Como jornalistas na Ucrânia preservaram um tesouro de documentos mostrando a corrupção de Yanukovych

pordrew@cinba
Mar 7, 2014 em Temas especializados

Nas primeiras horas após o presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovich, fugir de Kiev, reportagens começaram a aparecer sobre documentos flutuantes no reservatório de sua propriedade palaciana de 350 hectares fora da capital. A propriedade é bem conhecida pela mídia como um lugar inacessível.

Mas dezenas de ativistas do movimento de oposição Euromaidan foram lá documentar a corrupção, cuja documentação estava lentamente afundando no reservatório. Alguém chamou mergulhadores, que começaram a recuperar mais papéis do fundo do lago. Os repórteres DDmytro Gnap da Slidstvo/TV Hromadske, Vlad Lavrov do Kyiv Post e Oksana Kovalenko da Ukrainska Pravda foram os primeiros jornalistas a chegar à cena.

Havia dezenas de milhares de documentos. Recibos de milhões de dólares em dinheiro. Gastos pródigos em animais exóticos do jardim zoológico e bens de luxo. Registros de investimentos extensos de Yanukovich. A lista negra da imprensa local.

Gnap, Lavrov e Kovalenko rapidamente perceberam que os papéis não eram apenas explosivos, mas corriam perigo de serem destruídos, roubados ou apreendidos. Muitos foram reunidos em grandes pilhas encharcadas. Outros tinham sido queimados, incluindo o que os repórteres discerniram ser uma lista de bens pessoais de Yanukovych.

Somava-se à tensão o fato de que ninguém sabia quanto tempo os jornalistas podiam ter na propriedade e se as forças do governo de repente iam chegar.

Os repórteres, em seguida, fizeram algo notável. Eles tomaram a decisão de cooperar entre todos os órgãos de imprensa e salvar primeiro os documentos e reportar depois. Não foi uma decisão fácil. Mas ficou claro que, se não agissem, registros críticos da história do seu próprio país poderiam ter sido perdidos.

O local já estava enchendo com outros repórteres ansiosos para pegar o que pudessem e sair. Em contraste, o grupo foi acompanhado por um punhado de outros que pensam igual: Anna Babinets de Slidstvo/TV Hromadske; Oleksandr Akymenko, antes da revista Forbes; Katya Gorchinska e Vlad Lavrov do Kyiv Post. A repórter Natalie Sedletska da Radio Free Europe voltou de Praga para que pudesse ajuda, e outros vieram também.

Lavrov, um jornalista investigativo de longa data, percebeu que a equipe iria precisar de mais ajuda. Ele entrou em contato com o Organized Crime and Corruption Reporting Project (OCCRP), um consórcio de centros de investigação da Europa para a Ásia Central, onde ele trabalhou como editor regional. Das instalações de Yanukovych onde o sinal de Internet estava fraco, ele chamou seus editores em OCCRP em Sarajevo, na Bósnia, para obter dinheiro e apoio.

A equipe também entrou em contato com o veterano jornalista Oleg Khomenok. Khomenok correu para o local com um computador portátil e concordou em atuar como coordenador logístico. Alguém ligou para os arquivos do Estado e pediu uma lâmpada de calor para secar documentos e um arquivista.

Mais de um fim de semana foi gasto laboriosamente pescando e secando documentos. Os repórteres logo aprenderam que se as pilhas encharcadas não tivessem sido separadas e secas, iriam se transformar em uma massa pastosa que nunca poderiam ser resgatada.

A Ucrânia é, em muitos aspectos, um lugar ideal para que isso aconteça. A imprensa teve suas habilidades afiadas por anos de reportagem sobre os governos secretos, corrupção e propriedade no exterior. Ao longo dos últimos 20 anos, os meios de comunicação do país construíram uma tradição impressionante de reportagens investigativas. Uma meia dúzia de pequenos centros de investigação estão funcionado e bem.

Apoiada por grupos como o Regional Press Development Institute e doadores ocidentais, a mídia independente da Ucrânia sediou a 7 ª Conferência Global de Jornalismo Investigativo em 2011, trazendo cerca de 500 jornalistas de 75 países ao coração de Kiev.

"A corajosa imprensa ucraniana aderiu naturalmente a reportagem investigativa", diz David Kaplan, diretor do Global Investigative Journalism Network. "O que você está vendo é o resultado de anos de formação, networking e geração de reportagens em condições muito difíceis."

Você pode contatar a equipe de Kiev pelo e-mail yanukovychleaks@gmail.com.

Tirou Sullivan é um veterano jornalista e especialista em desenvolvimento de meios de comunicação que trabalhou por quase uma década na Europa do Leste e da Eurásia . Ele co-fundou e trabalhou como o primeiro diretor do Organized Crime and Corruption Reporting Program.

Este post é um resumo de um artigo no site da Global Investigative Journalism Network (GIJN), traduzido para a JNet com permissão.

A GIJN é uma associação de 90 organizações sem fins lucrativos de 40 países dedicadas ao jornalismo investigativo. A cada dois anos, organiza a Global Investigative Journalism Conference. Acompanhe a GIJN através do Global Listserv, o boletim Global Network News, no Twitter e Facebook.

Imagem sob licença CC no Flickr via snamess