Programa de assinatura digital inclui revista impressa

por Irene Caselli
Dec 17, 2018 em Engajamento da comunidade
MONO magazine

A mais nova revista da Argentina é apenas para membros. MONO é uma criação da RedAcción, a mais nova redação do país, que entrega sua revista mensal mensalmente somente para seus membros.

A RedAcción --que pode ser lida em espanhol como redação ou rede de ação-- é uma empresa 90% digital, mas a MONO é um benefício adicional exclusivo para membros.

O diretor da RedAcción, Chani Guyot, trabalhou por duas décadas no La Nación, um dos maiores jornais da Argentina. Em 2017, ele deixou seu cargo de editor-chefe e fundou a RedAcción, que ele considera um antídoto para a sobrecarga de informações. A publicação dá prioridade a histórias bem reportadas com um foco local orientado a soluções.

Por exemplo, uma matéria sobre terapia assistida por equinos vem com um link para uma petição para criar uma lei nacional que regule essa forma de terapia.

Um dos cofundadores é Juan Carr, um empreendedor social e sete vezes indicado ao Prêmio Nobel, que está por trás da Solidarity Network, um movimento com centenas de voluntários que respondem a emergências e problemas sociais.

“Temos um aspecto vocacional que tem a ver com a forma como participamos na construção de comunidades que podem criar um impacto”, diz Guyot.

Por exemplo, a RedAcción está colaborando com duas organizações em um projeto chamado "Level Up the Field", dedicado à criação de páginas na Wikipedia para as jogadoras de futebol da Argentina. Quando o projeto foi lançado no início deste ano, havia apenas 33 perfis de jogadoras na Wikipedia e mais de 5.000 jogadores. O objetivo do projeto é aumentar a visibilidade da equipe, especialmente depois que a equipe feminina argentina --que tem reclamado sobre as desigualdades entre esportes masculinos e femininos-- se classificou para a Copa do Mundo Feminina da FIFA 2019 na França.

“O jornalismo na Argentina tem um baixo valor nutricional”, diz Guyot, referindo-se à falta de cobertura das questões sociais em muitas das publicações tradicionais de propriedade privada.

A Argentina sofre com um contexto de mídia polarizado, onde os jornais privados tradicionais têm melhor situação financeira, mas menos cobertura de questões sociais, enquanto os novos meios de comunicação lutam para sobreviver, colocando questões como pobreza e direitos das mulheres na agenda.

Revista focada em design

MONO --a revista impressa-- é uma vitrine de algumas das coberturas escolhidas a dedo pela RedAcción, em um formato elegante e inovador. Inspirada na le1 da França e na El Dobladillo da Espanha, a MONO é uma revista que publica cinco histórias originais por edição. Dobrada, parece uma revista normal. Desdobrada, ela vira primeiro um tablóide e depois uma folha grande.

O design varia de acordo com o conteúdo. Por exemplo, o tamanho do formato da edição de maio, antes da Copa do Mundo de 2018 na Rússia, apresentava um campo de futebol para um artigo especial sobre Lionel Messi. O design do tamanho do pôster da mesma edição incluiu um infográfico que ilustra os gols que Messi marcou antes da Copa do Mundo, com um ponto para mostrar a posição exata de cada um deles em campo.

Soccer pitch
O design de broadsheet para a MONO em maio de 2018, antes da Copa do Mundo.

 

Outras edições incluíram histórias em quadrinhos nas páginas dos tablóides, como a história pessoal de Lucía Wei He, uma das repórteres do jornal, cujos pais migraram para a Argentina da China.

Comic story
Esta história em quadrinhos conta a história pessoal de Lucia He, uma das repórteres da publicação, e de seus pais que migraram da China.

“A MONO lhe devolve o prazer de se sentar em um sofá e ler um bom jornalismo por meio de um artefato lúdico e bonito”, diz Guyot. "É uma experiência delicada, não exclusivamente intelectual."

A carreira de Guyot sempre se estendeu pelas áreas de design e editoriais. Quando ele se juntou ao La Nación pela primeira vez na década de 1990, trabalhou como designer para a página de domingo. Então mudou-se para posições diferentes na publicação antes de se tornar editor-chefe.

“A MONO é o produto que mais me expressa”, diz Guyot sobre o equilíbrio da revista entre conteúdo curado e design cuidadoso.

A revista é projetada pela Errea, uma empresa espanhola que organizou o rebranding de várias mídias, incluindo o Scotsman, do Reino Unido, e o Turun Sanomat, da Finlândia.

Encontrando um modelo sustentável

Lançada em abril de 2018, a RedAcción foi possível graças a US$1,5 milhão de doações privadas. O financiamento cobrirá as operações da equipe de 15 pessoas nos primeiros três anos, mas a redação está explorando um modelo de receita mais sustentável para garantir o financiamento no futuro.

Como Guyot diz que não aceitará receita de propaganda, eles decidiram usar um modelo de associação, semelhante ao adotado pelo De Correspondent, o site de notícias holandês que está prestes a ser lançado nos Estados Unidos.

Por ARS150 (US$4) por mês, os membros recebem benefícios que os leitores regulares não têm, incluindo a revista MONO e a participação em eventos que permitem conversar diretamente com a equipe da publicação e os repórteres. Esses membros pagantes possibilitam que outros aproveitem o conteúdo online sem nenhum custo. O público jovem (entre 24 e 40 anos) está muito engajado, e a RedAcción está tentando aproveitar ao máximo.

"Estamos nos concentrando em entender o que nossos leitores e membros pensam", diz Guyot, sobre uma das vantagens dos eventos exclusivos para membros.

Ainda é cedo para dizer se a RedAcción vai prosperar ou não, mas para Guyot, este é o sonho de uma vida. “É uma oportunidade de fazer o que acreditamos”, ele diz, “então temos que ver se podemos colocar essas ideias em ação e se o mercado as valida.”


Todas as imagens são cortesia da RedAcción.

Irene Caselli é uma jornalista freelance multimídia com 14 anos de experiência na mídia impressa e eletrônica. Ela saiu da América Latina há uma década e atualmente mora na Itália. Ela reporta regularmente para a mídia internacional, incluindo o BBC News, Washington Post,  New York Times, Guardian e o Monocle. Ela é uma editora-colaboradora do Index on Censorship.