O vídeo do Instagram irá superar o Vine na redação?

porMargaret Looney
Jul 9, 2013 em Jornalismo multimídia

Foi só as redações começarem a descobrir o que um vídeo de seis segundos da plataforma Vine pode acrescentar a uma reportagem que o Instagram decidiu permitir que os usuários capturassem 15 segundos usando qualquer um dos 13 filtros diferentes.

Em 24 horas, o presidente do Instagram, Kevin Systrom, anunciou que mais de 5 milhões de vídeos foram enviados para o site. O Instagram Vídeo está disponível para usuários de iOS e Android. Isso teria sido uma grande vantagem em relação ao Vine, que foi criado apenas para iOS. Mas o Vine, finalmente lançou uma versão Android há umas semanas atrás (junto com novos recursos).

O Facebook + Journalists já produziu uma lista de maneiras como os jornalistas podem usar o recurso de vídeo em sua cobertura, mostrando clipes dos bastidores de notícias sobre eventos, crowdsourcing vídeos de cenas de notícias através de hashtags estabelecidos e e chamando a atenção para as próximas reportagens, semelhante à maneira como os jornalistas têm utilizado Vine. (O Facebook é proprietário do Instagram e o Twitter criou o Vine.)

Embora ainda seja muito cedo para saber se as redações vão abraçar o novo recurso, algumas já estão experimentando-o. O Washington Post já carregou quatro vídeos em seu feed, capturando cenas da comunidade local de Washington.

A National Geographic criou um clipe de stop-motion mostrando o que o fotógrafo Michael Yamashita leva em sua mochila da câmera.

Jacob Trapper do The Lead da CNN mostrou seu programa com este clipe de filtro e a jornalista Ann Curry deu uma amostra de uma cena com uma tomada de varredora de 360 graus. E estações de notícias locais, como a ABC27News em Harrisburg, Pensilvânia, estão usando o Instagram Vídeo para fazer chamadas para transmissão da noite.

Mas ainda estamos à espera que outras redações virem freguesas regulares do Instagram como o Chicago Tribune, NBC News and the Wall Street Journal para fazer seus primeiros vídeos no Instagram.

Num post sobre o que o Instagram Vídeo pode significar para o jornalismo, Beth Bennett, professora assistente na Faculdade Medill de Jornalismo da Universidade Northwester, disse à ABC News que a nova funcionalidade do Instagram tem o potencial para "contar as últimas notícias, principalmente quando o público está seguindo certas hashtags de notícias minuto por minuto. "

Mas será que o micro-vídeo tem o poder de esmagar esse colosso tradicional que é a câmera de vídeo? Nem todo mundo está convencido.

"É preciso muito mais para transformar o cotidiano de todos os dias em algo espetacular, apesar das dezenas de filtros, edição de efeitos e softwares cosmétivos que o novo recurso de vídeo do Instagram oferece", escreveu Jenna Wortham do New York Times neste post no Digital Diary.

Mathew Ingram do GigaOm escreveu neste post que ele pretende ficar fora do Instagram Vídeo, porque a complexidade do vídeo vai aumentar o fator "ruído" na Internet, entre outros motivos. "Apesar de que seis segundos (a duração para o Vine) ou 15 segundos (para o Instagram) podem não parecer muito, quando você está navegando [na Internet] e o vídeo é irritante ou apenas de má qualidade, é como uma eternidade."

Então, se você acha que a vantagem do vídeo é sua facilidade de compartilhar ou seu " efeito cinema", que estabiliza o vídeo tremido, fazendo com que qualquer um se sinta o próximo Scorsese, é provável que a tendência de compartilhamento de vídeo continuará a ganhar força.

Talvez seja apenas uma questão de tempo antes que o New York Times carregue um vídeo na página de Instagram de seu site.

Margaret Looney, assistente editorial da IJNet, escreve sobre as últimas tendências de mídia, ferramentas de reportagem e recursos de jornalismo.

Flitro do Instagram adicionadao a foto sob licença CC no Flickr via ceasedesist - a foto original pode ser vista aqui