Como Press Start quer apoiar a liberdade da mídia

porSam Berkhead
Dec 21, 2015 em Empreendedorismo de mídia

Com cerca de 6 bilhões -- ou 86 por cento -- de pessoas no mundo vivendo em lugares que reprimem a liberdade de imprensa, é claro que os jornalistas enfrentam desafios diferentes ao tentar reportar os fatos.

E simplesmente treinar jornalistas para superar esses desafios não adianta muito.

"Você pode treinar as pessoas, tanto quanto quiser, mas eles ainda precisam de dinheiro para alimentar suas famílias e escrever as matérias", disse Jeremy Druker, diretor-executivo e editor-chefe do Transitions Online. "Muitas vezes, as pessoas fazem um treinamento, mas quando voltam para casa, é difícil implementá-lo. Às vezes é porque as barreiras ainda estão lá, mas muitas vezes é simplesmente uma questão de dinheiro."

Sentindo a necessidade de conectar jornalistas com pessoas dispostas a financiar seu trabalho, Druker e um grupo de profissionais de mídia fundaram o Press Start, uma plataforma para jornalistas angariarem doações do público.

"Estamos criando um mercado para eles no exterior que não existe em casa", disse Druker. "Por razões de repressão ou razões econômicas, não há dinheiro ou vontade localmente para apoiar o jornalismo de qualidade. O Press Start é uma correção do mercado dessa forma. Nós vamos ter que ver se o público internacional pagará para corrigir esta lacuna de financiamento local para este tipo de trabalho."

Druker descreveu a configuração de crowdfunding do Press Start e como ele espera que ajudará a melhorar a liberdade de imprensa em todo o mundo:

Passo 1: Identificar jornalistas

Para fazer parte do Press Start, o jornalista deve ser indicado por uma das suas organizações parceiras, como a Associação Belarus de JornalistasIREX-Europa e Radio Free Europe/Radio Liberty. Embora muitos desses parceiros atuais sejam baseadas na Europa Oriental, Druker explicou que a plataforma incluirá jornalistas de todo o mundo. Uma vez nomeados, os jornalistas devem passar por um processo de triagem, durante o qual eles descrevem os tópicos que desejam cobrir e o tipo de conteúdo que vão fornecer depois de atingir o objetivo de financiamento.

Atualmente, o Press Start apresenta os jornalistas Volodymyr TorbichZaklina Hadzi-Zafirova, Ruslan Gorbachev e Habib Battah.

Passo 2: Destacar jornalistas

O próximo passo é criar um perfil para cada jornalista que vai provocar com sucesso a empatia em potenciais doadores e fazê-los querer doar para uma campanha.

"Isso é um desafio e tem sido um desafio, eu acho, que nós não antecipamos", disse ele. "Eu acho que tentar individualizar os perfis para ter uma ideia da pessoa por trás do rótulo de jornalista irá desempenhar um grande papel."

Passo 3: Os doadores financiam os jornalistas

Uma vez que o perfil do jornalista é completo, o Press Start vai lançar uma campanha de crowdfunding com duração de um mês para o seu trabalho, com uma meta de campanha padrão de US$2.000. Se este objetivo é atingido, o jornalista deverá produzir 10 artigos. Se um repórter precisa de cobertura de segurança extra para trabalhar em um ambiente perigoso, o Press Start permitirá angariar fundos adicionais.

O que acontece se a campanha de crowdfunding de um jornalista não atinge a meta de US$2.000? Na maioria dos casos, ele ou ela ainda vai receber o dinheiro gerado, mas irá produzir um número reduzido de artigos, disse Druker. Estes jornalistas também vão receber o apoio do dinheiro arrecadado através de fundo geral do Press Start.

Passo 4: Artigos dos jornalistas são publicados

Se o objetivo de financiamento é atingido, o jornalista deve produzir 10 artigos ao longo de um período de quatro meses. A maioria destes artigos será escrito no idioma próprio do jornalista para uma audiência local, mas um grupo seleto será traduzido ao inglês e destacado no site do Press Start.

Quando os artigos de um jornalista forem publicados, o Press Start terá uma maneira de informar aos doadores sobre o sucesso desses artigos.

"O que estamos planejando fazer é uma avaliação de impacto para cada lote de artigos financiados", explicou Druker. "Não apenas que a sua doação possibilitou [a produção] de 10 artigos, mas o que aconteceu porque esses artigos foram publicados. Houve conscientização? Houve um debate político? Se foram investigações, descobriu corrupção? Alguém foi para a prisão? Os jornalistas terão de responder a isso e eu acho que as pessoas vão querer saber disso. "

Se o trabalho de um jornalista foi um sucesso, ele ou ela será capaz de iniciar outra campanha de crowdfunding para outro ciclo de artigos. O resultado final, Druker disse, é um impacto mensurável positivo em países cuja liberdade de imprensa é comprometida.

"Em nossa opinião, há pessoas em todos esses países enfrentando a opressão contra a mídia", disse ele. "A ideia é identificá-los e levá-los a apoiar e isso esperamos vai melhorar gradualmente a situação dessas sociedades."

Imagem principal captura de tela do site do Press Start