Três dicas para jornais começando no jornalismo de dados

porIJNet
Jul 22, 2013 em Jornalismo de dados

Para cultivar um público fiel nos dias de hoje, os jornais devem fazer mais do que simplesmente publicar matérias.

Editores e suas redações devem criar produtos utilizáveis, como notícias impulsionadas por dados e ferramentas de informação, para servir a seus leitores, disse Justin Arenstein, bolsista do Knight International Journalism Fellowship, no World Editors Forum em Bancoc durante uma aula para editores.

Jornalismo de dados "já não é apenas entretenimento e não mais voyeurismo apenas, mas a criação de ferramentas de tomada de decisão com base na reportagem jornalística", disse Arenstein, de acordo com o International News Media Association (INMA). Aqui estão algumas dicas para os jornais começando no jornalismo de dados, recolhidas a partir da sessão da INMA:

Escolha matérias com valor a longo prazo

"Qual é a dor que meus leitores estão tentando resolver em suas vidas?" Arenstein sugere usar essa pergunta como ponto de partida para decidir quais os dados e as informações mais importantes para uma organização de notícias fornecer.

Participe da comunidade de dados abertos

Dados abertos é uma informação que pode ser utilizada, reutilizada e até mesmo distribuída sem custo. "Há um crescimento do ecossistema e comunidade internacional que as empresas de mídia podem começar a utilizar e uma rede global de pessoas interessadas na construção de soluções e experiências", disse Arenstein. Um ótimo lugar para buscar dados disponíveis é o DocumentCloud, onde qualquer pessoa pode carregar conjuntos de dados obtidos.

Incentive o pessoal da redação a aprender por conta própria

Mesmo se você não tem dinheiro para trazer treinadores ou enviar pessoal para treinamento, jornalistas podem aprender muito por conta própria, dedicando apenas uma hora por dia a tutoriais e treinamento de autodirecionados. Um bom lugar para começar é a School of Data.

Leia mais sobre a sessão de Arenstein no website da International News Media Association e no blog da World Association of Newspapers and News Publishers (WAN-IFRA).

Foto cortesia de Riebart sob licença Creative Common