Como as ferramentas de pesquisa online podem auxiliar o trabalho dos jornalistas investigativos?

por Friedrich Lindenberg
Aug 25, 2014 em Diversos

Como as ferramentas de pesquisa online podem auxiliar o trabalho dos repórteres investigativos e outros examinando os fluxos financeiros transnacionais, estruturas empresariais e outras atividades ilícitas do crime organizado e negócios globais?

O Google e o Organized Crime and Corruption Reporting Project (OCCRP) reuniram um pequeno grupo de jornalistas investigativos e tecnólogos de todo o mundo para examinar as respostas para essa pergunta, durante a primeira Investigathon, em Londres, no mês passado.

Enquanto a equipe do Google demonstrou como usar algumas de suas ferramentas, como o Image Search and Fusion Tables, a estrela do evento foi o Investigative Dashboard, um projeto do OCCRP desenvolvido pelo jornalista investigativo Paul Radu e o estrategista de mídia Justin Arenstein. A plataforma conecta jornalistas investigando histórias transnacionais com pesquisadores que estão familiarizados com a região geográfica específica. Estes pesquisadores, então, resgatam informações sobre empresas ou indivíduos de registros e bancos de dados locais.

Sessões de trabalho de grupo inspirado pelo Dashboard no Investigathon destacaram a importância dos dados de registros de empresas e jornais oficiais para o jornalismo investigativo. Saber que empresas compartilham os mesmos membros do conselho ou têm subsidiárias em outros países é crucial para entender os potenciais conflitos de interesse - e esquemas de negócios potencialmente desonestos.

O seminário destacou a necessidade de redações para colocar em contexto esses dados sobre empresas e estruturas de controle, juntamente com outras evidências, ao longo de uma investigação. Embora tais dados estejam disponíveis de uma forma global consolidada através de serviços pagos, poucos repórteres investigativos ou veículos de comunicação conseguem pagar por suas altas taxas.

A plataforma OpenCorporates, uma alternativa movida a dados abertos, disponibiliza dados livremente, mas a startup ainda não abrange todas as jurisdições de interesse. E enquanto a OpenCorporates, e outros sites, como o banco de dados OffshoreLeaks, OpenSpending e OpenSecrets oferecem cada vez mais dados de interesse jornalístico para repórteres pesquisarem, é preciso haver uma outra camada específica de investigação em cima desses sites.

Tal camada de ferramentas combinaria dados sobre pessoas e empresas de plataformas de dados públicos com outras evidências que as pesquisas revelam. Esta camada também armazenaria informações sobre a origem e confiabilidade dos dados, e permitiria que os jornalistas analisassem o conjunto de dados reunidos para descobrir sinais de comportamento ilícito ou ilegal.

Embora tais ferramentas para integrar e analisar evidências de investigação estejam disponíveis para aqueles com bolsos fundos, há também a necessidade de uma solução de código aberto. É por isso que um dos objetivos da minha bolsa do Knight International Journalism Fellowship do ICFJ é construir a plataforma grano, um kit de ferramentas para jornalistas investigativos.

Começando com uma ferramenta de mapeamento de influência, semelhante a Poderopedia e LittleSis, nosso primeiro objetivo é criar um tipo de catálogo involuntário de empresas, pessoas e instituições de interesse para investigações jornalísticas. Quando a infraestrutura básica estiver pronta, queremos dar o passo de banco de dados a uma bancada. A grano vai ajudar os pesquisadores a criar uma representação coerente de suas investigações, através da combinação de dados de fontes públicas, com a evidência que eles mesmos recolheram. Isto irá criar ao mesmo tempo uma ferramenta analítica e uma memória reutilizável​​, seja para ser compartilhada dentro de instituições ou mesmo em público.

Como um primeiro protótipo, estamos construindo o connectedAfrica, que vamos lançar na África do Sul. Esta colaboração entre a African Network of Centers for Investigative Reporting (ANCIR) e o Institute for Security Studies começará fornecendo um banco de dados público com foco em importantes políticos na África do Sul, detalhando seus negócios e envolvimentos políticos. Nosso objetivo é dar aos usuários uma maneira de explorar as conexões entre indivíduos, empresas e instituições públicas e analisar a rede em busca de sinais de comportamento desonesto.

Com base no feedback desta experiência, nós esperamos fazer com que a plataforma grano se torne um produto que possa oferecer suporte a usuários que querem criar estruturas semelhantes para suas próprias investigações -- estejam eles olhando para redes de empresas, finanças, política de licenciamento do governo, compras, processos judiciais, definição de políticas - ou todos estes combinados.

Como você acha que essas ferramentas podem apoiar o seu jornalismo investigativo? Por favor, compartilhe seus pensamentos nos comentários.

Friedrich Lindenberg é um bolsista do Knight International Journalism Fellowship do ICFJ que trabalha com jornalistas e organizações ativistas para desenvolver os recursos de dados ferramentas de investigação.

O conteúdo de inovação de mídia global relacionado com os projetos e parceiros dos bolsistas do Knight International Journalism Fellowsship na IJNet é apoiado pela John S. and James L. Knight Foundation e editado por Jennifer Dorroh.

Foto de Paul Radu na Investigathon, cortesia do Organized Crime and Corruption Reporting Project.