Kickstarter pretende aumentar chance de sucesso de projetos de jornalismo

porJessica Weiss
Aug 11, 2014 em Jornalismo digital

"Crowdfunding" é frequentemente citado como uma fonte de financiamento alternativo para o jornalismo, mas os jornalistas que lançam uma campanha no Kickstarter não têm muita sorte.

De acordo com novas estatísticas do Kickstarter, a plataforma de crowdfunding popular no mundo inteiro, a taxa de sucesso para projetos de jornalismo no site desde o seu lançamento em 2009 é de 34,38 por cento, menos do que a taxa de sucesso no site inteiro de 42,74 por cento.

Um pouco mais de 65 por cento dos 1.346 projetos de jornalismo propostos não tiveram sucesso, o que significa que eles não alcançaram seus objetivos de financiamento e, portanto, não foram financiados. O Kickstarter não permite o financiamento parcial do projeto. É tudo ou nada.

Quando o dinheiro é comprometido a um projeto que não recebe financiamento integral, o Kickstarter reembolsa o dinheiro aos doadores do projeto. Até o momento, mais de US$452.000 foram devolvidos aos doadores de projetos de jornalismo que não atingiram suas metas.

Essa taxa de sucesso é semelhante a projetos lançados em categorias como jogos e artesanato. (Música, projetos de teatro e dança tiveram as mais altas taxas de sucesso no site.)

Agora, o Kickstarter está tentando melhorar as chances de projetos de jornalismo. Até junho, os projetos de jornalismo no Kickstarter não ficavam em sua própria categoria. Em vez disso, eles eram colocados em categorias como Publishing (Publicação) ou Nonfiction (Não-Ficção). Assim, o Kickstarter criou uma categoria de projeto de jornalismo específico e atualizou a categoria dos projetos mais antigos, que anteriormente teriam sido considerados jornalismo.

"Nós realmente amamos projetos de jornalismo e queremos lhes dar mais visibilidade no site", o representante de comunicações do Kickstarter, David Gallagher, disse à IJNet. "E a criação de uma categoria separada para eles é uma maneira de fazer isso."

Como o significado do jornalismo muda, a categoria permite que os proprietários do projeto determinem o que é um trabalho de jornalismo e quem é jornalista.

"Seria um grande eufemismo dizer que o mundo do jornalismo está passando por uma série de mudanças", o Kickstarter escreveu em um comunicado. "Para nós, isso significa que é mais importante do que nunca garantir que os jornalistas tenham as ferramentas e recursos para tentar coisas novas, sejam eles profissionais que buscam formas inovadoras de financiamento e compartilhar seu trabalho, ou pessoas comuns com uma fome para contar as histórias em volta deles."

Apesar da alta taxa de projetos mal sucedidos, o site tem sido usado para financiar jornalismo inovador. Até o momento, 385 projetos de jornalismo foram financiados com êxito; a maioria (238) arrecadou entre US$1.000 e US$9.999.

Jornalistas usam Kickstarter de diversas maneiras. Alguns levantaram dinheiro para ajudá-los a cobrir histórias pouco reportadas ou negligenciadas por meios tradicionais. O cartunista editorial Ted Rall arrecadou dinheiro para viajar de forma independente a províncias remotas no Afeganistão e cobrir a guerra. O fotojornalista Gerd Ludwig viajou para Chernobyl para documentar as consequências do desastre nuclear 25 anos depois.

Outros usaram Kickstarter para projetos com narrativa inovadora e interativa. O Homicide Watch arrecadou dinheiro para cobrir cada assassinato em Washington por um ano, com base em documentos de fonte primária, redes sociais e reportagens originais. A FOIA Machine buscou simplificar o complicado processo de apresentação e acompanhamento de pedidos de registros públicos. A Matter reuniu jornalistas dos principais veículos de notícias globais para lançar uma nova plataforma focada em jornalismo de profundidade, em formato longo.

Editores e organizações estabelecidas, grandes e pequenas, têm usado Kickstarter como um laboratório para inovar, incluindo maior engajamento público e interatividade. O projeto sobre camisetas do Planet Money da NPR traçou a cadeia de abastecimento global da criação de uma camiseta. Mais de 20.000 contribuintes deram um total de mais de US$590.000, que foi mais de 10 vezes o valor buscado. E no início deste ano, a IJNet entrevistou o fundador de um pequeno site de notícias de tecnologia regional, que financiou uma revista impressa para a conferência South by Southwest Interactive através de uma campanha no Kickstarter. A campanha gerou US$9.300, superando a meta de captação de recursos de mais de US$2.000.

Junto com a criação de uma nova categoria para o jornalismo, o Kickstarter também anunciou uma nova parceria de curadoria com o jornal Guardian. A iniciativa visa proporcionar mais recursos para jornalistas que querem inovar e investigar.

Para saber mais e usar a plataforma, visite Kickstarter.

Jessica Weiss é uma jornalista freelance com base em Bogotá, Colômbia.

Imagem cortesia de 401(K) 2012 no Flickr sob licença Creative Commons