7 ferramentas essenciais para jornalistas investigativos

porGaelle Faure
Sep 03 em Jornalismo investigativo
Computador

Nesta semana, conversamos com a jornalista investigativa Fabiola Torres, do Peru, que vai participar da próxima Conferência Global de Jornalismo Investigativo. Como bolsista Knight do ICFJ, ela lançou recentemente o Salud con Lupa (Saúde sob a Lupa), uma rede transfronteiriça que investiga questões de saúde na América Latina. O projeto visa combater a desinformação desenfreada sobre assuntos relacionados à saúde, concentrando-se em matérias baseadas em dados, bem como em expor falhas do Estado e abusos de poder por entidades privadas.

Na primeira série do Salud con Lupa, Torres trabalhou com jornalistas do Chile, Colômbia e México para revelar como as indústrias de alimentos e farmacêuticas influenciaram os governos latino-americanos, principalmente através de uma porta giratória de executivos que se movem entre cargos corporativos e cargos importantes em agências estatais de saúde.

Torres há muito se concentra em reportagem de saúde. Ela foi uma das fundadoras do OjoPúblico, uma redação sem fins lucrativos em Lima. De lá, ela liderou o Big Pharma Project uma série de investigações multinacionais que lançam luz sobre os métodos usados ​​pelas empresas farmacêuticas para consolidar seus monopólios na América Latina.

Membro do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ, em inglês), Torres também trabalhou no Implant Files, analisando como dispositivos médicos defeituosos chegaram ao Peru.

Estas são suas ferramentas favoritas atualmente:

OpenRefine

Eu uso o OpenRefine para limpar e organizar todos os meus dados. É o meu primeiro passo ao trabalhar com dados. Por exemplo, usei-o para limpar os dados do projeto Cuidados Intensivos do OjoPúblico, em que criamos uma ferramenta que permite aos leitores ver quais profissionais e clínicas médicas pagaram multas ou foram processados por negligência. A princípio, quando analisamos os dados, descobrimos que os nomes das empresas eram escritos de maneiras diferentes e com grafias diferentes; assim, o OpenRefine nos permitiu limpar isso. Também o usamos para combinar nomes de códigos ou números, o que nos mostrou que algumas empresas eram de fato as mesmas. 

Screenshot OpenRefine
Site do projeto Cuidados Intensivos. Captura de tela

Datawrapper

Datawrapper é uma ferramenta simples para criar visualizações. Pode criar todos os tipos de gráficos e mapas. Estes são incorporáveis, responsivos e bem apresentados online. Você pode escolher fontes e cores que correspondem ao design do seu site. E, o mais importante, consegue lidar com uma grande quantidade de dados.

Usei o Datawrapper para criar visualizações quando estava trabalhando na investigação Water Lords. Visualizei o grupo de agroexportadores que esgotaram o suprimento de água no subsolo da região de Ica, no sul do Peru, por meio de poços ilegais, regulamentos extraordinários e obstrução do trabalho dos inspetores estaduais. Para identificar poços ilegais, minha equipe pilotou um drone acima de Villacurí, uma das principais regiões produtoras de aspargos do mundo, onde se prevê escassez de água e quase metade de toda a perfuração é informal.

Screenshot DataWrapper

Também usei o Datawrapper para criar as visualizações das histórias do Implant Files no Peru. Usando dados do FDA [Food and Drug Administration], do serviço Datasur [veja mais sobre Datasur abaixo] e do registro local Digemid, seguimos dispositivos médicos defeituosos dos Estados Unidos ao Peru. Identificamos um grupo de dispositivos médicos retirados do mercado nos Estados Unidos que foram importados para o nosso país apesar do alerta. Em seguida, visualizamos os dados para que nossos leitores pudessem ver que tipos de dispositivos chegaram ao Peru e quais empresas os construíram, e também classificamos as empresas para mostrar quais exportaram os dispositivos mais defeituosos.

Preparamos visualizações no Datawrapper e, em seguida, nosso programador nos ajudou a criar uma versão mais sofisticada.

