5 ferramentas para melhorar a segurança dos jornalistas

porJenny Manrique
Nov 17 em Segurança do jornalista

Defensores dos direitos digitais muitas vezes dizem que a melhor maneira de lutar contra o governo ou mesmo a vigilância privada é a criptografia.

Muitas organizações de notícias e jornalistas que investigam corrupção ou abusos dos direitos humanos buscam essas ferramentas de criptografia para superar ameaças à segurança, mas o mundo digital ainda é construído para nos fazer recorrer a terceiros para armazenar nossas informações.

"A pior prática que os jornalistas estão fazendo para a sua segurança é contar com terceiros que eles não controlam, de quem não devem depender, para proteger sua privacidade", disse Micah Lee, um especialista em proteção de fonte e criptografia, em uma conferência sobre privacidade em San Francisco para celebrar o Aaron Swartz Day.

Em memória de Swartz, que desenvolveu o SecureDrop para permitir que fontes compartilhem anonimamente informações com jornalistas, organizações como a Freedom of the Press FoundationElectronic Frontier Foundation e Internet Archive se uniram para explorar ferramentas conhecidas ou novas para ajudar os jornalistas a manterem seguros seus dados e fontes.

Lee, que trabalha no Intercept, ensina a pessoas como o vencedor do Prêmio Pulitzer Glenn Greenwald e outros repórteres como usar medidas de segurança sofisticadas ao tratar de informações sensíveis.

"Se você armazenar os rascunhos de suas matérias no Google docs ou o seu jornal usa o Gmail ou Hotmail, não o seu próprio servidor de e-mail, eu acho que isso é muito ruim", disse ele. "Se há alguma investigação sobre as suas fontes, as autoridades enviarão uma solicitação para esses terceiros, não para você."

Estas são algumas das ferramentas apresentadas no evento:

Onion Share

Desenvolvido por Lee, Onion Share permite a qualquer pessoa compartilhar de forma segura arquivos de qualquer tamanho. Em vez de levar informações confidenciais fornecidas por fontes em USBs ou dispositivos portáteis, os repórteres podem compartilhá-lo nesse site temporário não rastreável.

"É como o Dropbox, mas de forma criptografada e confiável. Assim que a pessoa faz o download do arquivo, pode ser apagado do servidor e não é mais acessível a qualquer pessoa", explicou Lee. Se um repórter ou uma fonte quer enviar arquivos, a ferramenta cria uma URL e uma senha que podem ser compartilhadas via mensagens criptografadas. Freelancers podem achar esta ferramenta útil para se comunicar com os denunciantes.

Tor Messenger

Se você conhece o TOR Project, atualmente a melhor maneira de navegar online sem deixar rastros, você ficará contente em saber sobre o lançamento do TOR Messenger. A ferramenta multiplataforma facilita chats criptografados em uma variedade de redes como o Facebook e Gchat. Lee recomendou usá-lo com Jabber ou XMPP, que são "servidores descentralizados pertencentes a organizações de privacidade sem fins lucrativos que estão mais [comprometidos] em manter seus dados seguros do que as corporações gigantes."

OpenArchive

OpenArchive é um aplicativo móvel que busca preservar a mídia cívica audiovisual de uma forma segura.

"Um monte de jornalistas cidadãos tira fotos de abusos ou vídeos da brutalidade policial de direitos humanos e eles são hesitantes em colocá-los na mídia social imediatamente", explicou Natalie Cadranel, fundadora do OpenArchive. "Eles querem dar a alguém de confiança, para que possam fazer o upload para o Archive, usando um pseudônimo se necessário, e o app faz com que seja amplamente disponível por um longo tempo."

O aplicativo, atualmente em versão beta para o Android, usa a tecnologia TOR móvel para permitir que as pessoas na rua enviem imagens sensíveis sem medo de serem rastreados. Todo o conteúdo carregado no OpenArchive terá uma licença Creative Commons. No futuro, a ideia é tornar esse conteúdo pesquisável.

Keybase

Keybase é um diretório aberto de chaves públicas que você pode verificar através de contas de mídia social. Uma chave pública combinada com uma chave privada pode ser utilizada para encriptar as mensagens de forma eficaz. Se uma fonte enviar um e-mail criptografado e você quiser verificar que a pessoa é confiável, o diretório do Keybase pode dizer quem é essa chave, de acordo com seus perfis no Twitter, Reddit, Github, Bitcoin e nomes de domínio. "A ferramenta está em um código beta, por isso precisa de mais desenvolvimento para ser verificado através do Facebook ou Instagram", disse Jeremy Stribling, cofundador do Keybase.

Jornalistas podem criar uma conta Keybase e compartilhar sua chave pública. Dessa forma, as fontes podem verificar com quem estão compartilhando informações. Trata-se de um modelo de confiança que visa evitar a representação falsa. "Se você colocar um link para sua conta Keybase no rodapé de seus artigos, qualquer pessoa pode procurar seu perfil e verificá-lo através de suas contas de mídia social", acrescentou Stribling.

Signal

Não confunda com os aplicativos Signal do Facebook ou Linkedin. Esta ferramenta, desenvolvida pelo Open Whisper System, permite fazer chamadas de voz criptografadas, bem como enviar mensagens de texto criptografado, com o seu número existente e os contatos que também baixarem o aplicativo. O único problema com fontes que falam com os jornalistas através do Signal? Se o telefone for apreendido, as autoridades saberão com que eles estavam em contato, embora não terão acesso ao conteúdo das conversas.