Dicas e recursos de saúde mental para jornalistas

porKatya Podkovyroff Lewis
Apr 8, 2020 em Temas especializados
Rostos

Jornalistas estão na linha de frente de alguns dos eventos mais desafiadores do mundo, desde cenas de crimes e acidentes de trânsito a desastres naturais e guerras. Agora, jornalistas de todo o mundo estão trabalhando horas extras para cobrir a pandemia de COVID-19.

A cobertura dessas notícias, sejam grandes histórias internacionais ou eventos muito mais próximos de casa, pode ter um impacto sobre quem faz a reportagem, levando a problemas como transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) em alguns casos, mas com maior probabilidade de ansiedade, estresse e esgotamento.

Meses atrás, na IJNet, discutimos a necessidade de aprofundar esse tópico com mais matérias e recursos. Nunca poderíamos ter previsto o quão necessário seria agora no meio de uma crise global de saúde que afeta a todos, não importa onde eles morem ou que editoria cobrem.

Decidimos iniciar essa conversa com um webinário sobre saúde mental de jornalistas, com Bruce Shapiro, diretor executivo do Centro Dart para Jornalismo e Trauma na Universidade Columbia; e Sherry Ricchiardi, Ph.D., coautora do guia de cobertura de desastres e crises do ICFJ e instrutora de mídia internacional que trabalhou com jornalistas de todo o mundo em reportagem de conflitos, trauma e questões de segurança. O webinário foi moderado pela editora da IJNet, Taylor Mulcahey.

Shapiro e Ricchiardi ofereceram um briefing sobre trauma e jornalismo, com dicas para apoiar sua saúde mental, entrevistar vítimas de trauma e incentivar um melhor apoio à saúde mental na redação.

 

Dicas sobre como os jornalistas podem lidar com sua própria saúde mental:

(1) Lembre-se de que você não é imune ao impacto emocional

"Somos os socorristas", disse Ricchiardi. Quando há problemas, outros podem fugir de uma cena, mas os jornalistas correm em direção a ela. Para se manter resiliente e eficaz, é importante lembrar que o estresse pode se acumular por períodos de tempo.

"Essa pandemia [COVID-19] nos desafiará, desafiará tanto nossas capacidades de trabalho quanto pessoais", disse Shapiro. "Somos, por definição, profissionais que enfrentam trauma."

Manter-se atento à sua própria saúde emocional, e não ignorar os sinais de que precisa de apoio, permitirá identificar quaisquer problemas que surjam e gerenciá-los adequadamente.

(2) Conheça seus sinais

"Precisamos saber pensar em como lidamos bem com as coisas e como não lidamos", disse Shapiro.

Todo mundo tem velhos hábitos ruins, pontos fortes e vulnerabilidades pré-existentes. Shapiro sugeriu anotar tudo isso e usá-los para fazer um plano de como lidar durante uma crise --como a que estamos enfrentando agora-- ou ao reportar sobre tópicos traumáticos.

(3) Achate sua curva de estresse empregando tempo de inatividade

Agora todo mundo já deve ter ouvido falar sobre "achatar a curva" da pandemia de COVID-19, mas Shapiro disse que também há uma curva semelhante para medir a quantidade de estresse que os jornalistas enfrentam. Embora uma certa quantidade de estresse seja saudável e motivadora, como prazos iminentes, muito estresse pode levar a quedas de energia, falhas ou esgotamento.

"O achatamento da curva de estresse aumentará bastante nossa capacidade de funcionar efetivamente profissionalmente e nossa capacidade de lidar psicologicamente bem", disse Shapiro. “Um jornalista resiliente está bem descansado. Você precisa dormir. Você precisa de tempo de inatividade."

Permita-se um tempo de inatividade quando não estiver trabalhando, o que pode ser mais difícil para quem trabalha remotamente. "Planeje com antecedência o final do seu dia de trabalho, como se estivesse na redação", disse Ricchiardi. Isso é realmente importante. Defina um horário estrito para o horário de trabalho e cumpra-o.”

O ciclo de notícias de 24 horas é um desafio que muitos jornalistas reconheceram como um fator que contribui para o estresse, mas planejar algo agradável de se esperar no final da jornada de trabalho pode aliviar esse estresse.

"Penso que quando terminaro dia hoje, vou cozinhar uma ótima refeição, vou encontrar um filme na Netflix, vou dar uma volta, seja lá o que for", disse Ricchiardi. "O principal é sair do modo de trabalho."

Programe seu dia para ter pausas curtas e faça pausas inesperadas para permitir uma pausa de 10 a 15 minutos.

"Você precisa de recuperação interna, acalmando-se biologicamente e recuperação externa, uma mudança nas tarefas e uma mudança na atmosfera", disse Shapiro. "Seu cérebro precisa que isso funcione."

(4) Crie um plano de autocuidado com limites assertivos

Especialmente ao trabalhar remotamente, Shapiro enfatiza a necessidade de um plano de autocuidado. Talvez isso signifique ioga, exercício ou meditação.

Outra sugestão é manter uma lista do que você realizou ao longo do dia, o que fornece um certo nível de controle. Em um momento em que temos tão pouco controle sobre o que está acontecendo no mundo, pequenos passos como esse podem ajudar a superar sentimentos de desamparo.

“Este também é um bom momento para manter um diário de trabalho. Isso é algo que acho que muitos psicólogos diriam ser muito útil agora, porque podemos ver nossas realizações no final do dia”, disse Shapiro.

