5 estratégias novas que a Reverso utilizou nas eleições argentinas

porPablo M. Fernández
Dec 25, 2019 em Fact-checking e verificação
Logo da Reverso

As recentes eleições na Argentina ofereceram uma oportunidade perfeita para desenvolver um projeto colaborativo de combate à desinformação nas eleições. Baseamos nosso projeto, Reverso, em lições aprendidas por colegas de outras partes que tiveram que lidar com desafios semelhantes durante as eleições em seus próprios países.

Queríamos que nosso projeto fosse capaz de surpreender aqueles que já estavam familiarizados com iniciativas desse tipo.

Para fazer isso, precisamos descobrir o que fazer de maneira diferente, enquanto incorporamos as coisas que os outros fizeram bem. O consórcio, liderado pela Chequeado (minha organização), (AFP), First Draft e Pop-Up Newsroom, em colaboração com mais de 100 outras organizações de notícias, também buscou agregar valor ao espaço, identificando elementos que funcionaram para a Reverso que também poderiam ajudar outras pessoas.

No que trabalhamos

Aprendemos a tirar proveito do Google Assistant — uma plataforma desconhecida para a maioria da equipe. Incorporar nossas verificações de fatos em todos os espaços que as pessoas usam sempre foi um dos objetivos do Chequeado desde a sua criação em 2010, e também se tornou um objetivo da Reverso.

Embora ainda estejamos desenvolvendo a tecnologia, acreditamos que o que aprendemos com esse experimento nos permitirá não apenas ser líderes no campo, mas também ter claro como o processo funciona para gerar essa troca com base na voz (humana e "robótica") — aquela em que a mídia mundial está apostando.

Também sabemos que na Argentina o WhatsApp faz parte das atividades diárias de nosso público, tanto em casa quanto no local de trabalho. Sabemos disso porque eles nos enviam conteúdo para que seja verificado, à medida que aparecem informações erradas nessa plataforma de bate-papo. Pensamos: “Que melhor maneira de tentar entrar na conversa do que usar o mesmo sistema que milhões de argentinos usam para conversar: áudios de WhatsApp. É por isso que gravamos e enviamos toda sexta-feira para aqueles que nos pediram um áudio informando uma verificação com o mesmo tom em que uma amiga ou amigo poderia enviá-lo para você, com barulho de fundo e qualidade de som semelhantes. O resultado foi muito positivo."

"Eu compartilho porque é fácil" é a resposta que as pessoas frequentemente dão quando perguntadas por que compartilharam algo que provavelmente era falso ou questionável. Com "Desinformação na primeira pessoa", uma série de relatórios e vídeos de verificação de fatos focados nas vítimas de desinformação, procuramos esclarecer os danos causados ​​pelo compartilhamento de conteúdo sem consideração. Isso não apenas prejudica celebridades e políticos, mas também pessoas comuns que, apesar de não serem expostas por causa de sua vocação ou linha de trabalho, são prejudicadas porque a desinformação sobre elas rapidamente se torna viral. Estes são vídeos virais de pessoas como Nayruvi De León, uma entregadora de uma empresa chamada “PedidosYa”, que não leva seu bebê para trabalhar como muitos dizem.

Outro desafio que enfrentamos quando lutamos contra a desinformação foi como incorporar a tecnologia em nosso trabalho, antes dos que disseminam a desinformação.

Atentos à importância das mensagens de áudio no ecossistema argentino do WhatsApp, queríamos encontrar uma maneira de analisar os áudios usando princípios científicos para determinar se a pessoa em um áudio era realmente quem parecia ser. Após uma pesquisa que levou meses, junto com o Laboratório de Pesquisa Sensorial (LIS), parte do Conselho Nacional de Pesquisa Científica e Técnica da Argentina (Conicet), e usando sua ferramenta Forensia, conseguimos verificar cinco mensagens de áudio com um grau de certeza que faltava ao usar outras técnicas.

Por fim, pensamos que seria importante ter uma campanha publicitária atraente que chamaria a atenção do público a uma questão tão complexa como a luta contra a desinformação. Além disso, queríamos que nos ajudasse a aproveitar melhor nosso tempo nos canais de televisão que são membros da Reverso  e  compartilhar essa mensagem gratuitamente.

A boa notícia foi que a agência de publicidade BBDO concordou em desenvolver um vídeo para a Reverso com a mensagem “A desinformação pode vir de qualquer lugar. Não deixe que isso venha de você”. Usando técnicas e humor de deepfake, a agência conseguiu criar um vídeo que foi compartilhado organicamente nas mídias sociais por meios de comunicação, jornalistas e por todo tipo de linha editorial. O vídeo recebeu recentemente três prêmios do Círculo de Creativos Argentinos e chamou a atenção para nossa organização.


Pablo M. Fernández é diretor de inovação da Chequeado e codiretor editorial da Reverso.

Imagem da Reverso