Novo livro explora origens da propaganda americana

porErin Stock
Nov 18, 2020 em Fact-checking e verificação
Autor John Maxwell Hamilton ao lado de seu novo livro, "Manipulating the Masses"

Em 1917, o governo dos Estados Unidos criou uma nova agência, o Comitê de Informação Pública (CIP), cujo objetivo era convencer os americanos a apoiarem a entrada do presidente Woodrow Wilson na Primeira Guerra Mundial. O CIP lançou uma campanha massiva para influenciar a opinião pública em uma escala nunca vista antes. Embora a organização tenha durado apenas 18 meses, lançou as bases para que funcionários do governo dos EUA moldassem rotineiramente a opinião pública.

Essas revelações estão documentadas em um novo livro do professor de jornalismo e autor John Maxwell Hamilton chamado “Manipulating the Masses: Woodrow Wilson and the Birth of American Propaganda” (sem tradução ao português). Como diz Hamilton, “Cada elemento da propaganda moderna tem suas raízes no CIP.”

Em uma entrevista com o Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês), Hamilton falou sobre como a propaganda se tornou um instrumento sistemático e abrangente do governo dos Estados Unidos. Ele também explicou como isso difere da desinformação dos dias modernos e como o papel dos jornalistas é questionar esse processo.

(Nota: Hamilton é tesoureiro da diretoria do ICFJ, organização que publica a IJNet.)

ICFJ: Que táticas o CIP empregou para fazer lobby para que os americanos apoiassem a guerra?

Hamilton: O CIP usou todas as formas de comunicação disponíveis. Eles recrutaram os melhores artistas do país para fazer pôsteres. Recrutaram líderes na indústria de publicidade para colocar anúncios em jornais e revistas. Alistaram universidades para escrever panfletos. Tinham uma agência de desenhos animados. Recrutaram jornalistas para escrever artigos que pudessem ser distribuídos, além de tornar os comunicados de imprensa uma característica cotidiana do governo. Usaram escoteiros para distribuir informações. Vendedores ambulantes. A lista continua e continua.

O CIP também criou um serviço de notícias internacional que é o início da Voz da América (VOA) e, de forma mais geral, um precursor do que hoje é chamado de diplomacia pública. Pela primeira vez na história, os funcionários das embaixadas não tentaram apenas persuadir os líderes de opinião, mas também o público.

Aqui está um exemplo de como a CIP foi empreendedora: convenceu voluntários locais a falar em cinemas durante o intervalo, quando os rolos de filme estavam sendo trocados. No final da guerra, havia 75.000 desses chamados “homens de quatro minutos”.

Era uma técnica de propaganda muito poderosa e é muito parecida com a mídia social de hoje. Você olha para o seu telefone para encontrar um bar de esportes, mas uma mensagem vem do Comitê Nacional Republicano ou de algum outro grupo.

[Leia mais: Ao cobrir conspirações e desinformação, evite dar credibilidade]

Por que você conclui que esses esforços eram antidemocráticos?

Os propagandistas costumam pensar que o que eles querem fazer é bom para você. E um propagandista pode ser honesto ao tentar dizer os motivos pelos quais você deve fazer algo. Eles apenas tentam informá-lo. Isso não é necessariamente ruim.

Mas e se o governo apelar para a emoção, o medo ou o ódio? Quando faz você odiar o inimigo, para deixá-lo com medo de que a cidade de Nova York seja bombardeada por aviões alemães -- como mostra um dos pôsteres da CIP -- então não é democrático. Você não está fornecendo os fatos às pessoas. Você as está manipulando.

Quais foram algumas das descobertas mais surpreendentes?

Uma descoberta foi até que ponto o CIP fez essencialmente o que todos os outros países na guerra fizeram, embora afirmasse que não fazia propaganda. E essa é a primeira lei de ferro da propaganda, que só o inimigo faz. O CIP afirmava que não era como os outros países na forma como divulgava as informações, mas era. Apesar do fato de negarem, eles trabalharam em estreita colaboração com outros países, especialmente os britânicos, fazendo propaganda.

Portanto, o livro é uma história maior do que apenas o CIP. Trata-se de uma tendência maior na gestão da opinião pública, que se inicia no final do século 19 e existe até hoje.

Uma segunda descoberta é que o CIP era em grande parte formado por boas pessoas. Na verdade, eu diria que eram a maioria. Mas não é uma história de pessoas boas fazendo coisas boas. É uma história de pessoas boas fazendo coisas boas e coisas muito ruins.

