Commons do Flickr expande recursos internacionais para jornalistas

por Julie Schwietert Collazo
Jul 23, 2015 em Jornalismo multimídia

Na pressa de fazer upload de artigos rapidamente, jornalistas podem se esquecer que a imagem de acompanhamento -- fotos especialmente -- desempenham um papel profundo em formar a compreensão do leitor e resposta à notícia. Com o grande volume de artigos publicados diariamente por um veículo, a necessidade de imagens é grande.

Com demasiada frequência, os editores selecionam rapidamente uma imagem genérica de um site de fotos, mas há outro recurso também: o Commons no Flickr. O Flickr é um site global de compartilhamento de fotos e o Commons é uma ferramenta valiosa ainda que negligenciada por jornalistas que também podem usar a biblioteca de imagens para realizar pesquisas e até obter inspirações de histórias.

Um dos funcionários do Flickr que trabalha no Commons é Leticia Roncero. Leticia foi treinada como jornalista na Espanha, uma experiência que a preparou bem para a sua posição atual como criadora de conteúdo bilíngue para o Blog Flickr (em inglês e espanhol) e também membro da equipe da Comunidade Flickr. Leticia está envolvida em uma série de projetos destinados a expandir o engajamento e utilidade do site, incluindo o Commons.

Conversamos com Leticia sobre o Commons para saber mais sobre o que a ferramenta engloba e como pode ser usada para pesquisa e elaboração de reportagens.

IJNet: Conte-nos sobre o Commons. Quando é que começou? Qual é a sua finalidade? Como as instituições potenciais são identificadas para inclusão?

Leticia: O projeto começou com um piloto entre o Flickr e a Biblioteca do Congresso dos EUA em 2007 (este blog tem mais informações). Há várias pessoas envolvidas no Commons. Temos uma equipe internacional de gerentes da comunidade que podem nos ajudar a trazer mais diversidade para esta biblioteca digital.

O objetivo do Commons é fazer com que arquivos de fotografia pública do mundo sejam disponíveis livremente para todos e fornecer uma maneira para o público em geral contribuir com informação e conhecimento para as instituições que participam.

Temos mais de uma centena de instituições participantes de diversos países. O número exato é 105 até o momento, mas estamos adicionando novas coleções a cada mês. O Arquivo Sinaloa [um estado de México] é o primeiro a juntar-se de um país de língua espanhola.

Estas instituições de patrimônio cultural se registram voluntariamente através do nosso formulário e então aprovamos aqueles que atendem às nossas necessidades. Por exemplo, não deve haver restrições de direitos autorais conhecidos sobre o conteúdo que eles publicam e eles precisam ter uma conta dedicada para sua coleção. Estamos planejando abordar novas instituições mais ativamente.

IJNet: Algumas das instituições provavelmente não são conhecidas do público americano. O arquivo de Sinaloa é um exemplo. O Flickr está intencionalmente tentando incluir recursos mais diversos no Commons, e se assim for, há algo que você poderia compartilhar sobre sua estratégia geral?

Leticia: Nós estamos animados em acolher instituições grandes e pequenas, desde o Archive Book Project com mais de 3,3 milhões de imagens (indo para mais de 14 milhões de uploads) à Cloyne and District Historical Society, formada por voluntários, no Canadá, com menos de 400 imagens. Estamos muito animados com o Arquivo Sinaloa também, não só porque amplia as fotos dos países de língua espanhola, mas porque eles têm uma extensa coleção que pretendem digitalizar e compartilhar.

Contanto que a coleção seja de interesse público e as obras sejam enviadas sem direitos autorais, são bem-vindas no Commons. Um dos nossos objetivos este ano é identificar ativamente novas instituições de diferentes países e entrar em contato com elas em suas línguas nativas. Gostaríamos muito de ver o Commons expandir para alcançar muito mais pessoas.

IJNet: Como os jornalistas podem usam o Commons para pesquisa e elaboração de reportagens?

Leticia: O Commons é uma biblioteca digital enorme e, além disso, é gratuita, internacional e aberta a qualquer pessoa para qualquer finalidade, por isso é um grande recurso para os jornalistas que querem documentar e expandir suas pesquisas. Eles podem encontrar fotos de eventos históricos e da vida diária em diferentes partes do mundo e descobrir muitos fatos interessantes graças aos comentários de alguns usuários do Flickr.

IJNet: Você sabe de jornalistas que já estão usando os Commons desta forma? Poderia compartilhar alguns exemplos?

Leticia: Eu vejo agências de notícias grandes e pequenas utilizando regularmente imagens do Flickr com a licença Creative Commons, como a revista WIRED, The Telegraph e The Guardian. Ficaríamos muito felizes de cobrir jornalistas e compartilhar suas histórias com os outros profissionais que possam estar interessados. Nós adoraríamos ouvi-los!

Jornalistas que cobrem a América Latina e as comunidades latinas nos Estados Unidos podem estar interessados, além do Arquivo Sinaloa, nas coleções do Senado Federal do Brasil, California Historical Society e Texas State Archives.

Imagem do Senado do Brasil por Pedro França/Agência Senado