Freedom House: Liberdade de Imprensa cai ao nível mais baixo em uma década em 2010

porijnet_admin
May 2, 2011 em Jornalismo básico

A menor proporção da população mundial em mais de uma década – apenas uma em cada seis pessoas – tiveram acesso a uma imprensa livre em 2010, de acordo com o relatório anual divulgado na segunda feira pela Freedom House.

Houve algumas notícias positivas: o número de países onde a imprensa foi avaliada como livre, parcialmente livre ou não livre, permaneceu praticamente igual ao ano anterior, um sinal de que a década de deterioração na liberdade de imprensa deve estar se estabilizando. Mas, o declínio na liberdade de imprensa em vários países populosos – incluindo México, Tailândia e partes do Oriente Médio – fizeram com que o número geral de pessoas sem acesso a uma imprensa livre, aumentasse.

“A liberdade de imprensa está no seu nível mais baixo em mais de uma década”, disse David Kramer, Diretor Executivo da Freedom House, durante uma coletiva de imprensa que ocorreu no Newseum em Washington, D.C. durante as comemorações anuais do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa.

Ao todo, dos 196 países avaliados pela Freedom House, 68 foram avaliados como tendo uma imprensa livre, 65 como tendo uma imprensa parcialmente livre, e 63 como não tendo uma imprensa livre. Os 10 piores infratores, de acordo com o relatório, compõem uma lista que já nos é familiar: Belarus, Mianmar, Cuba, Guiné Equatorial, Irã, Líbia, Coréia do Norte, Turcomenistão e Uzbequistão.

Cinco países seguiram numa direção negativa em 2010, liderados por México e Honduras nas Américas, ambos os quais são agora avaliados pela Freedom House como não sendo livres. No México a intimidação e os assassinatos pelos cartéis de drogas foram à razão principal da mudança. Outros três países que pioraram em 2010 foram Egito, Coréia do Sul e Tailândia.

Os autores do relatório disseram que regulações restritas, violência e um controle ostensivo das mídias sociais foram às causas principais das mudanças negativas.

As mudanças nos status negativos foram parcialmente compensadas por melhorias na Guiné, Libéria, Moldova e Niger. Pequenas melhorias aconteceram também na Colômbia, Geórgia e Kyrgyzstão. Os autores do relatório também disseram esperar que os movimentos de protestos no Oriente Médio levem a mais melhorias em 2011. “Nós esperamos que essas mudanças positivas no início de 2011levem a mais mudanças positivas”, disse Karin Deutsch Karlekar, autora principal do relatório.

A Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) organiza as comemorações pelo Dia Mundial da Liberdade de Imprensa para celebrar os princípios fundamentais da liberdade de imprensa; defender a imprensa dos ataques à sua independência e pagar tributo aos jornalistas que perderam suas vidas no cumprimento do dever. Para maiores informações sobre a conferência global de 2011 do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa em Washington, D.C., acesse www.wpfd2011.org (em inglês).