Jornalista do mês: Farahnaz Mohammed

porSam Berkhead
Apr 20, 2017 em Jornalista do mês

A carreira jornalística de Farahnaz Mohammed a levou de seu país de origem, a Jamaica, para lugares como Argentina, Hong Kong, Alemanha e Estados Unidos.

"Lembro-me desde muito pequena já perceber o quanto estar em outro país significa para mim", disse ela. "Isso mudou muito minha visão do mundo."

Mas o início não foi fácil. Quando ela começou a procurar emprego, bolsas de estudo e oportunidades freelance, notou um tema recorrente: muitas dessas oportunidades só estavam disponíveis para cidadãos americanos ou europeus.

"Você não vê muitas pessoas que não são americanas ou europeias nos jornais", disse ela. "Isso está mudando, e eu acho que há mais oportunidades agora do que nunca, mas ainda é muito difícil."

Desde que obteve seu mestrado em jornalismo da Northwestern University, sua assinatura apareceu em sites como o Huffington Post, GuardianWomen's Media Center - e até mesmo a IJNet. Ela agora reside em Londres, onde seu trabalho mais recente foi no HackPack, um site que conecta jornalistas, fixadores e editores em todo o mundo.

Mohammed falou com a IJNet sobre os segredos para se tornar uma jornalista de carreira mundial:

IJNet: O que fez você querer ser jornalista?

Mohammed: Eu sempre quis ser jornalista, mas me disseram a mesma coisa que todos dizem: que é que você não ganha dinheiro. Meus pais eram médicos, e eu estava indo para a faculdade de medicina -- mas enquanto eu estudava para exames, comecei a blogar para um site apenas por diversão. Eu percebi o quanto eu odiava medicina e o quanto eu gostava de blogar. Enviei uma inscrição para o programa de jornalismo da Northwestern e disse que se eu entrasse nesse programa com a pouca experiência que tenho, essa seria uma mensagem do universo para eu fazer jornalismo. Eu entrei e não fui para a faculdade de medicina -- eu não sei o que meus pais pensam sobre isso.

No ano passado, você foi selecionada para o Fundo Knight-Vice Innovators, que você encontrou através da seção de oportunidades da IJNet. De que outra forma a IJNet ajudou sua carreira?

A IJNet foi um dos primeiros lugares que foi tão bem organizado e tão acessível e não precisa pagar nada para ele. Eles reconhecem que os jornalistas internacionais têm muitas dificuldades. Lembro de lê-lo antes mesmo de entrar na profissão, e foi tão encorajador. Especialmente ver pessoas como eu - pessoas que não têm um passaporte americano ou europeu -- conseguir ter sucesso. 

Lembro de ir para a página de oportunidades todos os dias durante anos e me candidatar a coisas, e a bolsa Knight-Vice foi uma delas. Eu nunca achei que ia conseguir, e fiquei espantada que consegui. E isso era a IJNet. Você pode dizer que tantas coisas lançaram sua carreira, mas esse foi um grande passo.

Como você tem ideias de pautas quando está fazendo freelance?

Acho que uma habilidade que você tem que aprender é manter seus olhos abertos. Por exemplo, a última história em que eu estava trabalhando [sobre como as mulheres reagem a trauma] veio de algo que uma amiga disse de passagem. Eu comecei a investigar, e muitas mulheres com quem falei "off the record" estavam realmente desesperadas para falar sobre isso em geral.

Trata-se apenas de manter seus olhos abertos, se é algo que um amigo diz ou se viu algo que alguém fez. Eu fiz uma [reportagem] sobre suicídio na Guiana. Eu tive a ideia dessa história quando estava trabalhando em um outro projeto sobre saúde no Caribe. Eu vi uma estatística e pensei "Isso é notável, eu tenho que escrever sobre isso."

Muitas pessoas dizem que se trancam numa sala e só pensam nisso, e eu nunca consegui fazer assim.

Tem conselhos para alguém que quer fazer o que você faz?

Honestamente, eu acho que no início -- e isso é algo que eu diria a mim mesma também -- é a sua própria autoconfiança que é o maior inimigo. É que você fica lá pensando: "Eles nunca vão estar interessados ​​no que eu tenho a dizer, eu nunca vou conseguir isso". Você diz isso a si mesmo muito, especialmente por ser internacional.

Eu sempre fiquei surpresa: se você se vender com confiança -- é claro que vai receber rejeições, porque todo mundo recebe rejeições -- mas os editores realmente querem ouvir histórias realmente bem contadas e interessantes. Então, se você tiver uma, proponha a [pauta] para o Guardian primeiro e depois para organizações menores.

Eu diria que além da confiança, você tem que ter mais coragem. Já é uma profissão que você tem que ser intrépido. Trata-se realmente de poder se construir. Ao mesmo tempo, aceite críticas; Você sempre pode melhorar. Eu conheço um par de jornalistas que recebem seus artigos editados de volta, e revisões são sempre brutais  -- quer dizer, é o seu bebê -- mas eles seguram depois porque acham que não se parece nada com o que escreveram. Muitas vezes não vai parecer com o que você escreveu.

Imagem cortesia de Farahnaz Mohammed