Novas ferramentas de dados ajudam sul-africano a entender prioridades orçamentais nacionais

porRaymond Joseph
Mar 29, 2016 em Jornalismo de dados

As pessoas comuns muitas vezes quebram a cabeça para entender o orçamento de um país e não conseguem entender o que o governo está fazendo com o dinheiro suado que pagam em impostos.

Code for South Africa propôs abordar essa questão depois que o ministro das fazenda da África do Sul apresentou o seu orçamento de 2016 no parlamento nacional em 24 de fevereiro. O desafio foi apresentar informações complicadas de uma forma educacional e também relevante para os usuários.

O resultado é duas ferramentas: Tax Clock (Relógio do Imposto) e Vote for the Budget (Vote no Orçamento). O Tax Clock, que foi financiado pelo Code for Africa, incorpora as mais recentes tabelas de imposto anunciadas no orçamento. Permite ao usuário registrar a quantidade de tempo que passa a cada dia de trabalho pagando impostos -- e quanto tempo gasta trabalhando para si próprio.

O Tax Clock foi compartilhado com parceiros de organizações de mídia que têm os jornalistas inscritos na nova academia de jornalismo de dados do Code for South Africa. Eles receberam o relógio exclusivamente para usar em seus sites por uma semana, e em seguida foi lançado como um código livre que qualquer um pode incorporar.

A segunda ferramenta, Vote for the Budget, foi desenvolvida em parceria com o International Budget Partnership (IBP). Foi ao ar assim que o ministro começou seu discurso sobre o orçamento. A ferramenta dá às pessoas comuns uma voz na forma como os seus impostos são alocados. Foi promovida amplamente pelos meios de comunicação parceiros e através das redes sociais e outras redes, e foi mantida no ar por vários dias para as pessoas enviarem submissões.

Os usuários foram autorizados a dar a sua contribuição sobre quais programas devem receber maior e menor prioridade nas alocações orçamentárias. Também puderam votar em uma "lista de desejos" para projetos não incluídos no orçamento.

Além disso, os usuários puderam gerar um e-mail com suas escolhas e enviar diretamente ao Comitê de Apropriações do Parlamento, que tem a palavra final sobre as alocações provenientes do orçamento.

Quando as submissões foram fechadas, o IBP e Code for South Africa resumiram todas as submissões individuais e apresentaram um relatório à comissão.

"Esta ferramenta tratou de emancipar [o povo]; democracia não é apenas votar de cinco em cinco anos", disse Adi Eyal, diretor do Code for South Africa. "É sobre o engajamento ativo e saber que você tem uma palavra a dizer e o poder para ajudar a fazer mudanças. Neste caso, houve um comitê de apropriações que ia avaliar o orçamento e precisavam de input -- não apenas de um grupo seleto, mas de toda a nação."

Foram várias semanas de construção e desenvolvimento do conteúdo antes de as ferramentas irem ao ar. Organizações parceiras de mídia receberam códigos incorporados para testar ferramentas em seus sites. Uma estratégia também foi formulada para o lançamento e comercialização de ferramentas, com as mídias sociais desempenhando um papel fundamental.

"Conseguimos ajudar o usuário a entender como essas coisas abstratas lhe afetam diretamente. Ao se concentrar em um aspecto muito específico de um grande conjunto de dados, tornamos esse aspecto acessível, relevante e pessoal ", disse Greg Kempe, chefe de tecnologia do Code for South Africa.

Kemp oferece algumas lições úteis para tornar dados relevantes para cada pessoa:

  • A experiência do usuário deve vir sempre em primeiro lugar. Entenda o que você deseja que o usuário tire dos dados e por quê. Depois, você pode se concentrar em como.
  • Todo o software é inerentemente iterativo e ferramentas de notícias não são diferentes. Construa algo, compare com seus objetivos e, em seguida, faça ajustes. Ideias são testadas, mexidas, amassadas e descartadas de forma contínua.
  • Trabalhar com uma equipe significa que opiniões e comentários são sempre variados, por isso é importante ter uma pessoa que possa orientar o grupo a uma decisão final, romper impasses e ter a palavra final.
  • Temos ferramentas para ajudar a nos guiar através deste processo iterativo, colaborativa e confuso. É importante que todos na equipe compreendam e utilizem essas ferramentas.
  • Como geeks de dados, podemos usar nossa compreensão e experiência para ajudar o leitor a ser mais informado, orientando em uma questão complexa e tornando relevante para ele ou ela. No final das contas, é somente o usuário (ou leitor) que conta.

Confira o Tax Clock abaixo:

Imagem principal sob licença Flickr via kev-shine