Em Busca de Idéias

por
Jun 27, 2008 em Jornalismo básico

por Edem Djokotoe

1. Introdução

Os repórteres e os escritores que trabalham em jornais e revistas ganham seu pão diário pela sua reportagem e redação. Eles contribuem à máquina editorial submetendo idéias que são eventualmente discutidas, desenvolvidas, pesquisadas, relatadas e escritas para a publicação. O número de idéias que um jornalista submete por dia ou por semana depende do tipo de publicação, do tamanho da equipe de funcionários e da freqüência de sua publicação.

Uma das maiores dores de cabeça que jovens repórteres e escritores encaram é como gerar, regularmente, idéias que serão desenvolvidas eventualmente em produtos editoriais tangíveis -- idéias que seus editores não rejeitarão. Eu sei muito bem sobre isto porque eu sou constantemente cercada por antigos estudantes e por colegas na mídia por idéias. Queixam-se que após um tempo suas idéias acabam. Aqui, eu estou falando sobre idéias interessantes, noticiosas, tópicas, controversas, significativas que tratam de assuntos que preocupam as pessoas, interessam-nos, preocupam-nos, divertem-nos, dão-lhes noites sem sono e dias agonizantes Idéias que vendem, em outras palavras.

Eu não penso que as idéias são tão difíceis de gerar e eu digo isto toda a hora. Eu já disse que os únicos que não podem ter uma idéia são os mortos. Ao menos, eles têm uma desculpa. Afinal das contas, seus cérebros pararam de trabalhar quando morreram. É por isso que eu não , como uma matéria de princípio, entrego de bandeja idéias para as pessoas.

Como eu disse, idéias não são difíceis de gerar, especialmente se você tem um cérebro. Todo dia, nós vemos, ouvimos e experimentamos coisas que nos chocam. Nós lemos sobre coisas que nos estimulam ou nos perturbam. Nossa curiosidade é intrigada por muito do que nós vemos, ouvimos e experimentamos.

Mas muito freqüentemente, os jornalistas não imaginam que estas experiências têm um potencial editorial. Mesmo quando é o caso, sua abordagem a estas experiências é unidimensional e sem imaginação.

2. Gerando Idéias: Visão contra Percepção

Em minha opinião, as idéias vêm às mentes receptivas. Mentes que conseguem pensar além do óbvio. Lembre-se de que quando Isaac Newton se sentou sob uma árvore e viu uma maçã cair, depois formulando uma idéia que se tornou mais tarde conhecida como a Lei da Gravidade, ele estava preparado mentalmente para essa experiência. Muitas pessoas antes dele viram maçãs cairem das árvores, mas somente Newton viu além do evento óbvio e enriqueceu o mundo com a claridade de sua visão. Eu acredito que os jornalistas podem fazer o mesmo.

Quando pensamosw sobre ela, NÃO CONSEGUIMOS idéias; nós as RECONHECEMOS. E nós reconhecemos idéias trabalháveis porque nós percebemos em vez de vermos coisas. Jornalistas devem perceber em vez de ver. Ver, pelo que eu sei, é uma ação de reflexo. Nós vemos porque nós temos olhos. Quando nós percebemos, nós pensamos sobre o que nós vemos e formulamos impressões. Estas impressões podem ser convertidas em produtos editoriais tangíveis, uma vez que foram experimentadas, pesquisadas e investigadas.

Para gerar idéias, os jornalistas devem:

• observar

• perceber

• formar impressões

• conceitualizar

• contextuallizar

• pesquisar

• investigar

• relatar

• editorializar

Desta maneira, eles são capazes de fazer uma progressão lógica do que vêem, percebem, o que sabem que podem descobrir e provar – pelo interesse público.

