Erros e acertos ao cobrir arte indígena

porJarrette Werk and Jaida Grey Eagle
Nov 26, 2019 em Diversidade
Norval Morrisseau: Artista e Xamã entre Dois Mundos

A arte indígena tem sido, e continua sendo, negligenciada e incompreendida por grande parte da sociedade atual. A arte indígena carrega gerações de conhecimento, cosmologias, história e relatos familiares e tribais. É responsabilidade do jornalista informar de maneira precisa e justa.

“Artistas indígenas são artistas cujo trabalho vem de suas experiências pessoais. Portanto, sua identidade indígena faz parte disso”, disse Dyani White Hawk, Sicangu Lakota, artista contemporânea e curadora. "Eles também são pessoas que vivem neste país como qualquer outro artista, e suas identidades são complexas e interseccionais. Todas essas experiências de vida influenciam o trabalho que eles fazem."

White Hawk foi uma das quatro palestrantes da sessão “Reportagem sobre arte indígena” durante a Conferência Nacional de Mídia Indígena de 2019, realizada no Cassino Mystic Lake, em Prior Lake Minnesota.

Abaixo está uma lista de práticas recomendadas para jornalistas de todas as origens que reportam sobre trabalhos de arte indígena. Seja o elemento central da história ou um pequeno detalhe, revise essas diretrizes antes de publicar.

Acertos

  1. Use a identidade tribal precisa, em vez do termo geral "indígena". Quando o uso for amplo e você estiver se referindo a povos indígenas de todo o continente, use "indígena" (como acabamos de fazer). No entanto, se você estiver falando de uma peça ou artista específico, consulte a afiliação tribal específica. Exemplo: "escultura haida" em vez de "escultura indígena".
  2. Faça sua pesquisa. Certifique-se de entender o artista, a obra de arte que ele cria e as histórias que estão por trás dela. Qual é a melhor maneira de descobrir? Pergunte.
  3. Posicione as obras de arte indígenas dentro da comunidade artística maior, não separadamente. Recentemente, no Instituto de Arte de Minneapolis, as curadoras Terri Greeves e Jill Ahlberg Yohe fizeram a curadoria de “Hearts of Our People”, a primeira grande exposição de arte composta por mais de 115 mulheres artistas indígenas.
  4. Reconheça que as histórias se entrelaçam ao longo do tempo e se influenciaram nas obras de arte indígenas.
  5. Note que artistas indígenas estão a par com outros artistas famosos da mídia e devem ser tratados como tal. George Morrison (Chippewa), Jack Mallotte (Shoshone), Wendy Red Star (Crow), Dyani White Hawk (Sicangu Lakota) e Geo Neptune (Passamaquoddy) são alguns artistas notáveis causando impacto no mundo da arte.
  6. Reconheça o fato de os artistas indígenas historicamente não receberam o reconhecimento devido ao seu trabalho.

Erros

  1. Não romantize a arte indígena, concentrando-se apenas na arte estereotipada. Artistas indígenas englobam todos os caminhos da arte. Em qualquer meio, existe um artista indígena criando trabalhos.
  2. Não restrinja a arte indígena ao conceito de passado. Os artistas indígenas não estão apenas pintando animais, mas estão criando arte significativa e impactante.
  3. Não se refira a alguém como descendente de seus ancestrais, a menos que eles lhe digam especificamente o contrário. Em vez disso, consulte-os como um membro ou cidadão tribal. Quando você se refere a alguém como descendente de uma nação, está desvalorizando a validade da experiência vivida como cidadão tribal.
  4. Não chame obras de arte indígenas de “artesanato”. As obras de arte indígenas requerem conhecimentos e habilidades da mesma maneira que a arte em geral, e devem ser vistas e avaliadas da mesma maneira.
  5. Não crie uma dicotomia entre tradicional e contemporânea. Oscar Howe (Yanktonai Dakota), foi um artista indígena durante grande parte do século 20. De acordo com a Universidade Estadual da Dakota do Sul, “Howe estava na vanguarda de sua geração na exploração de maneiras de romper com os estereótipos impostos aos artistas indígenas e buscar formas contemporâneas de comunicar valores e ideias indígenas”. Em uma carta aos jurados de arte indígena de Philbrook, Howe escreveu: "Quem disse que minhas pinturas não são do estilo tradicional indígna, tem pouco conhecimento da arte indígena. Há muito mais na arte indígena do que fotos bonitas e estilizadas. Havia também poder, força e individualismo (insight emocional e intelectual) nas antigas pinturas indígenas. Tudo nas minhas pinturas é um fato verdadeiro e estudado das pinturas indígenas... A arte indígena pode competir com qualquer arte do mundo, mas não como arte reprimida."

"Eu realmente aconselharia que os jornalistas permitissem que os artistas indígenas revisassem suas matérias antes de serem publicadas", disse White Hawk. "Sei que não é uma prática normal do ofício, mas, como há uma enorme lacuna de entendimento, sinto que esse trabalho extra é feito para garantir que as matérias sejam feitas corretamente."

Quando uma obra de arte é mal interpretada e, em seguida, uma história é publicada, ela perpetua ainda mais os estereótipos e continua a falta de valor e reconhecimento das comunidades tribais.

Exemplos positivos de cobertura da arte indígena:

  • Em uma matéria para a publicação de arte contemporânea Hyperallergic, a autora desconstrói tentativas de impor sistemas de valores de “belas artes” aos artistas indígenas.
  • O autor desta matéria, publicado na Vogue, explora o entrelaçamento da cultura e história na arte das mulheres indígenas.

A imagem principal mostra a pintura do artista Anishinaabe Norval Morrisseau, "Artista e xamã entre dois mundos", 1980, em exibição na Galeria Nacional do Canadá, Ottawa. Imagem sob licença CC no Flickr via joanne clifford.