Quatro dicas para cobertura política

porMargaret Looney
Feb 19, 2012 em Diversos

A cobertura política pode ser complicada, com candidatos dizendo qualquer coisa para impressionar e a mídia social acelerando o ciclo de notícias.

A Social Media Week de Washington, DC, apresentou um painel de discussão sobre como a reportagem política está mudando por causa da tecnologia e mídias sociais. O painel incluiu figurões do jornalismo do Huffington Post, Gannett, ABC News e Politico.

A IJNet sintonizou na transmissão online ao vivo do evento, que tinha ingressos esgotados, e reuniu algumas dicas e ferramentas que jornalistas podem usar na cobertura de eleições.

  1. Utilize o Google+ na noite da eleição. A repórter Laura Cochran sugeriu o uso da rede para obter um visual interessante dos leitores online e da cobertura política enquanto a notícia acontece. Inclua repórteres na rua com aqueles nas emissoras para criar um ritmo acelerado dos resultados e histórias com contexto, diálogo e envolvimento da comunidade.

  2. Fique em sintonia com as emoções online. A repórter Keach Hagey do Politico disse que usa ferramentas de "análise de sentimento" como o PoliPulse para medir a conversa online na mídia social, blogs e sites em cinco questões-chave: meio ambiente, educação, economia, saúde e defesa. Examine o clima na Internet para encontrar ideias de pauta e fazer as perguntas certas durante sua próxima entrevista com um candidato político.

  3. Não deixe que as mídias sociais atrapalhem seu trabalho de repórter. Com o Presidente Obama e Newt Gingrich ingressar no grupo de usuários do Google+Hangout e candidatos (ou geralmente seus funcionários) tuitando ao vivo para o público, os políticos podem se conectar com o público diretamente, mas o repórter Rick Klein da rede ABC disse que estes são "apenas uma versão da publicidade". A repórter Laura Bassett do Huffington Post alertou para não deixar que as mídias sociais o impeçam de fazer perguntas que realmente importam. "É o nosso trabalho obter mais deles e fazer as perguntas mais difíceis, desafiá-los ou construir a confiança deles", disse ela. "Eu ainda acho que há um papel para os jornalistas além de apenas obter de um candidato o que ele poderia colocar no Facebook ou o que sua pessoa na mídia social poderia colocar no Twitter."

  4. Adicione comentários do Facebook ao seu site para alimentar a discussão política. Embora eles possam ser difíceis de moderar, Klein disse que a mídia social deve se basear na conversa, e o plugin do Facebook torna isso tão fácil de realizar. Hagey disse que o Politico recentemente integrou a ferramenta de comentários em suas histórias e que suaviza o tom às vezes abrasivo da discussão política online. "Não é mais anônimo e há nomes reais por trás deles, o que mudou totalmente o debate em torno da política em nossas páginas", disse ela.