2 De acordo com James Heffernan e John Lincoln, uma vez que você escolheu um tópico, você pode começar a descobrir suas possibilidades editoriais "pela visão tripla --ou vendo-o em três maneiras diferentes: como uma partícula, como uma onda e como a parte de um campo ". Escrevem em seu livro, Escrevendo: Uma Faculdade Manual (1982):

Ver um tópico como uma partícula é como vê-la por si só, contida nela própria e fixada, isolada para um escrutínio especial… Ver o tópico como uma onda é ver como se fizesse parte de um processo, perguntar como aconteceu seu desenvolvimento no tempo e – se o tópico é uma situação ou evento histórico – o que resultou dele... Ver o tópico como parte de um campo é considerar sua relação com outros tópicos que o cercam.

Quanto mais que você vê idéias desta maneira, mais multidimensional sua abordagem é. Não somente isso. Mais perguntas que você levanta, mais você começa a penetrar seu tópico.

Deixe-me trabalhar em um exemplo tangível.

Desde que, Lusaka foi morto por um assassino em série cujo modus operandi é golpear pessoas à morte, a imprensa tem relatado os horríveis achados pelas polícias e como o homem iludiu a prisão. Em um artigo do Times of Zambia (8 de fevereiro de1999), Sam Ngoma fornece uma impressão artística do assassino em série, assim como o testemunho das testemunhas e daqueles em luto pelos assassinatos terríveis que a polícia lhe atribuiu. For a isto, há muito pouco.

Agora, se nós tivéssemos que triplicar os pontos de vista no tópico do assassino em série, nós precisaríamos vê-lo enquanto partícula -- como uma série de assassinatos cometidos por alguém ou algumas pessoas que são obviamente perturbadas.

Mas mesmo assim, nós precisamos ser cientes da possibilidade que poderia haver outros pessoas imitando o estilo de um determinado criminoso para tirar a atenção deles próprios. Houve casos conhecidos de assassinatos imitados. Por exemplo, havia Jack o estripador, então o estripador de Yorkshire no Reino Unido.

Seria necessário estabelecer matanças em série como um fenômeno criminológico que emerge de vez em quando. Lá nos 1980s, havia o Estrangulador de Lusaka. Que tipo de ambiente social produz assassinos em série? Por que de vez em quando, emergem e deixam uma trilha de corpos no seu caminho? Há uma escola de pensamento sociológico que discute que os criminosos nascem assim, e que as tendências criminais são hereditárias. Outros discutem que os criminosos são gerados por circunstâncias socioeconômicas.

3 É essencial que os jornalistas que relatam assuntos sejam familiares com as teorias, os estudos, os resultados e casos de estudo em torno de um assunto. A pesquisa ajuda no processo do fortalecimento intelectual e jornalístico

A matança em série, pelo que eu sei, foi estudada extensivamente por psicólogos e por psiquiatras.

Uma coisa que eu sei é que na Europa e Estados Unidos, psicólogos policiais podem estabelecer um perfil psicológico de suspeitos por assassinatos em série com base em seus métodos de marca registrada. Com as informações junta, a polícia pode saber que tipo de indivíduo está procurando, como ele provavelmente reagirá sob pressão ou quando ele ou ela se tornará ciente da intervenção policial.

Há muito para aprender da perícia de pessoas como o professor russo, Aleksandr Bukhanovsky que fez uma pesquisa extensiva sobre os assassinos em série que pegou com sucesso e condenou. Bukhanovsky vem da cidade sulista russa de Rostov on Don onde 29 assassinos e estupros em série foram presos nos últimos 10 anos.

Newsweek (25 de janeiro de 1999) descreve Rostov como a capital do assassinato em série no mundo por causa das estatísticas citadas acima. Em uma reportagem intitulada "A cidade dos Mortos", Owen Matthews da Newsweek traça o legado terrível da cidade de volta para 1978 quando Andrei Chikatilo, conhecido como o estripador de Rostov, perseguiu a área. Daquela época a 1991 quando foi preso, Chikatilo matou e canibalizou 56 pessoas.

Foi o professor Bukhanovsky que forneceu o perfil psicológico do Estripador de Rostov que conduziu a polícia a capturá-lo finalmente. Inicialmente, as autoridades ignoraram seus achados até que Chikatilo foi finalmente preso e o perfil do professor foi comprovado.

