, e sua própria terra, que têm valor. Um bom jornalista fornece o contexto para as estatísticas e explica o que querem dizer num contexto particular. Um dólar significa uma coisa em um cenário urbano onde se deve comprar cada gota de leite e outro no campo, onde as pessoas têm vacas.

_Essas dicas foram extraídas do guia "Ten Practical Tips for Covering Development" (Dez Dicas Práticas para Cobertura de Desenvolvimento) do ICFJ, que Edem escreveu, como parte de sua bolsa do Knight International Journalism Fellowship. Você pode ler o guia completo (em inglês) aqui._

Foto cortesia de Edem Djokotoe