E você não precisa fazer nada sozinho. "Podemos cuidar bem de nós mesmos, com uma pequena ajuda de nossos amigos", disse Ricchiardi. Informar seus amigos ou colegas próximos sobre o que está acontecendo em sua vida também pode aliviar um pouco o estresse.

Finalmente, Shapiro e Ricchiardi disseram se afastar da tecnologia. Aplicativos como o Twitter e o Facebook são um fluxo constante de informações e, embora a rolagem infinita possa parecer irracional, é essencial criar limites assertivos com a mídia e a tecnologia sociais.

"Precisamos comandar nossos dispositivos e não ter nossos dispositivos nos comandando", disse Shapiro. "Saia deles uma hora antes de dormir para que seu cérebro possa se acalmar ou planeje bloqueios gratuitos de dispositivos durante o seu dia."

Dicas para entrevistar vítimas de eventos traumáticos:

Jornalistas precisam considerar sua própria saúde mental, mas também a saúde mental de suas fontes. Enquanto Ricchiardi e Shaprio cobriram dicas pessoais, eles também deram conselhos sobre como entrevistar vítimas de eventos traumáticos.

Ricchiardi conversou recentemente com Hannah Dreier, repórter da ProPublica que ganhou o Prêmio Pulitzer no ano passado por seu trabalho sobre o MS-13 e o impacto do crime organizado nas famílias de imigrantes em Long Island, Nova York.

"Pedi que ela nos desse algumas dicas, algumas práticas recomendadas sobre como ela trabalhava com pais  que sofreram a perda de seus filhos por assassinato", disse Ricchiardi.

(1) Deixe a fonte ter o maior controle possível sobre a entrevista

Deixe-os contar sua história com suas próprias palavras e dê controle às pessoas que estão em crise. Permita que eles façam a entrevista no seu próprio ritmo e reconheça que pode demorar, mas você pode voltar mais tarde.

(2) Segurança primeiro

Encontre um lugar seguro e um tempo seguro para entrevistá-los.

"Uma vez, [Dreier] entrevistou uma mãe de noite, e a mãe disse: 'Espere aí, tive pesadelos a noite toda por causa da nossa conversa", disse Ricchiardi. Dreier respondeu concordando em fazer as entrevistas apenas durante o dia, para evitar adicionar estresse e trauma adicionais.

(3) Explique às suas fontes por que você está fazendo perguntas difíceis

Quando você está conversando com vítimas ou famílias em luto, elas precisam saber por que devem contar suas histórias, especialmente quando isso faz com que elas revivam experiências traumáticas. Transparência e sensibilidade são fundamentais.

O papel das redações na defesa da saúde mental de seus repórteres:

(1) Criar protocolos de saúde mental

Assim como existem protocolos de segurança na redação, os jornalistas devem receber apoio à saúde mental, que começa no topo, disse Ricchiardi.

"Eu posso começar por baixo, treinando os jornalistas, mas, eventualmente, tem que ir ao topo para eles [os chefes] endossarem", disse ela. 

(2) Nomear um comitê de saúde mental para a redação

Às vezes, a gerência não cria seu próprio conjunto de diretrizes, mas os jornalistas ainda podem avançar para liderar a iniciativa. Ricchiardi disse que a criação de um comitê de saúde mental não requer influência gerencial direta e oferece aos repórteres a capacidade de fazer sua própria pesquisa sobre os recursos disponíveis e estabelecer um conjunto de diretrizes a serem apresentadas à administração.

Isso também dá aos repórteres liberdade sobre como eles querem trabalhar e incentiva mais jornalistas da redação a entrar na discussão.

(3) Oferecer programas de apoio a trauma ou de saúde mental entre colegas

Outra ideia para as redações é a criação de apoio a trauma por pares, ou programas de apoio a saúde mental, disse Shapiro. Ele já viu esse trabalho antes. "Eles estão realmente treinando colegas nas redações para saberem escutar bem, não como conselheiros, mas para serem recursos para os colegas."

(4) Não se trata apenas de sentimentos

O maior equívoco que jornalistas e líderes de redação têm ao discutir traumas, ansiedade ou estresse é que se trata de sentimentos. É mais do que isso, disse Shapiro.

“Como um problema de saúde no local de trabalho, não se trata mais de sentimentos do que uma bala ou uma cadeira de escritório ruim. É saúde ocupacional”, disse ele.

(5) Dar aos gerentes de nível médio as habilidades para lidar com a saúde mental na redação

"O papel dos líderes, não apenas dos principais executivos, mas dos gerentes de nível médio --as pessoas na mesa-- é crucial", disse Shaprio.

"Existem habilidades que os gerentes de nível médio precisam aprender e não sabem: como ouvir, como falar sobre essas coisas, como não patologizar e, ainda, como estar lá", disse ele. "É crucial que os gerentes de nível médio obtenham algumas dessas habilidades e também que reconheçam que precisam ser modelos de autocuidado para o restante da equipe."

(6) Se os jornalistas estão com dificuldadees, pois seus editores não têm tempo para se envolver, traga recursos externos para a redação

Embora os jornalistas possam ter grande interesse nessas questões e até mesmo lançar as iniciativas, é importante envolver os editores, disse Ricchiardi. Ela incentiva os jornalistas a planejar reuniões com especialistas ou instrutores externos sobre esses tópicos na redação.

“Assim, eles ouvem e se importam e respondem, acrescentou. “Mas tem sido uma luta envolvê-los. E temos que continuar."

Recursos:


Imagem sob licença CC no Unsplash via NeONBRAND