Ataques digitais ameaçam liberdade da imprensa

porJorge Luis Sierra
May 8, 2014 em Jornalismo digital

Um ciberataque recente contra um site de notícias no Panamá, na véspera do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa , mostra como os jornalistas e blogueiros que tentam revelar corrupção, manipulação eleitoral e políticas públicas ineficientes se tornam alvo de guerra digitais.

Esta guerra pode incluir ciberespionagem, criação de contas falsas em redes sociais, lançamento de campanhas de difamação via Twitter ou Facebook, bem como ataques maciços, como ataques de negação de serviço (DDoS, em inglês) ou destruição. A maioria dos jornalistas, blogueiros e mídia organizações depende fortemente da Internet, mas não tem as habilidades para prevenir ou enfrentar esses ataques.

Um grande ataque contra o site de TVN2, uma empresa líder de televisão no Panamá, lança luz sobre a vulnerabilidade das organizações de mídia que buscam o engajamento dos cidadãos para lutar por eleições limpas e o Estado de direito. Na semana que antecedeu as eleições nacionais de 4 de maio no Panamá, após a organização de notícias ter lançado Yo Informo --um projeto de crowdsourcing para acompanhar fraude eleitoral, problemas da comunidade e promessas quebradas dos candidatos-- um ataque digital desligou todo o site do TVN2. (A plataforma "Yo informo" foi construída como parte do Initiative for Investigative Journalism in the Americas, um programa do Centro Internacional para Jornalistas -ICFJ.)

O ataque no Panamá, provavelmente um ataque DDoS, afetou todo o site TVN2, exceto o "Yo informo", que aparentemente tem melhores recursos internos de segurança.

“Parece ser o modus operandi de pessoas atacando a mídia", disse Sandra Crucianelli, uma jornalista investigativa e ex-bolsista do Knight International Journalism Fellowship do ICFJ, que desenvolveu a equipe de jornalismo de dados do La Nación na Argentina. Crucianelli é consultora do projeto "Yo Informo". Seu site de notícias hiperlocais Sololocal também foi alvo de um ciberataque em 2013 durante as eleições gerais na Argentina.

A comunidade dos veículos de comunicação precisa aprender com a experiência do Panamá e aceitar que precisamos proteger dos ataques digitais todos os sites de notícias que envolvem o envolvimento do cidadão, transparência e prestação de contas.

A TVN2 e o Sololocal são apenas dois exemplos de uma tendência global. As organizações de mídia em todo o mundo estão enfrentando grandes ataques cibernéticos que colocam em risco toda a sua infraestrutura online. "Vinte e um das 25 principais organizações de notícias de todo o mundo têm sido alvo de prováveis ​​ataques de hackers patrocinados pelo Estado", de acordo com uma pesquisa do Google reportada pela agência Reuters.

Para ver a dimensão da tendência de ataques digitais no mundo, o Google Ideas e Arbor Networks desenvolveram um mapa que visualiza os ataques DDoS acontecendo todos os dias.

O bolsista ICFJ Knight Miguel Paz, criador da Poderopedia, uma plataforma digital que monitora quem é quem no mundo da política e dos negócios diz: "todos os bolsistas devem considerar essas questões." Ele se refere aos bolsistas do Knight International Journalism Fellowship do ICFJ, que trabalham na África e América Latina, desenvolvendo ferramentas digitais, estimulando a inovação nas redações e engajando os cidadãos. Ele está certo: A inovação deve ir de mãos dadas com a segurança nos dias de hoje.

Paz está lançando novos capítulos da premiada plataforma Poderopedia na Venezuela e Colômbia, países onde ciberataques têm sido uma prática comum contra jornalistas e blogueiros. Ao longo dos últimos dois anos na Venezuela, jornalistas foram alvo de 27 ataques cibernéticos, cinco ataques a sites e quatro penetrações de contas pessoais, de acordo com Periodistas en Riesgo Venezuela, um mapa de crowdsourcing lançado recentemente pelo ICFJ e a Sociedade Interamericana de Imprensa.

Embora jornalistas, blogueiros, bolsistas Knight e organizações de mídia estejam em risco, eles têm algumas ferramentas disponíveis para ajudá-los. Aqui são algumas luzes no final do túnel:

  • Project Shield do Google está agora oferecendo proteção contra ataques DDoS de todos os sites usando a infraestrutura do Google sem ter que mover o seu site de hospedagem.

  • eQualit.ie fornece proteção contra ataques DDoS para jornalistas independentes através da plataforma Deflect, uma rede global de servidores projetada para absorver as ondas de pedidos DDoS.

  • Qurium é uma fundação de mídia e tecnologia de direitos humanos que oferece hospedagem segura e mitigação de ciberataques.

Jorge Luis Sierra é diretor do Knight International Journalism Fellowships do Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês).

Imagem sob licença CC no Flickr via Scott Hart.