A lição disso é que a propaganda é muito sedutora. Embora todo propagandista afirme ser democrático e baseado em fatos, eles geralmente escolhem o caminho mais fácil: abrem caminho para os processos democráticos para obter o resultado que desejam.

[Leia mais: Chaves para combater desinformação além da checagem de fatos]

Existe diferença entre a propaganda promovida pelo CIP e a desinformação nas redes sociais hoje?

A desinformação é uma forma de propaganda, mas o CIP não usou a desinformação no sentido de divulgar informações ou histórias totalmente inventadas. O CIP não criou documentos falsos.

Ocasionalmente, eles usaram organizações de fachada para alcançar imigrantes, trabalhadores, públicos estrangeiros com informações tendenciosas e que contavam apenas um lado. Não era uma história inventada, mas "decorada". Eles foram desonestos ou não transparentes, o que é uma forma de mentir, ao trabalhar por meio de organizações sem dizer que estavam fazendo isso.

De que forma a desinformação mudou desde o início do século 20?

A desinformação de hoje é diferente de várias maneiras importantes. Em primeiro lugar, a tecnologia tornou possível que as informações se movessem muito mais rapidamente. É muito mais fácil divulgar a desinformação e depois fazer com que ela se espalhe rapidamente. Além disso, devido à nossa capacidade de analisar o que as pessoas pensam, agora temos técnicas para moldar a desinformação de uma forma que tenha mais probabilidade de repercutir entre o público.

Como os jornalistas cobriram o CIP?

É realmente muito complicado dar uma resposta. E a razão para isso é que a imprensa apoiou muito a guerra.

Ao mesmo tempo, a imprensa se ressentiu do CIP. Antes, havia comunicados à imprensa, mas o CIP transformou o que tinha sido um gotejamento de comunicados à imprensa em uma mangueira de incêndio.

Mas também passaram a depender do CIP porque não podiam cobrir o que se tornara uma política massiva do governo. E assim eles ficaram presos aos comunicados à imprensa, aos folhetos. Ter de lidar com eles na verdade, até certo ponto, restringiu sua capacidade de fazer reportagens empreendedoras.

Os jornalistas não estão enfrentando um dilúvio semelhante de informações do governo?

Sim, o que aconteceu então é importante porque é o que vemos hoje. O número de jornalistas diminuiu em Washington, por exemplo, e a capacidade de cobrir Washington tornou-se limitada porque não apenas temos menos jornalistas, mas também eles têm menos tempo para fazer o trabalho devido à necessidade de nutrir várias plataformas, o que diminuiu o tempo para apurar as notícias. Enquanto isso, o governo se torna muito mais hábil em contornar a imprensa para divulgar sua mensagem.

Quais são os problemas com a forma como o governo dos EUA distribui informações hoje?

A democracia depende absolutamente do governo fornecer informações. Precisamos saber estatísticas econômicas. Precisamos saber que tipo de alimento é perigoso e não perigoso. Precisamos saber quais políticas governamentais estão sendo adotadas.

Em muitos aspectos, as informações do governo são uma joia da coroa para os Estados Unidos. Temos um governo com muitas informações. O problema do outro lado é que o governo possui muitas ferramentas que podem ser usadas para subverter o processo democrático de informação. Muitas vezes, o ramo executivo usa o dinheiro do contribuinte, não para informar alguém sobre uma política, mas para tentar persuadir as pessoas a aceitá-la.

Infelizmente, as leis que temos nos EUA para governar o que o presidente, o que a Casa Branca, o que o poder executivo pode e não pode fazer são muito, muito obscuras. Na verdade, não temos nem mesmo uma boa definição que distinga entre publicidade e propaganda. Precisamos dar um passo atrás e olhar para as informações do governo e encontrar maneiras de entender o quanto está sendo divulgado e como podemos evitar o tipo de informação -- propaganda -- que está em conflito com a democracia.

Qual é o papel dos jornalistas nesse sentido?

Veja toda a propaganda ao redor do mundo. Toda a turbulência política causada por ela. Sem qualquer qualificação, os jornalistas são mais importantes do que nunca para superar isso. Enquanto há mais ferramentas para o governo nos manipular, a solução é mais jornalismo. Jornalistas que falam a verdade ao poder, porque seu público depende disso.


Erin Stock é diretora de comunicações no Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês).

Imagem cortesia de John Maxwell Hamilton e ICFJ.