Por que a luta do Facebook contra notícias falsas não é um fracasso (ainda)

porLaura Hazard Owen
May 19, 2017 em Jornalismo digital

Está cada vez mais difícil estar em dia com o fluxo crescente de notícias falsas, desinformação, conteúdo partidário. Este resumo semanal oferece os destaques sobre o que você pode ter perdido.

"O Fake Media Facebook irá dizer se este artigo é disputado". Uma das primeiras vezes que vimos um alerta de notícia falsa no Fakebook foi em torno do Dia de São Patrick sobre a história do "comércio de escravos irlandeses" (também conhecido como o mito dos escravos irlandeses.) Sam Levin  do Guardian informou nesta semana que o "ataque" do Facebook teve o efeito oposto: "Um grupo de grupos conservadores pegou isso e disse: 'Ei, eles estão tentando silenciar este blog", afirmou Christian Winthrop, editor do Newport Buzz, o site que publicou o artigo.

Não está claro quantas vezes isso está acontecendo. O reconhecimento do Facebook sobre o artigo de comércio de escravos irlandês, em particular, como falso foi coberto por uma série de canais, por isso foi provavelmente mais fácil identificá-lo como uma campanha de re-promoção do artigo em questão. Alguns editores e escritores de sites de notícias falsas disseram a Levin que não estava claro se a campanha do Facebook estava afetando seu tráfego. Um deles disse que o site "definitivamente viu uma queda no tráfego desde que o Facebook começou a contar com verificadores de fato externos".

Anedotas individuais realmente não são a melhor maneira de avaliar se isso está funcionando, no entanto. Esta enxurrada de tuites de J. Nathan Matias do MIT Media Lab (cuja equipe, no início do ano, colaborou com o Reddit para incentivar os usuários a verificar fatos sensacionalistas ou histórias potencialmente enganosas) é uma leitura interessante; Alguns destaques:

Ao todo, é cedo e não há evidência suficiente para afirmar que o esforço seja um sucesso ou fracasso. O Facebook, é claro, não está liberando dados.

"Um troll muito bem sucedido joga com ambiguidade". "Manipulação dos meios e desinformação online", um relatório extenso de Alice Marwick e Rebecca Lewis da Data & Society, foi lançado esta semana. O relatório denso -- com uma versão resumida mais curta e mais "divertida" no Select All da revista New York -- analisa como "várias subculturas da internet, às vezes resumidas como" alt-right ", mas mais precisamente um amálgama de teóricos da conspiração (libertários, nacionalistas brancos, defensores dos direitos dos homens, trolls, anti-feministas, ativistas anti-imigração e jovens entediados) aproveitam as técnicas da cultura participativa e as possibilidades das mídias sociais para difundir suas várias crenças."

Além dos sites 100 por cento falsos, o relatório destaca sites que "espalham informações que se enquadram em um contínuo entre verdadeiro e falso":

Publicações com agendas altamente ideológicas, como Breitbart News ou Occupy Democrats, muitas vezes deliberadamente manipulam informações para caber em uma visão de mundo específico. Por exemplo, em 2014 o Washington Free Beacon publicou um artigo afirmando que o governo dos EUA estava financiando um esforço de pesquisa para monitorar declarações conservadoras sobre as mídias sociais, que foi divulgado pelo Breitbart e, eventualmente, a Fox News. Embora o projeto existisse, suas descobertas foram mal caracterizadas. Da mesma forma, ativistas liberais publicaram uma reportagem do conservador Daily Post afirmando que o governo Trump acusaria os manifestantes políticos de terroristas. Isso foi baseado em uma proposta informal do senador Doug Erickson para acusar os manifestantes que bloquearam as empresas de terrorismo econômico. Em ambos os casos, as notícias eram uma mistura de fatos e desinformação.

“Eu não espero atingir 100 por cento em termos de precisão”. Outro artigo do Guardian desta semana, por Jon Swaine, explora ainda mais a mistura do verdadeiro e falso no caso de blogueiros como a anti-Trump Louise Mensch e o pró-Trump Mike Cernovich, "cujos registros de reportagens falsas são ocasionalmente interrompidos por histórias que são realmente verdadeiras". Mensch disse a Swaine: "Eu acredito em uma imprensa livre. As pessoas podem e devem escrever o que quiserem". Claude Taylor: "Falando apenas por mim, eu não espero atingir 100 por cento em termos de precisão, mas espero, quando tudo estiver dito e feito, alcançar mais de 80 por cento, a grosso modo."

Charile Warzel do BuzzFeed escreveu sobre uma questão relacionada esta semana: Em "O que acontece quando os meios de comunicação pró-Trump conseguem furos reais?", Warzel disse que as notícias reais dadas por Cernovich e outros têm "complicado a caracterização imediata da mídia pró-Trump como fornecedora de notícias falsas. Nas últimas semanas, especialmente, a mídia pró-Trump frequentemente tomou o controle do ciclo de notícias políticas através de uma tática inesperada: reportagem real e, às vezes, com fonte boa."

Este artigo foi publicado no Nieman Lab e é reproduzido com permissão.

Imagem principal do CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, sob licença CC no Flickr via Robert Scoble