3 lições da BBC sobre publicar em 28 idiomas

porDmitry Shishkin
Jul 14, 2015 em Jornalismo digital

O Serviço Mundial da BBC faz jornalismo em outros idiomas além do inglês há décadas. Sua presença digital existe desde 1997 e, atualmente, em 28 línguas, atingindo cerca de 80 milhões de usuários únicos por mês.

O trabalho da minha equipe é gerir o desenvolvimento digital das línguas que oferecemos e conduzir sua estratégia digital, no cruzamento das iniciativas criativas e técnicas.

Ao longo dos últimos anos, temos visto algumas grandes editoras digitais -- CNN, NYT, WSJ, The Guardian, Huffington Post -- desenvolver a sua oferta de notícias além do inglês. Neste post vou compartilhar algumas coisas importantes que eu aprendi ao longo dos últimos quatro anos.

Escalabilidade do produto

Quando você dirige um programa de 28 entidades digitais, você está constantemente priorizando. Com recursos limitados, é impossível fazer com que todos tenham o que desejam, por isso, juntamente com o meu parceiro da equipe de produto, priorizamos muito. Essas listas de priorização podem ser muito diferentes, dependendo de vários fatores e necessidades dos públicos-alvo específicos. Alguns serviços têm audiências predominantemente móveis (sobre as quais falaremos mais tarde). Alguns operam em mercados competitivos e sociais altamente desenvolvidos. Alguns distribuem seu conteúdo a terceiros. E outros desfrutam de grandes proporções de tráfego direto.

Por exemplo, a BBC Brasil e BBC Mundo (em espanhol para a América Latina), sendo dois dos maiores, regularmente alcançam cerca de 15 milhões de usuários únicos por mês, enquanto o menor, do Quirguistão e do Uzbequistão, menos de 100.000. Cada decisão de priorização é baseada em dados de audiência, desempenho e importância estratégica dos serviços. Claro, durante os grandes eventos editoriais importantes, nós acomodamos todos eles (Jogos Olímpicos ou Campeonatos do Mundo de futebol ou grandes eleições são bons exemplos de quando você deve tentar fazer todo mundo feliz com os produtos que você envia). Também mantemos cerca de 10 por cento da capacidade dedicada às tarefas e pedidos usuais.

Apesar de todos os sites compartilharem a mesma infraestrutura técnica, a vastidão e a complexidade do portfólio significa que estamos executando os sites com diversos roteiros, fontes complexas, diferentes ambientes culturais e as equipes trabalhando em diferentes continentes. Manter a experiência do usuário consistente com a pan-BBC é difícil, como sugere este blog -- ainda muito relevante -- de 2011 por nosso diretor criativo.

Ultimamente temos ido mais longe no nosso pensamento de desenvolvimento de produtos, entrando em contato com o cenário de tecnologia local na África que poderia nos ajudar a encontrar melhores soluções técnicas escaláveis ​​em todo o mundo emergente. Fizemos uma parceria com centros de tecnologia no Quênia e na África do Sul e atualmente estamos trabalhando em alguns programas-piloto que poderiam depois ser aplicados na Ásia ou na América Latina.

Revolução móvel 

A coisa mais importante a saber sobre o portfólio do Serviço Mundial da BBC em diversas línguas é que alguns de nossos sites atingiram o cobiçado status de "mobile-first" (dispositivo móvel é prioridade) anos antes de o termo se tornar amplamente utilizado pelos editores digitais ocidentais. Sessenta e seis por cento do nosso público em maio de 2015 nos alcança via celulares ou tablets, enquanto o serviço BBC Hausa, trabalhando para um público nigeriano, já era de 95 por cento móvel em 2012. Lá, o público pulou completamente o consumo online em desktop: a experiência da web é igual a experiência móvel em grandes partes do planeta. 

Dado que a maioria do nosso público-alvo está nos mercados emergentes, de onde o virá o próximo bilhão de usuários conectados, foi estrategicamente importante para nós não só oferecer aos usuários uma experiência mais otimizada através do relançamento de cada site com um design responsivo, mas também implementar um projeto "mobile-first" de mudança editorial. Este ajudou a editores a calibrarem a sua produção com as realidades de consumo de notícias móvel. A mudança afetou significativamente todo o processo de publicação --  do comissionamento editorial a transformar as telas na redação de horizontal para vertical a apoiar a mudança de ambiente de trabalho para o pensamento mobile.

