Como fazer um contrato de trabalho freelance

porJoanna Plucinska
Jan 9, 2015 em Freelance

O mercado freelance pode ser precário, especialmente para aqueles que estão apenas começando. Os jornalistas se queixam de pagamentos baixos, expectativas pouco claras e editores cheios de demandas --um contrato pode ajudar a evitar esses problemas.

A repórter Joanna Plucinska da Columbia Visuals se reuniu com Bill Loundy, diretor de gestão de talentos do Content.ly, para discutir algumas das coisas que todo freelancer deve ter em mente ao elaborar um contrato.

Quando um contrato é necessário?

Pode parecer estranho redigir e enviar um contrato para um editor, especialmente se vocês nunca trabalharam juntos antes. Mas, se você está nervoso sobre como trabalhar com um novo editor, especialmente se ele tem uma reputação de ser exigente ou difícil, pode ser uma boa ideia escrever um [contrato] para evitar o conflito depois que o trabalho começar a rolar.

Os contratos podem ser úteis quando você está tentando esclarecer as exigências de um editor para projetos complicados. Projetos de multimídia estão se tornando cada vez mais populares, e muitas vezes têm muitas partes móveis, como vários vídeos, pedaços de código ou arquivos de áudio. Mesmo se você já trabalhou com esse editor, um contrato vai ser uma boa maneira de definir as demandas do editor para cada passo do projeto.

Elaborando um contrato de trabalho visual: o diabo está nos detalhes

Certifique-se de esclarecer o principal produto imediatamente. Como o seu editor quer que o produto final seja exatamente? Vão querer títulos? Elementos ou gráficos interativos?

Um contrato também esclarece seus prazos. Dessa forma, você vai poder programar todo o projeto no início e seu editor não vai estar muito preocupado com as datas finais. Uma opção é dividir o seu trabalho em partes menores a serem entregues em intervalos, tornando mais fácil para você e seu editor manter o controle do projeto.

Jornalistas visuais também têm que atender às preferências particulares de seus editores. Tenha em mente que cada editor tem um gosto diferente sobre iluminação e estilo de filmagem. Peça ao editor para lhe mostrar exemplos do trabalho que gostam ou querem que você imite. Mesmo assim, você pode não produzir exatamente o que estão querendo. Tudo bem, o contrato é onde você pode esclarecer o que fazer se esta situação ocorrer.

Não sabe por onde começar? A Freelancers Union tem um ótimo gerador de contrato (em inglês).

Pagamento

Isso é muitas vezes o maior ponto de discórdia para o trabalho freelance. Certifique-se de deixar claro suas expectativas e as expectativas do editor, desde o início, antes do projeto começar a rolar.

Seu editor deve dar uma ideia do orçamento para o projeto antes que comece. É importante delinear tudo, não apenas o montante fixo ou a taxa horária. Se não tiver certeza de quanto dinheiro pedir, Scratch MagazinePay me PleaseWho Pays Photogs e este Video Rate Calculator são todos bons recursos que fornecem estimativas razoáveis [para o mercado americano]. Você também deve indicar em seu contrato quanto cobra para re-edições ou refilmagens. Seu editor não será surpreendido por suas faturas se você for direto sobre isso, e você terá algo por escrito se o seu editor lhe der menos dinheiro do que você esperava.

Também é bom esclarecer quando você gostaria de receber o pagamento. Alguns lugares não vão pagá-lo tão cedo a menos que você incluia este ponto. Especialmente se você depende de dinheiro freelance para mantê-lo à tona, é importante certificar-se de que você é pago após o primeiro rascunho, após a conclusão do projeto ou algumas semanas após a conclusão. Também é uma boa ideia estabelecer a forma como você vai ser pago. Um monte de lugares ainda enviar cheques pelo correio, por isso é importante ter em mente que pode demorar mais do que um Paypal ou uma transferência eletrônica.

Finalmente, é importante não se vender por menos! Se você vender o seu trabalho por um preço muito barato, os editores vão estar dispostos a não só pagar menos a você, mas também a todos os outros freelancers. Você está prejudicando não só o seu próprio bolso, mas o potencial de ganho de todos os seus colegas.

Quando eu preciso processar a organização ou contratar um advogado?

Judiciais e honorários advocatícios podem custar mais do que o que o seu contrato original vale a pena. Apenas a situação mais extrema deve ser resolvida num tribunal, por exemplo, se o seu editor não lhe pagou por meses e mostrou que não tem intenção de pagar ou uma publicação lhe deve uma grande quantidade de dinheiro.

Em conclusão...

Um contrato específico e detalhado é uma ótima maneira de garantir que todos os lados estão felizes com qualquer projeto freelance. Ao manter esses pontos em mente, você e seu editor saberão o que cada pessoa espera em termos de estilo e qualidade da produção, prazos, valor e método de pagamento. Elaborar um contrato beneficiará tanto você e outros freelancers em seu campo, um favor para definir padrões mais claros (e talvez melhores!) para o trabalho que você produz. Boa sorte no seu frila!

Este post foi publicado no Columbia Visuals e Content.ly, e é reproduzido na IJNet com permissão

Columbia Visuals é um recurso para jornalistas visuais que examina e celebra os aspectos criativos e práticos de fazer jornalismo visual. É um projeto do departamento de mídia digital da faculdade de jornalismo da Universidade de Columbia.

Content.ly é uma empresa de consultoria de estratégica de mídia com recursos para freelancers.

Imagem principal sob licença CC no Flickr via Jull