Com base em registros e estudos de casos psicológicos, os assassinos potenciais podem ser identificados antes que assassinem realmente qualquer um? Por enquanto, Bukhanovsky está andando em uma linha fina entre ética médica e a lei, tratando confessos assassinos em série que não estão sob custódia da polícia. Um de seus pacientes lhe foi trazido por seus próprios pais depois que começou a exibir no ano passado um comportamento violento e anti-social.

O ponto que eu estou tentando fazer com este exemplo longo é que por pontos de vista triplos, nós como jornalistas podemos estender sua visão marginal além do óbvio. Assuntos tais como considerações éticas sobre a abordagem de Bukhanovsky em psiquiatria se tornam importantes de investigar porque nós provavelmente os confrontarems em nossas transações com nossos próprios assassinos em série. Os assassinos em série são perturbados mentalmente? Se forem, devem ser processados, condenados e mantidos ou admitidos a um hospital para tratamento psiquiátrico?

4 Em resumo, o que pode ter parecido uma tarefa rotineira sobre o assassino em série de Lusaka poderia explorar criminologia, psicologia, a lei, e ética médica, e obter opiniões de especialistas e cidadãos comuns. Obviamente, tal reportagem é provavelmente mais compreensiva do que o artigo escrito por Samuel Ngoma.

3. De onde vêm as idéias?

Em toda parte. Se você for um repórter de um departamento, você está limitado aos perímetros de uma instituição. Por exemplo, a Joy aqui cobre tribunais há muito tempo. Suas tarefas editoriais são definidas e determinadas pelo que está acontecendo no tribunal, nada mais. Se ela tiver que ser criativa, tem que ver além dos casos reais e perceber tendências de determinados crimes e desenvolver hipóteses baseadas nestes e seguir estes de uma perspectiva para uma matéria do tipo ”feature.”

Neste momento, eu quero mudar das fontes de "idéias" institutionais para os tipos de fontes mais interativos e mais experimentais. Geralmente falando, idéias vém para nós da:

• mídia local.

• experiência

• observação.

• ficção.

• história: versões não oficiais contra oficiais

• interação conversacional e intelectual com outros.

• sistemas de valores culturais e religiosos e socialização

• fontes "estrangeiras", tais como publicações estrangeiras etc.

4. Pré-testando Idéias para seu Emprego

O que pode parecer uma boa idéia de matéria a um repórter novato ou a um escritor pode não sobreviver a examinação próxima de um editor durão ou a alguém com uma mente muito crítica. É por isso que é importante para jornalistas pré-testar as idéias que querem seguir. Pré-testar, simplesmente dito, é o processo de avaliar se uma idéia fará um sentido editorial, é capaz de ser e será, na análise final interessante aos leitores.

5 Para mim, pré testagem envolve me perguntar um número de questões.

A idéia é vaga demais? Muitas vezes, repórteres novatos e escritores caem na armadilha de escrever sobre assuntos que são gerais demais ou vagos demais para ser desenvolvidos precisamente. Por exemplo, um estudante veio até mim um dia e disse que queria escrever um artigo sobre religião. Eu lhe diss que religião era um tópico amplo demais a tratar em, digamos 1.000 palavras -- o comprimento médio de um artigo. Eu sugeri que restringesse o assunto a algo mais preciso e específico. Religião, eu disse, inclui centenas de sistemas esótericos de crenças, de hinduismo, a vodu ao animismo) poderia ser restringido a algo muito menor. Mesmo o cristianismo tem muitas denominações incontáveis, as diferenças entre elas sendo uma fonte de conflito e desacordos principais. Com o motivo de um artigo que focalize em uma coisa única, específica, por que não enfoca nos ministérios evangélicos do tipo dos Últimos Dias que parecem crescer rapidamente diariamente? De fato, nós poderíamos ir uma etapa a mais e restringí-lo para focalizar somente no aspecto do televangelismo no Zâmbia. Observe como eu torno uma idéia ampla e sem forma em algo definitivo e mais focalizado. Isso é como eu espero que jornalistas pensem. Quando vocês se tornam editores, vocês devem poder ajudar a repórteres novatos a atravessar este processo de limitação a fazer idéias mais praticáveis.

