Fotojornalista saudita desafia narrativas tradicionais

porTaylor Mulcahey
May 29, 2019 em Jornalismo multimídia
Primeiro torneio de basquete feminino em Jeddah

As mulheres na Arábia Saudita viram grandes mudanças em suas liberdades nos últimos dois anos. Graças a duas decisões marcantes no final de 2017, elas agora podem entrar em estádios esportivos e dirigir legalmente pela primeira vez.

Ao longo do caminho, a fotojornalista saudita Tasneem Alsultan conseguiu capturar esses momentos históricos em toda a sua glória.

Juntamente com a fotojornalista americana Mary Calvert, Alsultan foi reconhecida pela International Women’s Media Foundation como uma das duas menções honrosas para o Prêmio Anja Niedringhaus de Coragem ao Fotojornalismo. Eloisa Lopez, fotojornalista filipina que foca seu trabalho em mulheres e religião, recebeu a maior honra.

"Estou muito empolgada porque este ano acho que nós três estamos baseadas em nossos países", diz Alsultan. “Eloisa é jovem e é nova na indústria. É uma grande mudança no que estamos acostumados a ver.

Criada na Arábia Saudita, Alsultan começou seu trabalho em fotografia documentando casamentos. “Sempre me interessei por normas sociais que ninguém tinha acesso antes”, diz ela.

Hoje, Alsultan é uma documentarista respeitada, focada em questões sociais, direitos humanos e gênero para publicações como National Geographic e New York Times. Ela considera sua capacidade de acessar espaços que os homens não podem, assim como seu desejo de contar histórias sauditas que acrescentam nuances às narrativas dominantes sobre o país, como diferenciais no seu trabalho.

“Por ser daqui, me importo muito com as histórias que abordo e tento manter pessoas diferentes interessadas nas histórias que vêm da Arábia Saudita e dos países vizinhos”, diz ela.

A IJNet conversou com Alsultan para entender melhor o que motiva o trabalho dela, as histórias que a interessam e como é ser uma fotojornalista na Arábia Saudita.

IJNet: O que significa para você ser uma mulher cobrindo esses eventos históricos: mulheres dirigindo pela primeira vez ou indo a estádios?

Alsultan: É ótimo. Acho que é muito importante. Sempre sinto que tem que ter algum envolvimento emocional e interesse para contar essa história, porque se não há nada em comum [entre você e seus entrevistados], então você simplesmente não se importa. Se eles são do meu país ou de outro, se há algo comum ou algo compartilhado, então você sente essa proteção sobre eles, sente que esta é uma história muito forte e importante.

Essas histórias são realmente importantes. Essas pessoas estão me dando tudo para compartilhar com o resto do mundo, então eu tenho que honrá-las.

Olhando o seu Instagram, notei que você tem muitas fotos de casamentos. Pode falar um pouco sobre isso?

Sim. É um projeto em andamento, "Saudi Tales of Love". Começou inicialmente com o meu trabalho de casamentos porque eu me divorciei na época em que esse projeto me veio à mente. Como fotógrafa de casamento bem-sucedida e divorciada, o que mais posso mostrar? Nós todos nos apaixonamos da mesma maneira em todo o mundo. Isso não é apenas específico para a Arábia Saudita.

Assim que eu compartilhei no Instagram, tive pessoas dizendo: "Oh, meu Deus, é como a nossa história" ou "Eu gostaria de conhecer um homem como este". É lindo que eu possa conectar pessoas de todo o mundo, mesmo que a história seja tão diferente da deles, porque são da Arábia Saudita.

Então pensei: “E as pessoas que nunca se casaram?”. “E as pessoas que são viúvas?” “E as pessoas que são divorciadas?” “E se ela se divorciou e se casou?” Todas essas outras histórias diferentes — eu sentia que, por mais que sejam universais, são muito específicas para as mulheres sauditas. Nós temos muitos obstáculos que nenhuma outra mulher pode sofrer, então eu preciso ser ativa em perseguir isso e compartilhar como são importantes.

Saudi wedding
O casal saudita casal Mai e Wayel, fotografado por Alsultan no dia do casamento.

