Jornalismo de dados aumenta recenseamento eleitoral no Quênia

por Justin Arenstein
Dec 6, 2012 em Temas especializados

Quando a Comissão Eleitoral Independente do Quênia publicou a localização dos centros de registro de eleitores em todo o país pela primeira vez no mês passado, lançou esta informação importante em formato PDF, o que dificulta a leitura para o cidadão comum.

Mesmo infomidiários profissionais, como meios de comunicação e organizações da sociedade civil que reúnem e organizam informações, usariam apenas uma fração do conteúdo do PDF.

Nossa iniciativa pioneira, o Code4Kenya, logo percebeu que a informação presa no PDF era muito importante para ser ignorada. Então, o desenvolvedor chefe do Code4Keny, David Lemayian, e um dos bolsistas da iniciativa de dados, Simeon Oriko, começaram a trabalhar. Primeiro, eles liberaram a informação, extraindo os dados do PDF para uma planilha interactiva. Daí, construíram um site simples, o GotToVote! com base nela.

O projeto levou apenas 24 horas do início ao fim, mas os resultados falam por si: Mais de 2.500 pessoas visitaram o site poucas horas depois de ele ir ao vivo, utilizando-o para encontrar o centro de votação mais próximo e onde devem se registrar para as eleições. O tráfego para o site continua a crescer com a propaganda boca a boca sobre os recursos. Simples, mas poderosa.

A experiência demonstra que:

  • Projetos de abertura de dados não precisam ser caros. Construir GotToVote! custou menos que US$500 para tudo, do desenvolvimento, ao logotipo, ao registro de domínio e hospedagem. Compare isso com os milhões de dólares gastos em sites de ONGs similares que raramente atraem mais do que algumas centenas de usuários.
  • Projetos de abertura de dados não precisam equipes enormes para serem bem sucedidos. O GotToVote! foi construído por apenas duas pessoas com paixão, visão clara e habilidades certas.
  • Projetos de abertura de dados não precisam levar muito tempo. A utilidade de dados, como notícias, muitas vezes é sensível ao tempo. O GotToVote! prova que é possível construir algo significativo e útil em apenas 24 horas.
  • Dados abertos não têm que ser complexos para serem importantes. Ideias simples e poderosas, com dados granulares e uma interface de usuário limpa, podem ter um impacto profundo.
  • Dados abertos não têm que ser entregues de forma sofisticada. Muitas vezes, os dados mais úteis são aqueles que extraímos de PDFs inacessíveis ou outras "prisões" onde a burocracia trava a informação pública.
  • Dados abertos são mais poderosos quando dão a cidadãos comuns informação "acionável" sobre como o mundo impacta suas vidas pessoais ou comunidades locais.

Então, como é que tivemos as pessoas certas, no lugar certo, na hora certa? O projeto Code4Kenya é uma experiência de seis meses da African Media Initiative (AMI) e do Banco Mundial para tentar revolucionar a maneira como os jornalistas e ativistas cívicos africanos usam dados. Faz isso levando bolsistas de dados em três das maiores redações do Quênia, além de uma organização comunitária, para ajudar a iniciar uma experimentação com o engajamento cívico através de dados e ferramentas de "notícias de utilidade". Os bolsistas são apoiados por uma equipe externa de desenvolvimento de software. Todo o programa é gerido por um grupo "think-tank" extremamente ágil, o Open Institute.

O piloto Code4Kenya tem funcionado tão bem que a AMI acaba de se comprometer em investir na equipe de desenvolvedores por mais 12 meses. Eles irão evoluir, esperamos, em um laboratório jAccelerator que vai ajudar a rastrear dados e experiências digitais nas redações africanas, assim como fizeram com o projeto GotToVote!.

O Code4Kenya irá construir e implantar mais 10 ferramentas de dados e serviços de redação nos próximos meses. Incluem os primeiros portais com redações baseadas em dados abertos na África, as primeiras editorias completas de dados abertos do continente, e uma série de aplicativos ou serviços para ajudar repórteres a fazerem o trabalho de forma mais eficaz e ajudar o público a entender melhor a notícia.

Mas você não tem que esperar até lá para começar a experimentar por si mesmo. Todos os dados utilizados no GotToVote! estão disponíveis gratuitamente em outro projeto Code4Kenya: o portal AfricaOpenData.org, que apesar de estar em fase beta inicial (ainda sem um logotipo ou design gráfico adequado,) tornou-se em apenas dois meses o maior repositório de dados públicos do continente, incluindo desde informações sobre o orçamento do governo a dados sobre parlamentares e outros funcionários públicos.

Justin Arenstein é um estrategista de mídia que trabalha com a AMI, como parte de sua bolsa do Knight International Journalism Fellowship.

Imagem usada com licença CC no Flickr via Kodak Agfa