Site Bellingcat pretende ensinar a verificar informações online

porJessica Weiss
Sep 15, 2014 em Redes sociais

Para muitos que viram o vídeo do assassinato do jornalista americano James Foley, em agosto, o pano de fundo parecia um deserto estéril. Mas Eliot Higgins, o fundador britânico do site de jornalismo online Bellingcat, viu pistas à espera de ser reveladas e analisadas.

No final de agosto, Higgins lançou sua análise geográfica do vídeo, localizando um ponto nas colinas de Raqqa, uma fortaleza do Estado Islâmico no centro-norte da Síria. Embora ainda não há confirmação de que o local é correto, esse processo deslumbrou mais do que alguns admiradores em mídia social.

"Impressionante o trabalho de detetive digital", tuitou Patrick Meier. "Jornalismo investigativo surpreendentemente perspicaz", escreveu Michael Dwyer.

O fato de que Higgins não era jornalista, não fala árabe e não tem nenhum conhecimento ou experiência formal com essa tecnologia especial prova o poder das ferramentas de código aberto na era digital. Ele faz uso de material de código aberto, acessível ao público: como fotos e vídeo online, ferramentas de código aberto e atualizações de mídias sociais para juntar informações e verificar detalhes que organizações de notícias pode perder.

Em 2012, quando Higgins começou a seguir a guerra civil na Síria, ele era um administrador de finanças desempregado e cuidava de seu filho em casa, segundo seu perfil na revista The New Yorker. Seu blog Brown Moses, que leva o nome de uma música de Frank Zappa, começou como um esforço para dar sentido à vasta quantidade de informação que está sendo publicada online relacionada com o conflito na Síria. Inicialmente, era uma coleção eclética de vídeos, a partir de explosões de protestos de rua. Em seguida, ele começou a ir mais fundo, fazendo perguntas e obtendo fontes dados online e através do público quando ele não conseguia entender por conta própria. Sua audiência cresceu, e em pouco tempo, Higgins era saudado como um especialista pela CNN e pelos principais jornais ao redor do mundo. Um perfil de oito páginas no New Yorker descreveu-o como "talvez o maior especialista sobre as munições usadas na guerra [síria]."

De acordo com o site de notícias australiano independente The Conversation, "dois acontecimentos que se sobrepõem, em particular, têm influenciado fortemente o crescimento da inteligência de código aberto". Esses são a explosão das mídias sociais e o aumento dos dados grandes, os quais estão claramente expressas na obra de Higgins.

De acordo com algumas estimativas, cerca de 1.200 exabytes de dados já existem no mundo, e 90 por cento foi criado nos últimos dois anos apenas. A cada minuto, mais de 100 horas de vídeo são enviados para o YouTube.

"Esta sociedade em rede tem gerado novas abordagens e possibilidades de análise", de acordo com The Conversation. "Desde o policiamento diário a antiterrorismo a guerra civil, informações obtidas de fontes abertas podem fornecer insights sobre os eventos mundiais como nunca antes."

Mas isso não significa que decifrar e explicar seja fácil. E é por isso que nova empresa de Higgins, o site Bellingcat, lançado em julho, é dedicado a ensinar outros a fazer o que ele faz. "[Feito] por e para jornalistas investigativos", o site vai unir jornalistas cidadãos investigativos para usar informações de fonte aberta para informar e oferecer tutoriais sobre a melhor forma de fazê-lo.

"Um dos principais objetivos do Bellingcat não é apenas mostrar às pessoas as ferramentas e técnicas disponíveis para a investigação de informações de fonte aberta, mas também envolver as pessoas com as investigações", segundo um post no site do Bellingcat que explica como usar a ferramenta Checkdesk.

O Bellingcat também incluirá entrevistas com designers de tecnologia, para que as pessoas possam aprender diretamente com os desenvolvedores, de acordo com o site VICE.

Como jornalista cidadão, Higgins recorreu ao Kickstarter para o financiamento do Bellingcat. Em agosto, seu objetivo de £47.000 (US$75.700) no Kickstarter foi superado, gerando cerca de US$82.000 --que irá cobrir os custos básicos.

Jessica Weiss é uma jornalista freelance em Bogotá, Colômbia.

Foto cortesia de AlanCurran no Flickr sob licença Creative Commons