Plataforma usa GroundSource para alcançar usuários através de mensagens por celular

porDena Levitz
Apr 20, 2016 em Diversos

Como jornalista no Sri Lanka, Jesse Hardman trabalhou com uma plataforma de mídia que depende bastante de mensagens de texto. Assinantes recebiam atualizações sobre tudo, desde pontuação de esportes a explosões próximas, tudo através de seus telefones.

Quando ele se mudou para Nova Orleans, Hardman queria desenvolver ainda mais esta ideia. O Listening Post, nascido há dois anos, é o resultado disso. O projeto de mídia pública faz de telefones pessoais um recurso de notícias da comunidade e uma ferramenta para obter opiniões sobre assuntos grandes e pequenos, sérios ou não.

"Eu estava buscando como expandir a conversa para comunidades que podem não estar recebendo informação para participar da vida na cidade", disse Hardman à IJNet. "Os telefones celulares são onipresentes, mais ainda do que laptosp, e pareciam ser uma forma subutilizada para compartilhar informações e descobrir o que é importante para eles."

A chave para alcançar essa missão tem sido uma ferramenta em particular: GroundSource. Em vez de apenas divulgar textos, a GroundSource é um sistema de mensagens móvel de duas vias que é cada vez mais utilizado por organizações jornalísticas para engajar o público. Criado por Andrew Haeg, cofundador da Public Insight Network, os parceiros da GroundSource incluem o Centro de Jornalismo Colaborativo e a Rádio Namlolwe do Quênia.

Hardman conheceu Haeg enquanto ambos eram bolsistas da Universidade de Stanford. Na época que a GroundSource estreou, ele estava lançando seu projeto em Nova Orleans. Nos primeiros meses do Listening Post, Hardman sondou a cidade, participando de reuniões de bairro e jogos de basquete de meia-noite da maneira tradicional -- com pranchetas e folhetos perguntando aos moradores quais eram suas preocupações, a melhor forma de alcançá-los e que tipos de dispositivos possuíam. Foi uma maneira de iniciar uma conversa permanente entre uma agência de mídia e seu público.

"A última pergunta que fizemos -- quando percebemos que talvez queríamos usar GroundSource -- foi pedir o número de telefone das pessoas", disse ele. "Isto foi no meio do escândalo de Edward Snowden da NSA, mas 70 por cento compartilhou seus números. Esses se tornaram meu primeiro grupo de fontes."

Daí, o Listening Post recebeu um número GroundSource especial. Os membros do público apenas tinham que enviar o texto "Oi" a esse número para fazer parte da base de assinantes. Atualmente, cerca de 1.500 pessoas recebem textos regulares, que incluem notícias e também questões.

Numa semana, a questão pode mergulhar em um tópico substancioso como encarceramento, pedindo a opinião das pessoas sobre o que as prisões realmente alcançam.

Em outra semana, a questão pode ser mais pessoal, por exemplo, buscando conhecer, em uma cidade cheia de migrantes, por que especificamente se mudaram para a chamada "The Big Easy". Com o Festival de Jazz chegando, Hardman disse que pretende perguntar aos usuários que música eles se lembram de ouvir em casa quando eram crianças, bem como qual a música que eles escolheriam para representá-los.

"É uma maneira interessante de chegar a uma ampla faixa da cidade de uma só vez", disse ele.

As respostas são usadas de maneiras diferentes -- como linhas que Hardman vai tecendo no conteúdo online e como exemplos do pulso da cidade que ele lê em voz alta no rádio. Eventualmente, ele pretende levar essas respostas para alguém que possa fazer alguma coisa, seja o prefeito ou uma organização sem fins lucrativos.

"Esperamos completar o ciclo de 'eu me envolvi, eu participei, houve uma resposta", disse ele.

Durante uma semana qualquer, uma taxa de resposta de 5 por cento é considerada boa. No entanto, mesmo meia dúzia de respostas perspicazes é uma vitória.

"Alguém gastou o tempo para compartilhar isso", disse Hardman. Além disso, a questão vem junto com notícias curtas. "Mesmo que eles não queiram responder nessa hora, podem aprender alguma coisa. Você pode receber uma manchete ou saber mais sobre uma coisa acontecendo naquela comunidade."

Em comparação com simplesmente postar essas perguntas em um site ou em mídias sociais, o Listening Pos -- com a ajuda da GroundSource -- é capaz de ter uma troca regular com os cidadãos, muitos dos quais não se envolveriam com a mídia ou políticos de outra forma. Talvez o mais emocionante para ele é a variedade de pessoas que respondem; não são as mesmas cinco pessoas participando a cada semana. Dessa forma, ele está mais perto de conseguir dizer que o Listening Post representa "como a cidade é ou sente sobre um tópico."

Inicialmente, sua preocupação com perguntas diretas através do celular era que ia abrir uma caixa de Pandora para brigas, gritos ou assédios. No entanto, o oposto provou ser verdadeiro para o Listening Post.

"Quando alcançamos as pessoas em seus telefones, elas fazem um esforço e são principalmente muito sinceras", disse Hardman. "Eu recebo muito poucas piadas ou rejeições... Eu acho que é porque não estamos tentando impor a nossa vontade, mas convidar pessoas para fazer parte da conversa."

Imagem principal sob licença CC no Flickr via Nicolas Nova