É capaz de ser desenvolvido? A menos que uma idéia tenha espaço para desenvolvimento e pesquisa, um repórter estaria desperdiçando o tempo valioso tratando de assuntos intangíveis.

É a idéia fresca? O jornalismo não tem nenhum lugar para idéias velhas e batidas -- sobre coisas que nós lemos repetidamente. Naturalmente, o mundo como nós conhecemos é eterno, significando que não há virtualmente nenhuma coisa nova que vale a pena ser escrita. O que traz o frescor às idéias de outra maneira velhas é a abordagem, a maneira em que o assunto é percebido e desenvolvido. No mês passado, eu escrevi sobre a punição corporal nas escolas, usando a morte de um menino da escola que foi chicoteado 11 vezes por um professor em Kamanga como atração de notícia. Olhando minha própria experiência como um criança em idade escolar e as experiências de outros, eu pude transmitir a dor que estudantes têm que resistir em nome da disciplina e fazer perguntas sobre direitos das crianças, sobre direitos humanos. Ajudaria ao repórter descobrir como a idéia foi tratada no passado, para dar a ele/ela alguma sugestão em como abordá-la em um ângulo novo.

• Interessará aos leitores? A melhor maneira para descobrir como as idéias são viáveis e se interessarão aos leitores é desenvolver um hábito de testá-las informalmente através de conversação e interação com outros. Note como as pessoas respondem e reagem aos assuntos que você introduz na conversação. Na minha experiência, eu sei qual idéia terá algum interesse e causará controvérsia por causa das vibrações que eu obtenho quando eu a lanço durante uma conversação e testo o que as pessoas sentem sobre ela. A extensão de sua emoção e a força de sua reação é um teste indicador para que eu persiga uma idéia. Na África, sexo é um assunto sagrado, algo que as pessoas escolhem não discutir publicamente. Mas se você for tão observador quanto eu sou, você notará camisinhas usadas nos mais estranhos lugares. Nos arbustos, nos bancos traseiros dos carros, em calçadas e ruelas da cidade etc.. O que isso lhe diz?

Uma outra maneira é obter suas idéias do que você ouve as pessoas falarem. Na maioria dos fins de semana, eu gosto de andar de micro-ônibus na cidade. Eu escuto as conversações não tanto porque eu gosto de escutar as conversações das pessoas mas porque as pessoas são excepcionalmente comunicativas (e falam alto!) no ônibus. A mesma coisa acontece nas publicações. Quando você desenvolve esta capacidade, você começa a apreciar um fato básico sobre a psicologia dos leitores, da audiência da mídia: as pessoas lêem somente o que podem se identificar e se relacionar porque isto é uma medida de sua humanidade.

5. Em Busca de Idéias: Uma Palavra Final

Quando eu vasculho pelos meus arquivos e minhas gavetas, há muitos artigos cortados que eu mantive pelos anos. A maioria que eu mantenho é artigos que causaram uma impressão durável em mim ou por causa da maneira em que o sujeito da matéria foi tratado ou por causa da maneira peculiar em que foi escrita.

Isto diz muito sobre a quantidade de criatividade que entra em conceber a idéia que se transforma eventualmente em um produto editorial que as pessoas lêem. Eu quero acreditar que nós todos a temos dentro de nós para criar aquelas idéias que se transformam em artigos que viverão depois de nós.

REFERÊNCIAS

1. James Heffernan and John Lincoln, Writing: A College Handbook. (1982).

2. Brendan Henessy, Writing Feature Articles :A Practical Guide to Methods and Markets. (1990). 8

por Edem Djokotoe para um curso de Estilização, Pesquisa e Redação Avançada em Jornal realizado em ZAMCOM de 19 a 30 de junho de 2000