Screenshot DataWrapper
Screenshot

Linkurious

Eu usei o Linkurious pela primeira vez na investigação Panama Papers, quando o ICIJ forneceu um login para nossa equipe no OjoPúblico. É uma ferramenta muito poderosa que permite investigar links entre diferentes entidades. O ICIJ construiu um enorme banco de dados de documentos relacionados aos Panama Papers e, com o Linkurious, podemos procurar uma empresa e isso nos mostra um grande gráfico de todos os relacionamentos da empresa. Podemos clicar, clicar e clicar e descobrir todos os tipos de conexões. Quando você tem muitas informações sobre empresas (documentos, emails, fotografias) pode ser muito difícil classificar tudo isso, mas com o Linkurious, podemos ver tudo em um só lugar e navegar facilmente.

Também usamos o Linkurious para o Paradise Papers. Isso nos ajudou a descobrir que a empresa farmacêutica Novartis tinha muito mais subsidiárias do que pensávamos no início.

Linkurious
Subsidiárias da Novartis. Captura de tela

MedsPaL

MedsPaL é o banco de dados de patentes e licenças de medicamentos. É uma plataforma que compartilha informações sobre o status de patentes e licenciamento de medicamentos que salvam vidas em países em desenvolvimento e em transição, por exemplo, medicamentos para HIV e hepatite C.

Isso é muito útil, pois essas informações não estão disponíveis em alguns países, como o Peru, onde o Estado ou as agências sanitárias não querem abrir seus dados. Você pode pesquisar no MedsPaL por palavra-chave, país ou produto e pode comparar facilmente dados do seu país com dados de todo o mundo.

Quando eu estava trabalhando no Big Pharma Project, usamos o MedsPaL para examinar as licenças de medicamentos para HIV em diferentes países. No Peru, existe um medicamento chamado Atazanavir que tem um monopólio, e houve um debate sobre se o governo deveria usar um mecanismo regulatório para quebrar a patente desse medicamento. Conseguimos comparar nossa situação com a de outros países que violaram a patente, como Chile e Bolívia. O tratamento do HIV agora custa menos nesses países.

DIME

O acesso a medicamentos a preços acessíveis é um enorme problema na América Latina. Para investigar esse problema, recomendo o DIME, uma plataforma que rastreia o custo dos medicamentos em oito países da América Latina. Permite encontrar todos os tipos de informações, como a quantidade de medicamento que um país está comprando, que preço o Estado negociou com a empresa, preços mínimos e máximos, status das licenças, etc.

Para o Big Pharma Project, o DIME nos ajudou a calcular o custo de diferentes cursos de tratamento para uma pessoa que não possui plano de saúde.

Datasur

Datasur é um serviço pago que fornece informações sobre as importações e exportações de países da América Latina, que podem ser baixadas em formato Excel. Foi muito útil quando rastreamos as importações de dispositivos médicos para o Peru para o Implant Files. Conseguimos encontrar todas as informações de que precisávamos, incluindo qual empresa construiu o dispositivo, em que ano foi importado para o nosso país e qual empresa atuou como intermediária. Atualmente, com meus colegas do Salud con Lupa, estamos usando o Datasur para investigar a importação de medicamentos pela Venezuela e descobrir quem está lucrando mais durante a crise humanitária do país.

Request a Woman Scientist [Solicite uma Mulher Cientista]

Esta ferramenta é exatamente o que parece. No Salud con Lupa, muitas vezes precisamos verificar informações sobre tópicos médicos, por isso procuramos especialistas com o conhecimento mais específico possível, onde quer que estejam no mundo. Nesta plataforma, você pode pesquisar por país, disciplina, interesse e diploma.

Request a Woman Scientist

Este artigo foi publicado originalmente pela Global Investigative Journalism Network e reproduzido na IJNet com permissão. 

Leia mais entrevistas da série "Minhas ferramentas favoritas".

Gaelle Faure é editora associada da GIJN. Anteriormente, trabalhou na França 24, onde se especializou na coleta e verificação de notícias sociais. Ela também trabalhou como editora do News Deeply e reportou para a Time Magazine.

Imagem principal sob licença CC no Unsplash via Christopher Gower