Como sites de notícias independentes estão fazendo dinheiro

por Lindsay Kalter
Feb 12, 2013 em Diversos

Não há receita mágica para fazer com que sites de notícias sejam negócios de sucesso.

Mas novas formas de ganhar dinheiro estão tomando forma, mesmo enquanto alguns sites continuam a seguir o velho modelo de venda de anúncios. O projeto de pesquisa Sustainable Business Models for Journalism (Submojour) (modelos de negócios sustentáveis ​​para o jornalismo) examinou 69 empresas iniciantes em 10 países. Johanna Vehkoo e Pekka Pekkala discutiram os resultados do projeto num post recente no Nieman Lab.

Aqui estão três tendências que eles encontraram:

Sites hiperlocais ainda dependem de publicidade

Muitos dos sites centrados em comunidade que o projeto examinou no Reino Unido e Estados Unidos ainda dependem de métodos tradicionais de publicidade para a receita, o projeto revelou. Os três sites locais americanos do estudo vendem banners semanais ou mensais, sendo que o DavidsonNews.net na Carolina do Norte faz 75 por cento de sua receita com publicidade de banners e anúncios. "Foi quase uma decepção para a nossa equipe de investigação descobrir o quão forte o velho modelo de publicidade é usado entre muitos dos sites que estudamos", escrevem os autores. Mas acrescentam, "embora a dependência dos anúncios permanece forte, alguns sites encontraram formas alternativas e, em alguns casos, inovadoras para rentabilizar seu jornalismo."

Produzir jornalismo, vender tecnologia

Entre as táticas inovadoras de fazer dinheiro é o desenvolvimento de ferramentas tecnológicas, afirma o relatório. Por exemplo, o Blottr no Reino Unido permite que o cidadão publique relatos multimídia de notícias locais, e o Tweetminster usa dados para organizar o que pessoas em liderança no Reino Unido acham que é interessante. Ambos fazem dinheiro vendendo tecnologia.

"Nós partimos da visão de que temos uma grande tecnologia fortalecendo o Blottr", Adam Baker, fundador do site, disse aos autores. "Então, projetamos para poder licenciá-la como um marca branco para outros editores, para permitir que seus usuários sejam colaboradores, bem como consumidores."

Criar novos tipos de notícias

Sites novos cada vez mais encontram e criam novos tipos de notícias para oferecer aos consumidores. A empresa italiana China Arquivos opera de Pequim e proporciona notícias da China a vários veículos de mídia italianos e espanhóis, segundo o relatório.

Algumas empresas têm encontrado sucesso de marketing como novidades no mercado. A irlandesa Storyful, por exemplo, chama-se a "primeira agência de notícias da era da mídia social." O Demotix no Reino Unido é descrito pela sua administração como "a AP [Associated Press] do jornalismo cidadão", vendendo seu conteúdo para publicações como The Guardian e The Wall Street Journal, dizem os autores. "Nosso entendimento é que a AP não tem repórteres em 40 por cento dos países do mundo, enquanto o Demotix está em quase todos os países", disse o presidente do site, Turi Munthe, ao Nieman Lab.

Leia o post original no Nieman Lab (em inglês).

Leia o relatório completo (em inglês) aqui.

Foto usada com licença CC via Flickr