Google lança experimento de alto-falantes inteligentes que dará mais controle aos ouvintes

porLaura Hazard Owen
Dec 10, 2018 em Jornalismo multimídia
Google home

As pessoas gostam de auto-falantes inteligentes, mas não gostam muito de receber as notícias através dos chamados smart speakers.

Como mostra uma pesquisa recente de Nic Newman --publicada pelo Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo e escrita por nós aqui--, os consumidores não são os maiores fãs do tipo de briefings de notícias que as editoras têm promovido. Queixas comuns: Os briefings são muito longos. Não são atualizados com frequência suficiente. São repetitivos demais; quando boletins de diferentes provedores de notícias funcionam juntos, as matérias são duplicadas. E é difícil ignorar as notícias que você não está interessado -- ou ouvir mais sobre as reportagens que você está interessado.

O Google espera resolver algumas dessas preocupações com um novo experimento, anunciado em 6 de dezembro, que fornecerá mais feeds de notícias de áudio personalizados através do Google Assistente. "Estamos combinando o Google Notícias com a experiência de interatividade e voz do Google Assistente", disse Liz Gannes, ex-repórter do Recode, Gigaom e AllThingsD, que lidera a iniciativa. A empresa passou o ano passado trabalhando com cerca de 130 redações para construir um protótipo de uma estação de rádio de notícias que os clientes podem controlar --usando a voz para pular notícias, voltar ou parar e mergulhar ainda mais em um determinado tópico. É construído usando cada notícia como um pedaço individual, em vez de um resumo de notícias agrupadas.

“Imagine se você pedir notícias e obter uma rápida atualização sobre as histórias do momento, então você recebe notícias que refletem suas preferências e interesses pessoais. É como [se fosse] sua estação de rádio”, disse Gannes.

"Para beneficiar a indústria como um todo, elaboramos juntos uma especificação aberta para feeds de notícias de tópico único", escreveu o Google em um post no blog anunciando a iniciativa. “Nós também temos trabalhado em estreita colaboração com as organizações de notícias” --incluindo a Associated Press, CBS local, e KQED-- “para desenvolver formas para uma alimentação de áudio agregada para servir como uma plataforma de descoberta para seus sites de operação”. O Google está agora à procura de mais organizações que enviem seus feeds de notícias de tópico único e experimentem a tecnologia.

Observadores veteranos de podcasting podem reconhecer parte do DNA desse novo esforço em alguns outros projetos recentes. A ideia de montar um feed móvel de notícias e segmentos individuais foi fundamental para a startup 60dB, lançada há dois anos como um “serviço de notícias curtas de alta qualidade”, com ênfase em "curtas". A conexão é genética: O Google contratou/adquiriu a equipe da 60dB, incluindo Gannes, há pouco mais de um ano, e esse é um produto sucessor. Na época, Nick Quah escreveu sobre o objetivo da 60dB, uma empresa iniciada por ex-funcionários da Netflix, bem como pelo veterano da NPR Stephen Henn:

A natureza da solução é dupla: (1) inaugurar um ambiente de criação de áudio no qual a unidade atômica de conteúdo não é um episódio individual (cujos comprimentos, como qualquer ouvinte de podcast pode dizer, variam muito), mas um pedaço curto, individual de notícia e (2) selecionar notícias apropriadas para cada ouvinte por meio de "personalização algorítmica"...

A vantagem teórica para os editores também é familiar: em teoria, essas peças de áudio de formato curto, se os editores decidirem produzi-las, serão (presumivelmente) consumidas por mais ouvintes como resultado dessas ineficiências resolvidas.

O outro antecedente claro do esforço do Google é o NPR One, o aplicativo popular da emissora pública que também relaciona notícias individuais em fluxos que podem ser personalizadas com base no comportamento do usuário. Cerca de 19 por cento do streaming do NPR agora passa por alto-falantes inteligentes, acima dos 4 por cento do ano anterior.

"Notícias de alto-falantes inteligentes não estão cumprindo a promessa que poderiam cumprir", Gannes me disse. “As redações são super espertas quando se trata de smart speakers, mas não necessariamente acham que têm os recursos de desenvolvimento para construir a coisa toda por si mesmas.” As organizações menores, por exemplo, podem não ter sido capazes de experimentar com voz por causa da infraestrutura e habilidade necessária para produzir áudio; a esperança é que, se o Google ajudar no lado da tecnologia, mais editoras poderão divulgar seu conteúdo.

O Google oferecerá aos editores participantes algumas análises --para começar, como e onde as pessoas estão ouvindo. Alguns anúncios também serão adicionados no futuro próximo. "Nosso compromisso com os editores participantes é que esperamos monetizar esse produto e apoiar seus métodos de monetização existentes", disse Maggie Shiels, porta-voz do Google.

Como o Google Notícias, esse empreendimento em áudio estará disponível para praticamente qualquer editor de notícias que possa trabalhar com o padrão aberto do Google e aderir aos padrões de conteúdo básicos (e vagos) do Google Notícias.

"Queremos equilibrar a inclusão com a garantia de que estamos entregando um produto de notícias reais e não algo que engane os usuários", disse Gannes. "Estamos equilibrando a personalização e dando às pessoas o que elas querem, considerando que este é um produto de notícias, por isso queremos dizer quais são as principais notícias do dia, com base no que as principais redações estão nos dizendo que são as grandes notícias do dia."


Este artigo foi publicado originalmente no NiemanLab e reproduzido na IJNet com permissão.

Imagem sob licença CC no Unsplash via Kevin Bhagat