Estamos obcecados com dados na BBC News e Serviço Mundial em particular -- usando-os para a mídia social, search engine optimization (otimização de motor de busca) ou reportagens em tempo real. Uma abordagem rigorosa à base de dados está sendo introduzida ao fluxo de trabalho editorial em todo canto, e meu mantra ao longo dos últimos anos tem sido um famoso ditado atribuído ao engenheiro e estatístico US W. Edwards Deming, que "sem dados você é apenas mais uma pessoa com uma opinião."

E, claro, estamos experimentando com os formatos de fácil navegação para o mobile, incluindo vídeos de curto duração, uso inteligente de imagens e similares.

Formatando a escalabilidade  

Só para dar alguns exemplos de como pensamos sobre alcançar audiências digitais de maneiras diferentes:

Apreciando o fato de que nem todos os nossos usuários virão diretamente a nós (na verdade, apenas um terço do total faz isso) devemos estar onde o público está. Isso também é importante porque muitos dos nossos serviços operam em mercados altamente engajados socialmente e temos uma única chance de crescer lá se fizermos a nossa estratégia social direito.

Um desses projetos sociais é #BBCGoFigure, um produto diário para a mídia social que conta um artigo de notícia usando uma imagem, um número e um link. Essa abordagem é usada em várias plataformas e a simplicidade disso significa que podemos facilmente reverter nosso conteúdo de uma língua para muitas outras muito rapidamente. O mesmo vale para a BBC Shorts, um produto de vídeo de 15 segundos para as redes sociais que conta importantes histórias do dia com algumas imagens de vídeo e legendas. Isso também recebe versões em um número de línguas e sua popularidade está crescendo.

Nós também somos, provavelmente, a primeira organização de notícias a contratar um dedicado "editor de aplicativos de bate-papo" cujo trabalho inicial foi avaliar o mercado global e brincar com algumas plataformas para ver como a BBC poderia divulgar seu jornalismo a centenas de milhões de pessoas usando WhatsApp, Viber, WeChat, Live, Mxit, etc. E mais uma vez, quisemos experimentar com diferentes plataformas relevantes em diferentes países para ver como os nossos resultados podem ser reutilizados em outros lugares. O projeto mais importante que fizemos até agora nesta área foi o lançamento do Serviço Ebola na WhatsApp.

Outro bom exemplo de compartilhamento editorial é um projeto de reportagem "social-primeiro" que já está funcionando em português, turco e alguns outros sites. A ideia por trás disso é simples: vamos mergulhar profundamente na conversação social de um país particular, reportar sobre as histórias mais interessantes, entrando assim na conversa mais relevante. Funciona muito bem para nós -- a BBC Brasil, por exemplo, cresceu em 40 por cento no ano passado.

Minha área favorita pessoal que dá uma grande oportunidade para inovar e escalar ao mesmo tempo é a visualização de dados e área de storytelling interativa. Eu diria que, por tentarmos oferecer tais projetos em tantas línguas quanto podemos, nós provavelmente somos os líderes neste setor a nível mundial, oferecendo a audiências digitais projetos de dados complexos, bem como gráficos de notícias diárias e mapas em 15 a 20 idiomas diferentes. Os últimos Jogos Olímpicos do Verão foram um recorde: nós conseguimos oferecer a todos os 27 serviços o mesmo pacote de conteúdo de visualização de dados -- e foi realmente espetacular.

Construir novas audiências nos mercados internacionais de notícias é difícil. Crescente concorrência, a proliferação de plataformas e fontes, e a constante mudança natureza do setor -- todos esses fatores significam que você deve sempre estar ligado, tentando coisas novas, testando novos fundamentos. Embora as coisas nem sempre funcionem, você aprende com suas falhas, como eu continuo a dizer aos editores, porque só depois de ter falhado que aprendemos. E na próxima vez, ou na seguinte, é provável que você tenha sucesso.

Dmitry Shishkin é o editor de desenvolvimento digital para o BBC World Service Group. Ele trabalhou em várias funções de desenvolvimento digital para a BBC News ao longo dos últimos anos. Estes papéis de liderança têm exigido contatos entre equipe editorial, de produto e de estratégia, a fim de impulsionar a inovação, desenvolver novas formas de alcançar o público e aumentar o engajamento em todo o mundo.

Este post foi publicado originalmente no MediaShift e é reproduzido e traduzido com permissão.

O MediaShift conta como o cenário da mídia mudando está mudando a maneira como obtemos nossas notícias e informações. Os Correspondentes do MediaShift explicam como a mídia tradicional, como jornais, revistas, rádio, TV, música e filmes, estão lidando com rompimento digital e adaptando seus modelos de negócios para um mundo conectado mais móvel. Conheça mais sobre o MediaShift na Internet, siga o MediaShift no Twitter ou Facebook.

Imagem da Rosetta Stone sob licença CC no Flickr via quinet