Quatro chaves para criar equipes de sucesso em jornalismo de dados

porMichael Zanchelli
Jan 10, 2013 em Jornalismo de dados

Agora que uma boa reportagem tem maior probabilidade de ser apresentada em forma de mapa interativo na primeira página, muitas redações estão repensando como os jornalistas e programadores podem trabalhar melhor juntos.

Um novo relatório do Centro Internacional para Jornalistas lança um olhar por trás das cenas de sete equipes de jornalismo de dados, encontrando algumas características-chave que permitiram que essas equipes produzissem reportagem de alta qualidade.

O relatório encontrou quatro fatores de sucesso na construção de equipes de jornalismo de dados:

  1. Situar a equipe de jornalismo de dados perto das mesas de redação: Membros da equipe de jornalismo de dados enfatizam que estar perto da redação da notícia lhes dá acesso crítico a editores e repórteres para que eles e a equipe de dados desenvolvam e planejem uma cobertura de notícias impulsionada por dados. Simon Rogers, editor do Datablog do Guardian, reforçou essa afirmação: "Os órgãos de imprensa se baseiam todos na geografia -- e na proximidade da redação. Se você estiver perto, é fácil sugerir matérias e tornar-se parte do processo; do mesmo modo, se está fora do campo de visão, está literalmente fora de sua mente."

  2. Incentivar repórteres e programadores a trabalhar em conjunto e formular ideias de pauta direcionadas por dados: Como os desenvolvedores e repórteres muitas vezes têm conjuntos de habilidades especializadas, é importante reuni-los para discutirem ideias de matéria. Quando Mc Nelly Torres, co-fundadora e diretora associada do Florida Center for Investigative Reporting, trabalhou com um jovem programador no Sun Sentinel, ela observou que ele não sabia o que poderia ser de interesse aos leitores. "Ele não conseguia ver a informação da matéria, enquanto eu podia encontrá-la nos dados." Torres usou sua experiência como repórter investigativa para pedir aos desenvolvedores por dados específicos que em última análise a ajudaram a fornecer um quadro mais completo.

  3. Recrutar repórteres e desenvolvedores que reúnam as duas habilidades: Encontre ou invista em pessoas que possam trabalhar como jornalistas e desenvolvedores em sua equipe de jornalismo de dados. Aron Pilhofer, editor de notícias interativas no New York Times, disse que as redações devem investir em ensinar a jornalistas conhecimentos básicos de dados, tais como planilhas e análise de dados, mesmo quando isso significa a contratação de um repórter disposto a usar novas ferramentas em vez de um jornalista que seja um bom redator mas menos ansioso para aprender novas técnicas. E não se esqueça de buscar fora da redação. "Passeie, visite os departamento de tecnologia e TI onde é provável que encontre ouro", Pilhofer escreveu no Data Journalism Handbook.

  4. Produzir histórias que mostram o que os dados significam e por que o público deve se interessar: Matérias impulsionadas por dados sobre temas que afetam a vida dos consumidores de notícias produzem impacto e geram tráfego ao site. Um exemplo do Zeit Online, um veículo de notícias alemão: Durante o desastre nuclear em Fukushima, Japão, em 2011, o Zeit atraiu usuários ao publicar um mapa interativo mostrando as concentrações de alemães que vivem em distâncias variadas das plantas nucleares. Sascha Venohr, editor de desenvolvimento, disse que o resultado desse projeto foi "muito e muito tráfego" com o mapa se tornou "viral nas redes sociais."

Leia o relatório completo (em inglês) aqui.

Michael Zanchelli é coordenador do programa Knight International Journalism Fellowships.

_Imagem usada com licença CC no Flickr, cortesia de enda_001_