Poderia me contar um pouco sobre Rawiya, o coletivo de fotografia feminina, do qual você é membro?

O Rawiya começou com apenas fotógrafas mulheres. No ano passado, fizemos um projeto chamado "Nós não escolhemos nossos ditadores". Foi exibido na Malásia e nos EUA, em Fort Worth, Texas.

O Oriente Médio é comumente conhecido por muita turbulência e conflito -- e tudo é muito negativo. Mas, ao mesmo tempo, nenhum de nós decide como pessoas quem nos governam. Considerando que nos EUA, foi Trump, e ele foi votado pelo povo. Ele passou a implementar muitas decisões diferentes que ninguém agora aceita, mas elas o fazem porque ele é o presidente. Queríamos esclarecer [o fato de que] no Oriente Médio, não escolhemos nossos ditadores e não escolhemos nossos governantes, mas vocês nos EUA tiveram uma oportunidade e a oportunidade de consertar isso e não escolheram. Então, qual é o problema e como consertamos isso?

Também usamos esse coletivo para dizer "Ei, as mulheres realmente têm mais acesso do que os fotógrafos masculinos". Podemos encontrar narrativas que um homem não pode da mesma maneira. Podemos ter acesso muito mais íntimo e, até recentemente, quando havia bancos de dados de fotógrafos para mulheres, as pessoas não sabiam como alcançar fotógrafas do sexo feminino, especialmente na região do Oriente Médio.

A sociedade geralmente espera que um homem tenha um emprego de verdade, como engenheiro, um trabalho de negócios ou algo que tenha um salário fixo. As mulheres não, por isso temos a liberdade de ser freelancers porque não temos que ter um emprego de escritório como os homens.

Você foi treinada em fotojornalismo ou como fotógrafa?

Não, e é por isso que eu estou sempre dizendo que qualquer um pode ser algo que nunca pensou que tivesse a chance de ser. Fui informada por pessoas que eu nunca seria uma boa fotógrafa, e que eu deveria desistir quando comecei, e eu continuei fazendo isso.

Eu sou apenas alguém que é muito apaixonada pelo que faz. Eu não paro de fotografar. Eu sempre acho que estou com pressa para documentar e coletar o máximo de imagens do meu país quanto possível. Não há o suficiente. Somos apenas 22 milhões neste país e nunca tivemos um banco de dados para compartilhar todas as nossas histórias. Nós só fomos fotografadas por homens ou pessoas de fora, como mulheres estrangeiras.

Talvez em 20 anos eu possa dizer: “Ei, a comunidade LGBT, por exemplo, existia na Arábia Saudita no ano de 2018” ou “Você sabia que havia mulheres dirigindo caminhões mesmo antes de removerem a proibição de motoristas do sexo feminino? ”Eu tenho essas imagens. Eu posso dizer que existiu. Sem isso, é nada. Não há provas.

Women driving in Saudi Arabia
A saudita Doaa Bassem, fotografada por Alsultan, enquanto celebrava o fim da proibição às mulheres motoristas na Arábia Saudita.

Que tipo de histórias você pode contar com uma câmera que não pode necessariamente dizer através de palavras?

Quando eu fotografo, estou compartilhando com alguém que pode ser analfabeto, que não fala a mesma língua que escreve em legendas, e ainda podem sentir uma emoção que estou tentando transmitir. Podem sentir felicidade ou tristeza. Podem começar a pensar: "Por que elas estão todas felizes?" É porque participaram de seu primeiro jogo de basquete ou foi a primeira vez que seguraram um volante que sentaram para dirigir.

Todas essas emoções não precisam de uma legenda às vezes. Não precisa de uma história: pode ser compartilhada com qualquer pessoa em todo o mundo. Tem uma audiência enorme que a escrita nem sempre tem.


Essa entrevista foi editada e traduzida.

Os créditos das imagens são de Tasneem Alsultan.

A principal imagem foi tirada durante o primeiro torneio de basquete feminino em Jeddah, na Arábia Saudita, após uma decisão permitindo que as mulheres entrassem em estádios.