Organização conclui reportagens investigativas de jornalistas mortos

por Taylor Mulcahey
Apr 22, 2018 em Jornalismo investigativo

Em 16 de outubro de 2017, a maltesa Daphne Caruana Galizia foi morta por um carro-bomba. Na época, a jornalista de 53 anos estava investigando crime e corrupção.

Hoje, uma equipe de 45 jornalistas de 18 organizações de notícias em todo o mundo quer garantir que essa tentativa de silenciar suas histórias tenha sido em vão com o lançamento do Daphne Project, uma série de artigos que completam suas investigações.

“Você matou a mensageira. Mas você não vai matar a mensagem ”, disse Laurent Richard em um artigo recente publicado no jornal Guardian.

Laurent é um cineasta investigativo e fundador do Forbidden Stories, um projeto da Freedom Voices Network, que liderou a investigação colaborativa global.

“Nós não somos um grupo de defesa; não estamos aqui para defender os direitos dos jornalistas”, disse Laurent. "Somos apenas jornalistas pensando que a informação deve chegar ao público."

Em 2015, Laurent trabalhava ao lado do Charlie Hebdo, uma publicação satírica em Paris, e foi o primeiro a chegar em cena após o ataque terrorista que tirou a vida de 12 jornalistas. A experiência foi traumática para Laurent, mas também inspirou um forte compromisso com as matérias de jornalistas que são mortos.

Ele começou a trabalhar no projeto como bolsista Knight-Wallace na Universidade de Michigan. Ele se juntou a Jules Giraudat e Rémi Labed, jornalistas investigativos franceses que ele conhecia trabalhando na mídia francesa. A equipe lançou o projeto em setembro de 2017.

O trabalho do Forbidden Stories é triplo: destacar matérias de jornalistas que foram presos ou mortos usando vídeos curtos; proteger os documentos e fontes de jornalistas investigativos que estão trabalhando em tópicos sensíveis; e produzir investigações colaborativas de longo prazo, sendo a primeira o​​​​​​Daphne Project.

Atualmente, há três vídeos curtos no site Forbidden Stories, cada um com foco no trabalho de jornalistas mexicanos que foram mortos em 2017. Mais jornalistas foram mortos no México em 2017 do que em qualquer outro lugar do mundo.

"Eles são jornalistas locais (não necessariamente trabalhando para grandes organizações de notícias) e muitas vezes moram longe, então estão em posições muito complicadas", disse Jules. “A ideia era esclarecer essas questões e tentar ao mesmo tempo tornar nosso projeto conhecido no México.”

A equipe colocou sistemas em prática para jornalistas trabalhando atualmente em tópicos sensíveis para compartilhar seus documentos e anotações com o Forbidden Stories, bem como informações sobre suas fontes e ameaças que receberam.

Se os jornalistas temem pela sua segurança ou estão preocupados com a sua capacidade de concluir a investigação, existem três métodos para enviar mensagens ou documentos para o Forbidden Stories. O primeiro, SecureDrop, é uma ferramenta de código aberto e criptografada que a Freedom of the Press Foundation projetou para delatores. Os jornalistas também podem usar e-mails criptografados ou o Signal, um aplicativo de mensagens móveis criptografado e de código aberto.

Os jornalistas podem divulgar o fato de que compartilharam seu trabalho, enviando uma mensagem a possíveis agressores dizendo que são impossível silenciar, explicou Jules. Ou podem optar por compartilhar seu trabalho silenciosamente, sem divulgar sua decisão.

A equipe do Forbidden Stories não compartilhará nem publicará as informações, a menos que algo aconteça ao jornalista que as compartilhou.

A ideia por trás do compartilhamento de documentos é dupla: assegurar que investigações importantes sejam concluídas e deter a violência contra jornalistas.

Laurent explicou que quando uma reportagem é apoiada, desencoraja a violência contra os jornalistas que a estão investigando, já que intimidá-los não interromperá a publicação da matéria.

"Essa também é uma maneira de tentarmos fazer com que eles se beneficiem da nossa liberdade de imprensa", disse Rémi. “Para tentar estender a liberdade de imprensa que temos aos jornalistas que podem não desfrutá-la em seus países.”

Sua capacidade de continuar o trabalho de jornalistas em perigo e conduzir investigações em grande escala depende de seus recursos:  eles são uma organização sem fins lucrativos que depende de doações e apoio de fundações. A Omidyar Network é atualmente uma das maiores financiadoras.

Em março, o Forbidden Stories recebeu o grande prêmio do “Projeto de Jornalismo do Ano” na Conferência Anual do Jornalismo Francês

Com o lançamento do Daphne Project, publicado em mídias como Le Monde, Times of Malta, Guardian e outros, Laurent espera que o Forbidden Stories ganhe mais reconhecimento internacional.

"Estou muito impressionado com o compromisso e a qualidade do trabalho de todos os parceiros envolvidos", disse Laurent. "Realmente precisamos acreditar nessa maneira de derrotar a censura."

Imagem sob licença CC no Unsplash via David Larivière