Sistemas de saúde estão preparados para COVID-19? Entrevista com Dra. Claire Standley

porSherry Ricchiardi
Mar 31, 2020 em Reportagem sobre COVID-19
Leitos de hospitais

Conversamos com a Dra. Claire Standley, professora de pesquisa no Centro Global de Ciências da Saúde e Segurança da Universidade de Georgetown, como parte do Fórum Global de Reportagem sobre Crise de Saúde -- um projeto da nossa organização matriz, o Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês). A Dra. Standley é especialista em análise de sistemas de saúde, com ênfase na prevenção e controle de doenças infecciosas, bem como em preparação e resposta a emergências em saúde pública. A conversa online foi moderada por Stella Roque, diretora de engajamento de comunidade do ICFJ.

Este artigo é parte de nossa cobertura online de reportagem sobre COVID-19. Para ver mais recursos, clique aqui.

A Dra. Standley falou sobre as consequências da pandemia de COVID-19 nos sistemas de saúde pública em todo o mundo, quem está preparado, quem não está e quem está fazendo o melhor trabalho para se preparar. O que vários países deixaram de fazer antecipadamente que precisariam implementar no futuro para evitar pandemias como esta? O que essa pandemia está nos ensinando sobre preparação?

Aqui estão alguns destaques:

Como o mundo foi pego de surpresa pelo novo coronavírus?

“A resposta simples é que ninguém estava preparado especificamente para esse surto. Cientistas e especialistas em saúde pública estavam prevendo que uma pandemia como essa poderia surgir. Estamos conversando sobre isso há algum tempo, pedindo aos países que se preparem, mas os detalhes sempre foram desconhecidos."

[Leia mais: Como estão cobrindo COVID-19? Alguns exemplos ao redor do mundo]

Então, quais países estavam melhor preparados? Quem fez o melhor trabalho de responder?

“Existem países que responderam mais rapidamente e alguns indicadores que mostram melhor preparação. Parte disso vem da experiência anterior com surtos ... Os países que foram afetados pela crise de SARS em 2003 parecem que estavam prontos em termos de testes rápidos e gerenciamento de casos, principalmente com o isolamento das pessoas afetadas e o monitoramento agressivo de seus contatos para limitar as transmissões.”

“A Coreia do Sul tem sido amplamente elogiada por sua estratégia de testes muito agressiva, testando dezenas e centenas de milhares de pessoas. Isso realmente aconteceu devido ao surto de MERS em 2015.”

A Dra. Standley citou outras áreas da Ásia, incluindo Hong Kong, Taiwan e Cingapura, que trabalharam rapidamente para reduzir a transmissão de COVID-19. Sua mensagem geral foi clara: a experiência com surtos epidêmicos anteriores muitas vezes valeu na preparação para essa pandemia.

Não existe uma solução "tamanho único" para COVID-19. Os governos precisam adaptar suas respostas com base em seus contextos sociais? O que você recomenda que eles façam?

“Os governos enfrentam uma decisão muito difícil. Até que ponto os cuidados de saúde pública são seu primeiro e principal objetivo? Mas também precisamos levar em consideração considerações socioeconômicas, especialmente a vida e os meios de subsistência das pessoas. As respostas precisam ser adaptadas a esses contextos, levando em consideração o que sabemos sobre a dinâmica e os métodos de transmissão que parecem eficazes, como o distanciamento social, que pode ser um desafio para alguns implementarem.”

[Leia mais: Dicas de proteção para jornalistas durante a cobertura sobre COVID-19]

Alguns governos são mais transparentes ao testar e reportar o número de casos do que outros. O que os jornalistas podem fazer para ajudar a preencher a lacuna de dados? A quais fontes eles podem recorrer?

“Realmente, existe um papel do jornalismo em ajudar a apoiar a transparência de uma maneira responsável. Dito isso, precisamos ter cuidado para não espalhar boatos ou informações erradas que possam dificultar severamente a resposta ou fazer com que as pessoas se comportem de maneiras que exacerbem a transmissão."

“Meu entendimento é que as informações não estão sendo reportadas de forma consistente em diferentes países. O site do Ministério da Saúde é provavelmente a principal fonte a ser procurada em termos de quem tem fornecido essas informações [sobre o número de testes e casos].”

Quais histórias foram subnotificadas ou ainda não foram feitas?

"Gostaria que os governos cumprissem algum padrão unificado na publicação de informações sobre o número de testes ou capacidade de teste, número de pessoas que se apresentam para serem testadas e identificação de novos casos."

Standley sugeriu que os jornalistas se aprofundem nas proibições de viagens e restrições sociais: "As pessoas veem esses métodos muito agressivos, muito invasivos ou os reconhecem como medidas necessárias para impedir a disseminação de COVID-19?" Ela também sugere analisar o impacto econômico do vírus.

Quanto tempo deve durar o distanciamento social para que seja eficaz em conter a ameaça geral do vírus?

“Após algumas semanas de um ambiente de bloqueio muito intenso, você espera que os casos desacelerem;  você espera que ajude a aliviar parte da pressão no sistema de saúde. Vai ser muito interessante ver como os governos respondem a isso: quão bem eles podem detectar essas reduções nos casos e em que momento    aliviar estrategicamente, com cuidado e de maneira proporcional ao risco as restrições para permitir que alguns aspectos da vida retornem ao normal.”


O Fórum Global de Reportagem sobre Crise de Saúde do ICFJ conecta jornalistas que cobrem a nova pandemia de coronavírus com os recursos, colegas jornalistas e principais especialistas em saúde. Saiba mais e participe do Fórum através do grupo no Facebook. Os jornalistas podem usar essas declarações em suas matérias.

Imagem sob licença CC no Unsplash via CDC