Como jornalistas podem usar a plataforma de mapeamento MapJam

porDena Levitz
Sep 22, 2015 em Jornalismo digital

Jornalistas que utilizam mapas interativos para contar suas histórias têm uma nova ferramenta para experimentar.

MapJam, uma startup sediada em São Francisco, permite ao usuário personalizar mapas com fotos, vídeos e outras mídias incorporadas em cada pino de localização.

Empresas e indivíduos estão utilizando a variedade de aplicativos da ferramenta para personalizar mapas. Organizadores de uma corrida usaram a plataforma para mostrar os pontos-chave da corrida e espectadores ao longo do curso. Hostelling International criou um mapa para fornecer um guia de Boston para os visitantes, completo com gráficos e descrições de atrações situadas em cada ponto ao longo de uma rota mapeada.

E cada vez mais jornalistas e organizações de notícias estão usando a ferramenta em seu trabalho.

Jornalistas independentes e pequenas empresas de mídia podem optar por um plano livre, criando um número ilimitado de mapas que podem ser incorporados ou compartilhados infinitamente nas redes sociais. Mas assim que o mapa incorporado recebe mais de 50.000 visitas por mês, entra o plano premium.

Como os jornalistas podem usar MapJam para melhor contar histórias? Aqui estão quatro maneiras:

1. Represente de onde são grupos de pessoas ou estão atualmente situados

O Huffington Post é um dos primeiros a adotar a plataforma. Este verão, a organização de notícias queria documentar visualmente a história da imigração nos Estados Unidos, que abriga 43 milhões de imigrantes. Editores e gerentes trabalharam com MapJam para montar “This Land is Your Land” (Esta terra é a sua terra). O projeto é um mapa de histórias. Cada pino corresponde a um país de origem. Ao clicar no pino, aparece a história de um único imigrante daquela terra com fotos, memórias únicas, citações e até vídeos, dependendo do que está disponível.

Até agora, há quase 50 pinos. O copresidente do MapJam Jack Gonzalez disse que o mapa dá vida a um grande problema como a imigração e refina a reportagem com histórias individuais. O usuário pode visualizar de forma ampla de onde as famílias estão se mudando para os Estados Unidos e -- ao mesmo tempo e no mesmo mapa -- ouvir detalhes individuais sobre a jornada de alguém para sua nova pátria.

Para o Huffington Post, realizar a reportagem "This Land is Your Land" não exigiu um enorme nível de conhecimento técnico, disse Gonzalez.

"Não há nenhuma necessidade de codificação", disse ele. "Você basicamente arrasta e solta, adiciona o vídeo ou a foto e, em seguida, compartilha. Cada pino pode ser adicionado numa questão de minutos. O componente mais demorado é encontrar entrevistados."

Jornalistas podem aplicar a mesma estratégia e contar histórias semelhantes com a plataforma de mapeamento, buscar onde moradores vivem dentro de suas áreas de cobertura geográfica e em seguida, sobrepor rico conteúdo de mídia sobre os pontos referentes a esses moradores.

2. Organize um evento complexo em partes e mostre como se desenrolou

Quando um crime ocorre em vários locais, um jornalista pode mapeá-lo e sobrepor detalhes e gráficos relativos a cada localidade, via MapJam. Por exemplo, essa tática pode ser aplicada no caso de uma caçada a um suspeito, uma farra de assaltos a bancos ou tiroteios ou uma série de detenções relacionadas. Em vez de simplesmente mapear os eventos, um mapa em camadas também pode incluir vídeos, descrições e links para a cobertura extra sobre cada componente da história.

"Isso adiciona contexto geográfico e dá à história um pouco mais de engajamento", disse Gonzalez. "Isso dá uma ideia melhor de onde a notícia está vindo."

3. Mostre fisicamente onde há problemas em uma determinada área

Um artigo pode examinar o mau estado das estradas em uma cidade ou região. Mas a melhor maneira de ilustrar onde e o que está ocorrendo é com um mapa que ilustra, por exemplo, onde os buracos estão situados e, em seguida, pode dar contexto com mídia avançada como apoio.

Isso é algo no qual o MapJam está trabalhando com o Tampa Bay Times como um meio de identificar problemas nas ruas. Em outras regiões, uma aplicação mais prática pode ser o mapeamento de trechos de casas afetadas por tempestades ou grupos de sem-teto.

4. E o tempo todo, faça crowdsource e adicione elementos continuamente

Isso é algo que o Huffington Post está fazendo. No geral, seu projeto de imigração terá uma duração de três ou quatro meses. Embora o mapa já tenha sido incorporado em seu site e ido ao vivo, os jornalistas estão constantemente promovendo-o e pedindo contribuições ao público que o conteúdo seja de crowdsource. A plataforma do MapJam torna possível atualizar ou editar em tempo real, então, assim que os editores verificam as colaborações do público, eles podem adicioná-las ao site, em um piscar de olhos.

Para saber mais sobre MapJams ou solicitar uma demonstração, envie um e-mail para hello@mapjam.com.

Outros recursos (em inglês)

A list of free storytelling mapping tools by the Project for Excellence in Journalism
Online cartography tools for journalists, from journalism professor David Herzog

Imagem principal: gráfico fornecido pelo MapJam