Como redações estão embarcando em filmes de documentário

porMargaret Looney
Aug 30 em Jornalismo multimídia

O Al Jazeera América é um dos mais recentes meios de comunicação a investir em uma unidade interna de documentário. O canal planeja produzir documentários originais sobre temas como imigração, educação, pobreza, saúde e outras questões sociais.

"Esperamos oferecer uma nova plataforma para pontos de vista originais e vozes raramente ouvidas e trazer histórias interessantes e ideias inovadoras para os telespectadores americanos", disse Cynthia Kane, produtora sênior da unidade documental, em um comunicado à imprensa.

A Al Jazeera América estará dando continuidade à tradição do canal de apresentar matérias investigativas com documentários sobre uma variedade de tópicos, como os perfis dos irmãos Koch, infanticídio relacionado com atos de feitiçaria na em Benin e outros.

O Wall Street Journal está trabalhando em sua primeira série episódica de documentário em vídeo, a partir de seus vídeos tradicionais em profundidade sobre temas como a crise da dívida da Europa e a vida de político chinês Bo Xilai.

Em uma série que promete ser "o primeiro de seu tipo em uma plataforma digital", o jornal está registrando 25 empresas empreendedoras enquanto participam de uma competição de oito meses, a Startup do Ano. Filmando o processo a cada semana, os episódios mostram os conselhos de mentores empresariais como o fundador da Virgin, Richard Branson, tarefas semanais para os empresários e muito mais.

O jornal Guardian vem utilizando documentários para suas investigações multimídia há mais de uma década. Composto por um pequeno grupo de jornalistas independentes e cineastas, a unidade Guardian Films tem realizado projetos de vídeo em formato longo no Iraque, Zimbábue, Afeganistão, Uganda e Gaza.

Produções da equipe variam de micro-documentários, como um perfil de uma criança afegã, que é o único ganha-pão da família, a longas como "James Steele: America's mystery man in Iraq" (James Steele: um homem misterioso da América no Iraque), o produto de uma investigação de 15 meses sobre a ligação de um coronel americano aposentado com uma rede de centros de tortura no Iraque.

Redações não estão apenas usando o meio para reportagens investigativas, mas também para capturar temas de interesse humano, artes e cultura. A PBS Arts produz uma série de micro-documentários chamada Off Book que explora temas como Web comics, o impacto do Twitter no jornalismo, cultura dos fãs e arte da animação.

O New York Times usa a forma de expressar pontos de vista mais pessoais e análises da vida cotidiana com a Op-Docs, curtas que "expressam opiniões distintas e perspectivas". A equipe de filmagem usa uma variedade de abordagens artísticas à narrativa documental tradicional para captar momentos como bailarinos dançando em vagões de metrô lotados ou este artigo animado sobre um nova-iorquino ansioso pelo sistema de compartilhamento de bicicletas na cidade.

Margaret Looney, assistente editorial da IJNet, escreve sobre as últimas tendências de mídia, ferramentas de reportagem e recursos de jornalismo.

Imagem sob licença CC no Flickr via flowercat