Fundo de apoio a jornalista pode ser salvação para jornalistas em perigo

porRaju Narisetti
Dec 30, 2014 em Segurança do jornalista

Nos últimos 22 anos, 1.059 jornalistas foram mortos. No mundo todo, cerca de 430 jornalistas estão exilados de seus países de origem. Centenas de outros são agredidos, perseguidos, censurados e ameaçados, principalmente por governos e também por forças não-governamentais influentes, todos interessados em reprimir uma imprensa livre, sem medo. Grande parte disso acontece em países onde regimes autocráticos são a norma e a liberdade de imprensa é ignorada.

Enquanto isso, há muito se fala sobre tais ameaças, geralmente após o fato. Em dezembro, por exemplo, a ONU realizou uma das suas conferências habituais para falar sobre este problema, e tudo o que resultou foi um comunicado. O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ), um grupo sem fins lucrativos muito digno, oferece assistência de emergência através do seu Fundo Roberts Gene de Assistência de Emergência, que tem ajudado dezenas de jornalistas em perigo. Mas o CPJ faz isso no contexto maior de precisar de recursos levantados por doadores para a sua missão mais ampla de proteger e promover a liberdade de imprensa em todo o mundo.

Assim, a minha ideia é simples: criar um fundo de resgate para jornalistas.

Será um esforço global que vai oferecer jornalistas sob ameaça de uma opção de ser temporariamente colocado em faculdades de jornalismo de universidades de todo o mundo e em organizações de mídia dispostas a dar um lar profissional a curto prazo. Tal colocação vai permitir-lhes continuar a exercer o jornalismo sem temer por suas vidas, ou até mesmo adquirir novas habilidades em um ambiente seguro, até que um lar mais permanente seja encontrado de volta em seu país ou em outros lugares. Os parceiros de hospedagem para este programa serão universidades e organizações de notícias ao redor do mundo.

A ideia não é tão absurda quanto possa parecer à primeira vista. É baseada em minha exposição pessoal ao grande sucesso do Scholar Rescue Fund, que é gerido pelo International Institute of Education, sediado em Nova York -- uma organização de 93 anos, que também administra as bolsas Fulbright, entre outras coisas, e se concentra em abrir o acesso à educação dos Estados Unidos para os jovens de todo o mundo.

Durante os últimos 10 anos, o Scholar Rescue Fund colocou cerca de 500 acadêmicos, em sua maioria professores de 48 países, em universidades de outros países para que eles pudessem continuar seu trabalho sem medo. Estes professores eram todos considerados ameaças em seus países de origem, incluindo, mais recentemente, Irã, Iraque, Síria e Líbia, e muitas vezes alvo desses regimes. O programa é inteiramente financiado por doações e gerido pela IIE; começou com um pequeno número de filantropos visionários baseados em suas experiências familiares de perseguição.

O Scholar Rescue Fund tem feito um trabalho tremendamente impactante de uma maneira não controversa, trabalhando com muitos dos países onde tais estudiosos estão em risco. O Fundo alinhou universidades em 40 países, incluindo dezenas nos EUA, e dezenas de parceiros para ajudar a tornar o Rescue Scholar uma realidade. Há um monte de pesquisa documentando seu sucesso com alguns destaques aqui.

Um Fundo de Resgate de Jornalista, inspirado no Scholar Rescue Fund, seria baseado nas crenças mais profundas sobre os mercados livres e sociedades livres, o valor de uma imprensa livre, e o papel crescente da tecnologia na promoção de comunidades de jornalismo e trocas de ideias ao redor do mundo --todos em prol da livre expressão.

Um programa bem dotado, talvez administrado em conjunto por duas organizações sem fins lucrativos respeitadas em todo o mundo -- o Institute of International Education e o Centro Internacional para Jornalistas-- e que trabalhem em coordenação com o CPJ teria um impacto profundo, prático e imediato sobre a preservação das liberdades duramente adquiridas em muitos países, assegurando um legado que vai muito além das instituições individuais.

Eu acredito que um compromisso inicial significativo de cerca de 5 milhões de dólares poderia prever um financiamento inicial de uma década, com o objetivo de, em seguida, tornar o programa autossuficiente através de outros esforços de angariação de fundos.

Tem alguma filantropo aí disposto a ajudar a alavancar o que será um legado mundial duradouro de proteger os jornalistas?

Raju Narisetti é vice-presidente sênior para estratégia da News Corp. Ele é curador do Institute of International Education e membro do conselho do Centro Internacional para Jornalistas.

Este post foi publicado originalmente no Nieman Lab e é reproduzido na IJNet com permissão.

Imagem principal sob licença CC cortesia de Balazs Gardi