Dicas de segurança para mídia independente

porSembraMedia
Sep 12, 2019 em Segurança do jornalista
Segurança

Reportagens sempre envolvem um certo risco para os jornalistas. Algumas entrevistas, histórias e investigações são mais perigosas que outras e, como resultado, vários protocolos, guias e dicas foram desenvolvidos para repórteres. Na mídia tradicional, geralmente uma equipe com um motorista, um fotógrafo e um repórter é responsável pelas áreas mais sensíveis de cobertura. No entanto, em agências independentes, um único repórter costuma desempenhar os três papéis.

Em redações pequenas, jornalistas empreendedores desenvolvem estratégias para lidar com os riscos à segurança e realizar suas investigações.

Três repórteres e editores com experiência em editorias perigosas compartilham como lidaram com os riscos à segurança: Ernesto Aroche do Lado B no México e Orus Villacorta e Fernando Romero do Factum Magazine em El Salvador.

Uma estratégia bem planejada

No final de 2016, no final da administração do então governador Moreno Valle, o Lado B começou a apurar questões de segurança em Puebla, uma cidade no centro do México. Eles queriam examinar o impacto da atividade criminosa na cidade.

Ernesto Aroche, editor e fundador do Lado B, disse que a equipe começou a reportar “na segurança relativa fornecida por dados estatísticos: através de números frios”. Com esses dados, eles identificaram os locais onde deveriam ir e coletar informações, e definiram uma estratégia de segurança para cobrir as histórias.

"Isso implicava a necessidade de pré-reportagem em áreas perigosas", acrescentou Ernesto.

A estratégia de segurança para pré-reportagem do Lado B consistia em três partes:

  1. Período de cobertura e plano de despesas. Para esta etapa, eles se perguntaram o seguinte: A cobertura vai durar mais de um dia? Conhecemos hotéis seguros? Em média, quanto vamos gastar nas refeições? Usaremos nossos próprios veículos ou transporte público? A área é segura o suficiente para isso?
  2. Roteiro de entrevista. As autoridades são confiáveis ​​ou não? Precisamos nos apresentar a eles? As reuniões com as fontes serão em locais públicos ou em locais menos visíveis? Há horas particularmente perigosas?
  3. Protocolo de segurança. A equipe definiu um sistema para monitorar a segurança da área e definiu uma cadeia de resposta no caso de ameaça. Eles também identificaram contatos no governo, bem como em organizações de proteção.

A estratégia do Lado B também incluiu a publicação de considerações de segurança na região "para maximizar o impacto e reduzir o risco". Eles procuraram aliados para disseminar esse material e oferecer mais proteção ao reportar. A Red de Periodistas de a Pie (Rede de Jornalistas a Pé) os ajudou a desenvolver um plano de monitoramento, incluindo datas de partida, horários de monitoramento, rotas e um roteiro de entrevistas.

O resultado é o Puebla Bajo Amenaza (Puebla sob ameaça). Durante a produção desse projeto, os repórteres permaneceram seguros.

Ernesto explicou que toda vez que entram em áreas perigosas, seguem o protocolo de segurança acima.

Nunca viaje sozinho

Em 3 de dezembro de 2018, a Factum Magazine publicou “Um grupo criminoso atacou as forças armadas”, uma matéria sobre vários oficiais de alto escalão, incluindo membros dos Chefes das Forças Armadas das Forças Armadas de El Salvador, que criaram uma rede de policiais, advogados, médicos e informantes para impedir um julgamento contra oito soldados da inteligência acusados ​​de deter e torturar ilegalmente duas pessoas em Ahuachapán.

Através da investigação, eles descobriram que policiais usaram a rede para subornar primeiro, depois ameaçaram e planejaram matar duas vítimas para impedir que testemunhassem durante o julgamento. Os soldados, no entanto, foram condenados a 14 anos de prisão e os três oficiais de inteligência foram capturados um ano depois.

Fernando Romero, jornalista da Factum, disse que uma das melhores decisões da equipe foi explorar a área de antemão, planejando um itinerário e mantendo constante comunicação com a redação. "É essencial mantê-los informados de onde estamos o tempo todo para garantir uma resposta mais rápida em caso de incidente", disse ele.

Por outro lado, a equipe também tomou uma decisão errada, que eles discutiram mais tarde, enviando repórteres desacompanhados para essas áreas perigosas.

"Os protocolos de segurança para jornalistas e mídia recomendam que os repórteres sejam acompanhados por uma ou mais pessoas ao realizar trabalhos na rua", disse Romero. "As pessoas que estão sendo investigadas, como fontes hostis como gangues e militares, têm maior probabilidade de se comportar agressivamente com um indivíduo desacompanhado do que com dois ou mais, embora isso não garanta totalmente sua segurança."

A Factum percebeu que os jornalistas não deveriam fazer reportagens perigosas sozinhos.

Desconfiando da autoridade

Orus Villacorta, codiretor da Factum, disse que um dos principais erros é denunciar "sem conhecer adequadamente os limites e atribuições da polícia, das forças armadas [ou de quaisquer outros agentes das autoridades públicas]".

Ele explicou que um dia, em La Esperanza, Intibucá (Honduras), enquanto reportava sobre o assassinato de Berta Cáceres, uma ativista morta em março de 2016, ele e seu fotógrafo foram interceptados pela polícia assim que desceram do ônibus. Não satisfeita com os documentos de identificação do repórter, a polícia exigiu informações adicionais.

"Nós demos a eles o que eles queriam porque estávamos intimidados", disse Villacorta.

"Por um lado, precisamos que eles saibam que estamos cientes de nossos direitos e dos limites ao poder policial estabelecidos por lei", acrescentou Villacorta. “Por outro lado, precisamos saber como as coisas realmente funcionam em contextos onde a lei é desrespeitada, mesmo por aqueles que, em teoria, deveriam defendê-la. É o caso em Honduras, El Salvador, Guatemala, México e muitos outros países, onde a desconfiança dos agentes de segurança é um método de sobrevivência.”


Este artigo foi publicado originalmente em espanhol por SembraMedia e reproduzido na IJNet com permissão. 

Imagem principal CC no Unsplash via Ali Yahya